Há 38 mil desempregados a trabalhar por 80 euros por mês nas autarquias

KaiChanVong / Flickr

As câmaras municipais tiveram ao seu serviço cerca de 38 mil desempregados, colocados pelos Centros de Emprego, a trabalhar por uma bolsa mensal de pouco mais de 80 euros, ao longo de 2015. Autarquias assumem que são funcionários essenciais e os sindicatos falam em “escravatura dos tempos modernos”.

A situação foi denunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) e é reportada pela TSF, que avança que, durante 2015, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) colocou 38 mil pessoas a trabalhar nas autarquias através dos chamados Contratos Emprego-Inserção (CEI).

Destes, 18 mil terão sido colocados em Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e 12 mil na administração central, segundo dados da TSF.

Está em causa “mais de um terço dos 110 mil funcionários” que trabalham nas autarquias ao abrigo de contratos de trabalho tradicionais.

“Escravatura dos tempos modernos”

Estes desempregados deveriam ser colocados em funções “socialmente úteis”, mas na prática, “ocupam funções fundamentais (postos de trabalho permanentes) na função pública”, aponta a mesma Rádio.

O presidente da Associação Nacional de Municípios (ANMP), Manuel Machado, confirma na TSF que estas “e muitas mais” pessoas “são precisas nas autarquias” porque estas estão impossibilitadas de contratar mais funcionários.

Com “as autarquias inibidas de contratar pessoal”, mas a continuarem “a abrir novos serviços e equipamentos”, “a solução é recorrer aos CEI“, sustenta na mesma rádio o presidente da Câmara Municipal de Lamego, Francisco Lopes, assumindo que sem estes desempregados, o funcionamento das Câmaras sairia afectado.

Para o presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local (STAL), José Correia, é uma verdadeira “escravatura dos tempos modernos“, afirma à TSF, considerando que estes trabalhadores contratados via IEFP tapam “necessidades permanentes”, sem terem direito a quase nada.

Provedoria de Justiça já tinha criticado governo

O Provedor de Justiça confirma à TSF que “continua a receber queixas relativas aos CEI” e que está “a acompanhar o assunto”, revelando que foram abertos nove processos de queixa em 2015 e em 2016.

Já em 2014, a Provedoria fez uma exposição ao anterior governo, criticando a colocação de desempregados em serviços públicos a troco de uma mera bolsa mensal de 84 euros.

Quanto aos dados denunciados pelo BE relativos a 2015, nem o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, nem o IEFP confirmam.

Para pressionar o governo a tomar medidas neste âmbito, o BE entregou esta quinta-feira, 3 de Novembro, uma pergunta ao Parlamento onde questiona onde está o estudo previsto no Orçamento de Estado para este ano para apurar o número de trabalhadores precários do Estado, e que já devia ter sido concluído em Outubro.

ZAP

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. É o nosso Pais no seu melhor, gostava era que quem faz estas reportagens não se esquecesse de no final do ano pedirem a estas para apresentarem as suas contas em relação aos empregados, se calhar muitos iam ficar surpreendidos ao ver que essas contas incluíam ordenados mínimos destas pessoas como gastos efetivos da autarquia , seja alguém de certeza ganha com estas situações, enfim como digo Portugal no seu melhor.

  2. Esquecem-se de referir, que muitos desses desempregados sao Jotas e sujeitam-se a isso para financiar o proprio partido, sempre na esperanca de um “tacho” devidamente pago!!

  3. É um equilíbrio que se faz, entre ter alguém desempregado a receber subsidio e colocar essa pessoa a fazer algo útil. Algumas vezes as pessoas preferem ocupar o seu tempo. Mas as Câmaras têm as suas verbas e não precisam dessas esmolas, os desempregados deveriam fazer outro tipo de serviços, como vigilância de incêndios, auxilio a idosos, etc…

  4. Mas ATENÇÃO! A evidencia da escravatura em serviços do Estado e autarquias, não se fica por aqui. O CIRCULO VICIOSO e miserável, entre Estado-Autarquias-IEFP, é tal forma PERVERSO, que estes trabalhadores, só permanecem a trabalhar nestes locais, enquanto beneficiários do subsidio de desemprego! Ou seja, quando termina o direito a usufruir do subsidio, o Estado e as Autarquias pura e simplesmente os descartam e vão pedir novos escravos ao IEFP. Esta é a triste realidade meus senhores! O Estado, em conivência com o próprio Estado, é o principal beneficiado com as situações por vezes dramáticas destes trabalhadores.

  5. Boa tarde,
    Sempre foi contra este tipo de atividades pois em nada dignificam quem as executa e pouco ou nada contribuem para as questões de desemprego.
    Lamentavelmente à pessoas que são obrigadas a aceitar este tipo de ofertas e depois de esgotado o subsidio de desemprego são “descartadas pelo estado” pois deixam de exercer funções e deixam de receber subsidio.
    Para além disso temos um Estado que consegue mascarar a realidade do pais em termos de desemprego e temos um basto conjunto de entidades públicas que usam e abusam deste tipo de trabalho precário.
    As pessoas nestas funções “certamente” fazem falta às entidades publicas que as contratam por isso no final da prestação dos serviços estas pessoas deveriam ser avaliadas para uma possível inserção em definitivo ou mesmo a prazo nas funções.
    Usar e deitar fora não…

  6. Certamente é possível que entre tantos desempregados, haja alguns que possam desempenhar as funções de explicadores, ( não direi professores para não arranjar “caldinhos”), para muitos dos atrás comentadores. A língua portuguesa, anda mesmo a ser maltratada…..arre porra!!!!!

  7. O que dizem o PCP e o BE acerca disto? Se fossem empresas privadas seria a maldição dos privados uma vez mais a funcionar, são organismos públicos talvez seja uma bênção para os desgraçados dos explorados.

  8. Há realmente muita gente que não faz a minima ideia do qie diz.
    Vamos lá ver se nos entendemos. Quando se começou com o sistema CEI havia um propósito que era ocupar pessoas desempregadas em funções socialmente úteis, sem contudo as excluir da obrigatoriedade de tentarem arranjar um posto de trabalho pela sua própria iniciativa e sem lhes retirar rendimentos.
    O titulo da notícia é enganador pois não é verdade que as pessoas ganhem 80€ por mês. As pessoas ganham o seu subsidio de desemprego normal, em função dos descontos e carreira contributiva que fizeram num determinado tempo e, ao aderirem a este sistema ( que não é obrigatório ) ganham mais um complemento e mais o subsidio de refeição, ou seja, supondo que têm um subsidio de 500€, além disso ganham mais cento e poucos euros pagos pela autarquia e mais o subsidio de refeição. Parece-me correcto, até pela vertente de aproveitamento de recursos pois o Estado já está a pagar, estando a pessoa sem desempenhar função alguma.

  9. Por 80€ por mês não. Por mais 80€ por mês. E eram voluntários pessoas que preferem ser úteis a estar sem nada fazer. Os sindicatos deviam preocupar-se com outros assuntos mais importantes.

  10. Grande verdade: os sindicatos deviam preocupar-se com quem ganha milhares de euros por mês a explorar os pobres………………………

Viagens expresso no Sistema Solar. Nave espacial pode chegar a Titã em apenas 2 anos

Uma equipa de cientistas está a trabalhar num propulsor de nave espacial que, segundo eles, poderia alcançar a misteriosa lua de Saturno, Titã, em menos da metade do tempo que o satélite Cassini demoraria. Apesar de …

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …