Guterres deixa recado a Trump: Acordo de Paris é “absolutamente essencial”

UNHCR / Flickr

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) considerou esta terça-feira “absolutamente essencial” que o acordo de Paris contra as alterações climáticas seja concretizado, quando se admite que os EUA possam mudar de posição face ao mesmo.

No seu primeiro grande discurso consagrado ao aquecimento global, e às subsequentes alterações climáticas, António Guterres considerou que os objetivos fixados pelo acordo, estabelecido em 2015, deveriam ser cumpridos “com uma ambição acrescida”.

Os Estados Unidos integram o conjunto de 147 Estados e entidades que assinaram o acordo de Paris, o texto histórico que visa limitar o aquecimento global do planeta a menos de dois graus centígrados, através da redução da emissão de gases com efeito de estufa.

Guterres não evocou diretamente os recentes questionamentos de Donald Trump, mas afirmou que “se um governo coloca em causa a vontade e a necessidade mundiais quanto ao que respeita a este acordo, é uma razão para todos os outros se unirem ainda mais”.

Ao discursar na Universidade de Nova Iorque, Guterres disse: “Devemos fazer todo o possível para reforçar as nossas ações e ambições até que consigamos inverter a curva das emissões e reduzir o aquecimento mundial”.

Durante a cimeira do G7, no último fim-de-semana, o Presidente dos EUA recusou juntar-se aos representantes das outras grandes economias na garantia da concretização do acordo de Paris, garantindo que iria revelar a sua decisão durante esta semana.

O secretário-geral da ONU, que qualificou o acordo como um “momento notável na história da Humanidade”, assegurou entretanto que as empresas do setor da energia não tinham esperado as políticas governamentais para se atualizarem na economia verde. “Os que falharem na transição para a economia verde, vão conhecer um futuro cinzento“.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.