Guardas diabólicas. Mulheres comuns pertenceram à SS (e torturaram outras em campo de concentração)

Ravensbrück

Guardas mulheres pertenceram à SS durante a 2º Guerra Mundial

Perseguir, torturar e matar judeus não foi uma ação impulsionada apenas por homens. Na altura da Segunda Guerra Mundial foram muitas as mulheres que se juntaram à SS para fiscalizar e realizar tarefas nos campos de concentração nazis.

“Trabalhadoras mulheres, saudáveis ​​e com idades entre 20 e 40 anos são procuradas para um local militar. Bons salários e alimentação gratuita, acomodação e roupas são prometidos”, podia ler-se no anúncio de emprego de um jornal alemão de 1944.

O que não era mencionado é que a roupa era um uniforme da SS (polícia nazi), e que o “local militar” seria o campo de concentração feminino de Ravensbrück, na Alemanha.

Naquele local trabalharam guardas mulheres, algumas com filhos. Das varandas, as colaboradoras do regime nazi podiam observar uma floresta e um lago.

“Foi a época mais bonita da minha vida”, afirmou uma ex-guarda, décadas depois, apesar da janela do seu quarto lhe mostrar a outra realidade – o dia a dia das prisioneiras e as chaminés da câmara de gás.

A grande maioria das jovens que ingressava nos campos de concentração eram provenientes de famílias pobres, abandonaram a escola cedo ou tiveram poucas oportunidades de carreira.

Por isso, um trabalho num campo de concentração significava salários mais altos, acomodações confortáveis ​​e independência financeira. “Era mais atraente do que trabalhar numa fábrica”, diz Andrea Genest, diretora do museu de Ravensbrück.

Muitas dessas mulheres foram doutrinadas por grupos de jovens nazis e acreditavam na ideologia de Hitler. “Elas sentiram que estavam a apoiar a sociedade, fazendo algo contra os seus inimigos”, explica Genest.

Espancadas, torturadas ou assassinadas

Cerca de 3.500 mulheres trabalharam como guardas em campos de concentração nazis, e todas começaram em Ravensbrück. Mais tarde, algumas acabaram por ir trabalhar em campos fora do país como é o caso de Auschwitz-Birkenau ou Bergen-Belsen.

“Eram pessoas horríveis”, recorda Selma van de Perre, de 98 anos, que foi uma ativista da resistência judaica holandesa e que acabou por ser presa em Ravensbrück. “Provavelmente estas mulheres gostaram das funções que exerciam porque lhes deu poder. Algumas prisioneiras foram muito maltratadas, espancadas”, conta a ativista.

Os pais e a irmã de Selma foram mortos nos campos de concentração e quase todos os anos a holandesa regressa a Ravensbrück para participar em eventos que têm como objetivo garantir que os crimes cometidos não serão esquecidos.

Ravensbrück era o maior campo exclusivamente feminino da Alemanha nazi e mais de 120 mil mulheres de toda a Europa foram presas naquele local. Algumas delas lutavam pela resistência ou opositores políticos, outras foram consideradas “inadequadas” para a sociedade nazi, pois eram judias, lésbicas, prostitutas ou sem-abrigo.

No campo de concentração alemão, grande parte das mulheres foram intoxicadas por gás ou enforcadas, outras morreram à fome, devido a doenças ou mesmo porque trabalhavam até à morte. Foram tratadas brutalmente por muitas das guardas, sendo espancadas, torturadas ou assassinadas, conta a BBC.

“Cometi um erro? Não.”

Após a guerra, durante os julgamentos de crimes de guerra, Irma Grese foi apelidada de “bela fera” pela imprensa. A jovem era atraente e loira e foi considerada culpada por vários assassinatos, sendo depois condenada à morte por enforcamento.

Desta forma, o cliché da mulher loira e sádica que usava um uniforme da SS, mais tarde tornou-se numa figura sexualizada em filmes e livros de banda desenhada.

Porém, das milhares de mulheres que trabalhavam como guardas da SS, apenas 77 foram levadas a julgamento. E muito poucas foram realmente condenadas.

Herta Bothe, uma dessas mulheres, que foi presa por atos de violência, falou publicamente mais tarde. A alemã foi perdoada pelos britânicos pelas mortes que causou, mas numa rara entrevista, gravada em 1999, pouco antes de morrer, a mulher não mostrou arrependimento.

“Cometi um erro? Não. O erro foi trabalhar num campo de concentração, mas eu tinha que ir para lá, caso contrário eu mesma teria sido colocada nele”.

De acordo com a BBC, esta era a desculpa que as ex-guardas costumavam dar quando iam trabalhar para os campos, mas não era verdade. Os registos mostram que algumas recrutas deixaram Ravensbrück assim que perceberam do que se tratava, sendo que foram autorizadas a sair e não sofreram quaisquer consequências.

Desde o final da Segunda Guerra, as guardas da SS foram transformadas em ficção em livros e filmes. O mais famoso foi “O Leitor”, um romance alemão que mais tarde se tornou num filme protagonizado por Kate Winslet.

Ana Isabel Moura Ana Moura, ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Cara/o Zap,
    “Prosseguir” significa continuar.
    Será que queriam antes escrever “perseguir” na abertura da notícia?

  2. Já agora, “Nazista” não é Português de Portugal e acredito que a ZAP e a AEIOU sejam empresas Portuguesas orientadas para um público Português. Obrigado.

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo seu reparo.
      Embora seja mais comum e familiar o uso do termo “nazi”, o termo “nazista” é português pt_PT correto.
      na·zis·ta
      adjectivo de dois géneros
      1. Relativo ao nazismo.
      adjectivo de dois géneros e nome de dois géneros
      2. Que ou quem é adepto do partido nacional-socialismo que Hitler chefiou.
      Sinónimo Geral: NAZI
      nazista“, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa

  3. O dramático resultado de um regime extremista tal como o comunismo que teima ainda em persistir nalguns países, ou outros de índole fascista, no entanto, ainda há quem considere aquilo o céu e uma opção política. Muita farsa existe ainda mesmo em regimes ditos democráticos incapazes de distinguir o trigo do joio.

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …