Greves na saúde aumentaram 70% no ano passado

As greves na Saúde provocaram, no ano passado, 115.905 dias de ausência ao trabalho, um aumento de 70% face a 2016.

As greves do setor da Saúde foram responsáveis por 115.905 dias de ausência ao trabalho só no ano passado, mais 69,3% do que os 68.443 dias registados em 20106.

O Jornal de Notícias avança, esta segunda-feira, que estas ausências contabilizam vários profissionais deste setor, nomeadamente, médicos, enfermeiros, técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e trabalhadores da saúde. Este ano parece caminhar no mesmo sentido, já que a contestação no setor não dá sinais de abrandamento.

Em março, os enfermeiros realizaram uma paralisação; na semana passada foi a vez dos trabalhadores da saúde e a partir de terça-feira, até quinta-feira, os médicos estarão em greve. Para 24 e 5 deste mês está também agendada uma paralisação dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica.

Este ano conta já com várias paragens no setor, resta ainda saber se os números vão coincidir com os valores de 2017. No ano passado, de acordo com os dados divulgados pelo jornal, os profissionais de saúde pararam sobretudo nos meses de junho, julho, outubro, novembro e dezembro.

Esta forma de protesto levou ao adiamento de milhares de consultas, cirurgias e exames, tendo sido os utentes a pagaram a maior fatura destas sucessivas paralisações.

Os médicos pedem a compreensão dos utentes, lembrando que a luta é pela qualidade do Serviço Nacional de Saúde. O Bastonário dos Médicos Miguel Guimarães explica ainda que existe um grande desencanto com o atual ministro da Saúde. Por sua vez, os sindicatos acusam o Ministério da Saúde de se recusar a negociar.

Sindicatos médicos publicam nota aos utentes

Os sindicatos que convocaram a greve dos médicos, que começa esta terça-feira, publicaram hoje na imprensa uma mensagem aos utentes, na qual sublinham que o Governo gasta 120 milhões com serviços de empresas de trabalho temporário.

“Um dos argumentos do Ministério da Saúde é que não há dinheiro para implementar as medidas propostas pelos sindicatos. No entanto, gasta 120 milhões de euros com serviços de empresas de trabalho médico temporário, em vez de abrir concursos atempados para a contratação dos médicos especialistas necessários para o SNS”, afirmam os sindicatos.

A greve, que decorre entre terça e quinta-feira, foi convocada pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e pela Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Na nota, os sindicatos explicam que convocaram a greve “face à degradação do Serviço Nacional de Saúde e das condições de trabalho dos médicos” e lembram que a paralisação surge “após dois anos de tentativas de negociação com o Ministério da Saúde”, sem resultados.

“Para termos médicos qualificados nos serviços é preciso descongelar as carreiras. Só com mais médicos qualificados é possível formar médicos mais novos. Estes médicos mais novos precisam de ter acesso a vagas no internato médico, para não os deixar sem formação”, recordam.

Os sindicatos frisam ainda que “os médicos sem formação são médicos indiferenciados e sem especialidade médica, o que compromete a qualidade do Serviço Nacional Saúde”.

“Com a falta de médicos e de serviços, os doentes esperam horas sem fim para serem atendidos, são adiadas consultas e cirurgias, as maternidades funcionam próximas da rotura, assim como a maior parte dos serviços”, sublinham.

Entre os motivos da greve estão a revisão das carreiras médicas e respetivas grelhas salariais, a redução do trabalho suplementar anual, o limite de 12 horas de trabalho semanal em serviço de urgência e o reajustamento das listas de utentes dos médicos de família, de 1.900 para 1.550 utentes.

O descongelamento da progressão da carreira médica e a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido e de risco e penosidade acrescidos, com a diminuição da idade da reforma, são outros dos motivos apontados.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vila do Conde revela que tem 173 casos ativos no concelho

A Câmara de Vila do Conde, do distrito do Porto, revelou esta quarta-feira que existem 173 casos ativos de covid-19 no concelho e que já está em marcha um plano de apoio à população, assim …

Descarrilamento de comboio na Escócia faz pelo menos três mortos

Três pessoas morreram e seis ficaram feridas em consequência do descarrilamento de um comboio de passageiros na Escócia, anunciou a polícia escocesa, citada pela agência Lusa. O acidente ocorreu 160 quilómetros a nordeste de Edimburgo. Numa primeira …

Temido garante que "não haverá exceções" para o Avante (e pede cautela com vacina russa)

A ministra da Saúde defendeu esta quarta-feira que a lotação da Festa do Avante!, organizada pelo PCP, terá este ano que ser inferior à capacidade máxima de 100 mil pessoas do recinto no Seixal, por …

Trump pondera impedir entrada de residentes suspeitos de exposição à covid-19

A Administração norte-americana está a ponderar barrar a reentrada no país a cidadãos norte-americanos ou residentes legais suspeitos de terem sido expostos ao novo coronavírus. De acordo com o Jornal Económico, que cita o jornal New …

Pelo menos 42 feridos em Beirute em confrontos entre polícia e manifestantes

Pelo menos 42 pessoas ficaram feridas, esta terça-feira, em confrontos entre manifestantes e a polícia, pelo quarto dia consecutivo, nas proximidades do Parlamento em Beirute. De acordo com a Cruz Vermelha libanesa, dos pelo menos 42 …

ONU envia ajudas para estabilizar falta de alimentos no Líbano

A Organização das Nações Unidas já começou a ajudar o Líbano, através do envio de farinha de trigo. O objetivo é começar a colmatar a falta de alimentos destruído pelas explosões. Segundo o The Washington Post, …

Mais três mortes e 278 novos casos. Infeções aumentam no Norte

Portugal tem atualmente 12.519 casos ativos de covid-19 e 161 surtos, circunstâncias em que os casos ativos estão ligados a um fenómeno comum, anunciou esta quarta-feira a ministra da Saúde em conferência de imprensa. Esses surtos, …

Oito bebés em Portugal têm a mesma doença que Matilde (e já tomaram o medicamento mais caro do mundo)

Em Portugal, há oito bebés com até 2 anos que já tiveram autorização para tomar Zolgensma, o medicamento mais caro do mundo que pode ser a esperança para os casos de Atrofia Muscular Espinhal. O Jornal …

Praia de Copacabana será a primeira com reserva no areal para banhistas

A praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, Brasil, será o local de testes de um sistema de marcação de lugares no areal através de uma aplicação digital criada pela prefeitura carioca para evitar a …

Podemos e braço direito de Iglesias investigados por alegado financiamento ilegal

O Podemos está a ser investigado na sequência de denúncias sobre eventuais irregularidades de financiamento do partido espanhol liderado por Pablo Iglesias, vice-presidente do Governo espanhol. De acordo com o El Español, em causa está uma …