Há mais pais falidos por acolherem filhos sem emprego

Um em cada dez casos de sobre-endividamento registados entre 1 de janeiro e 31 de março deste ano foi provocado por alterações do agregado familiar, de acordo com dados da Associação Portuguesa do Consumidor (DECO).

Os dados do Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado (GAS) relativos ao primeiro trimestre deste ano indicam que houve um aumento de casos de penhoras decretadas por tribunais devido a créditos em incumprimento e alterações inesperadas do agregado familiar, com o regresso dos filhos a casa dos pais, disse à agência Lusa a coordenadora Natália Nunes.

A coordenadora do GAS explicou que o número de famílias que pediu ajuda à associação foi semelhante ao registado em 2013, 2014 e 2015.

“O que verificámos foi que o número é semelhante. Estamos a falar de entre 7.000 a 7.500 famílias. No entanto, verificámos que existem em 2015 algumas diferenças em relação às famílias e no que diz respeito à degradação da sua situação financeira”, adiantou.

De acordo com Natália Nunes, mais de 25% das famílias que pediram ajuda à DECO já estavam confrontadas com a penhora dos seus rendimentos e dos bens.

“Isto evidencia o que nós temos vindo a alertar ao longo dos anos: que as famílias devem pedir ajuda atempadamente”, salientou.

Segundo os dados da DECO, entre 1 de janeiro e 31 de março de 2014, a alteração do agregado familiar era de 8%, e no mesmo período de 2015 situou-se nos 10%.

Em 2015, alteraram-se as causas que têm estado na origem das dificuldades das famílias portuguesas. Tradicionalmente é o desemprego a principal causa – ainda que em 2014 tenham sido os cortes salariais – mas este ano verificámos que o desemprego e os cortes salariais representam 30% cada. No entanto, o aumento do agregado familiar, devido ao retorno dos filhos a casa dos pais, mudou a situação”, disse a responsável.

No entender de Natália Nunes, este retorno dos filhos a casa dos pais leva a ruturas orçamentais e ao incumprimento dos compromissos.

“Por outro lado, uma causa que começa a ter valor significativo são as penhoras dos rendimentos e dos bens e também os fiadores que em termos de valor representam 15% das situações que nos chegam”, disse.

A coordenadora do GAS explicou que muitas das penhoras ocorrem em processo de execução e em processos em que os devedores não são os devedores principais, mas porque foram fiadores.

De acordo com os dados, no primeiro trimestre deste ano, 30% dos casos abertos pelo GAS foram motivados pelo desemprego e pela deterioração da situação profissional, 8% devido a divórcio/separação, 12% devido a penhora, 10% por causa da alteração do agregado familiar, 7% por doença e 3% fiadores.

Os dados do GAS indicam também que uma análise ao total de rendimentos dos sobre-endividados, por agregado familiar, revelou que são os que têm rendimentos entre os 505 e os 1.010 euros (36,6%) e os que ganham até 505 euros (32,5%) que mais pedem ajuda ao gabinete da DECO.

De acordo com a DECO, 41,4% dos sobre-endividados trabalham no setor público, 25,2% são reformados, 14,7% no setor público, 13,1% estão desempregados e 5,6% trabalham por conta própria.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Não percebi. 41,4% trabalham no setor público e 14,7% trabalham no setor público também. Algum deve ser privado. E se comecei a ler a notícia é porque gostaria de atribuir as percentagens a classe certa. Fiquei baralhado.

RESPONDER

"Scolari segunda opção? É melhor ver isso do que ser cego"

Frase do treinador Lisca, que deu "muita risada" quando ouviu essa possibilidade. Lisca recusou 14 propostas para mudar de clube, no ano passado. O Cruzeiro andou à procura de treinador, tentou várias direções, mas foi ouvindo …

Covid-19 só explica 27,5% do acréscimo de mortalidade

As mortes por covid-19 em Portugal entre 02 de março e 18 de outubro representam apenas 27,5% do acréscimo da mortalidade registado relativamente à média dos últimos cinco anos, revelou esta sexta-feira o Instituto Nacional …

PCP desafia Governo a renacionalizar os CTT

O secretário-geral do PCP desafiou hoje o Governo a responder "à chantagem" do "grupo Champalimaud", retirar-lhe a concessão do serviço postal e renacionalizar os CTT. A proposta foi feita por Jerónimo de Sousa depois de estar …

"Covid persistente" atinge cerca de 20% dos curados (mas não recuperados)

Um novo estudo britânico indica que vários pacientes podem apresentar sintomas e sequelas durante vários meses, mesmo depois de testarem negativo. Os casos de “covid persistente” afetam maioritariamente mulheres e idosos. Há ainda muito por descobrir …

Acuña já é destaque em Espanha: "Não é bom nos 100 metros, mas..."

O ex-jogador do Sporting será uma referência para Lopetegui e já demonstrou um grande nível no jogo da Liga dos Campeões contra o Rennes. Marcos Acuña chegou a Sevilha há um mês e meio mas começa …

Portagens devem manter preços em 2021

Os preços das portagens nas autoestradas deverão voltar a manter-se em 2021, a confirmar-se a estimativa da taxa de inflação homóloga, sem habitação, de -0,18% em outubro, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). A fórmula …

Governo estuda novo confinamento total nas duas primeiras semanas de dezembro

O Governo está a ponderar decretar um novo confinamento total da população portuguesa nas duas primeiras semanas de dezembro. A notícia foi avançada esta sexta-feira pela TVI e, entretanto, confirmada por outros órgãos de informação. O …

Pelo menos 140 pessoas afogam-se no naufrágio mais mortal de 2020

Pelo menos 140 migrantes morreram afogados ao largo da costa senegalesa depois de a embarcação em que seguiam se ter incendiado e naufragado, avançou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). O barco transportava 200 pessoas …

Nélson Évora terminou contrato com o Sporting

Nelson Évora, campeão olímpico do triplo salto nos Jogos Olímpicos Pequim2008, vai deixar o Sporting após o fim do contrato com o clube, no sábado, confirmou à "Lusa" fonte oficial do Sporting, esta sexta-feira. O atleta, …

Nova Zelândia aprova eutanásia. Mas rejeita legalização da marijuana

Os neozelandeses aprovaram a eutanásia voluntária, mas rejeitaram a legalização da marijuana para uso recreativo, em dois referendos realizados em 17 de outubro, anunciou esta sexta-feira a Comissão Eleitoral. Cerca de 65,2% dos neozelandeses votaram a …