Greves na saúde aumentaram 70% no ano passado

As greves na Saúde provocaram, no ano passado, 115.905 dias de ausência ao trabalho, um aumento de 70% face a 2016.

As greves do setor da Saúde foram responsáveis por 115.905 dias de ausência ao trabalho só no ano passado, mais 69,3% do que os 68.443 dias registados em 20106.

O Jornal de Notícias avança, esta segunda-feira, que estas ausências contabilizam vários profissionais deste setor, nomeadamente, médicos, enfermeiros, técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica e trabalhadores da saúde. Este ano parece caminhar no mesmo sentido, já que a contestação no setor não dá sinais de abrandamento.

Em março, os enfermeiros realizaram uma paralisação; na semana passada foi a vez dos trabalhadores da saúde e a partir de terça-feira, até quinta-feira, os médicos estarão em greve. Para 24 e 5 deste mês está também agendada uma paralisação dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica.

Este ano conta já com várias paragens no setor, resta ainda saber se os números vão coincidir com os valores de 2017. No ano passado, de acordo com os dados divulgados pelo jornal, os profissionais de saúde pararam sobretudo nos meses de junho, julho, outubro, novembro e dezembro.

Esta forma de protesto levou ao adiamento de milhares de consultas, cirurgias e exames, tendo sido os utentes a pagaram a maior fatura destas sucessivas paralisações.

Os médicos pedem a compreensão dos utentes, lembrando que a luta é pela qualidade do Serviço Nacional de Saúde. O Bastonário dos Médicos Miguel Guimarães explica ainda que existe um grande desencanto com o atual ministro da Saúde. Por sua vez, os sindicatos acusam o Ministério da Saúde de se recusar a negociar.

Sindicatos médicos publicam nota aos utentes

Os sindicatos que convocaram a greve dos médicos, que começa esta terça-feira, publicaram hoje na imprensa uma mensagem aos utentes, na qual sublinham que o Governo gasta 120 milhões com serviços de empresas de trabalho temporário.

“Um dos argumentos do Ministério da Saúde é que não há dinheiro para implementar as medidas propostas pelos sindicatos. No entanto, gasta 120 milhões de euros com serviços de empresas de trabalho médico temporário, em vez de abrir concursos atempados para a contratação dos médicos especialistas necessários para o SNS”, afirmam os sindicatos.

A greve, que decorre entre terça e quinta-feira, foi convocada pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e pela Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Na nota, os sindicatos explicam que convocaram a greve “face à degradação do Serviço Nacional de Saúde e das condições de trabalho dos médicos” e lembram que a paralisação surge “após dois anos de tentativas de negociação com o Ministério da Saúde”, sem resultados.

“Para termos médicos qualificados nos serviços é preciso descongelar as carreiras. Só com mais médicos qualificados é possível formar médicos mais novos. Estes médicos mais novos precisam de ter acesso a vagas no internato médico, para não os deixar sem formação”, recordam.

Os sindicatos frisam ainda que “os médicos sem formação são médicos indiferenciados e sem especialidade médica, o que compromete a qualidade do Serviço Nacional Saúde”.

“Com a falta de médicos e de serviços, os doentes esperam horas sem fim para serem atendidos, são adiadas consultas e cirurgias, as maternidades funcionam próximas da rotura, assim como a maior parte dos serviços”, sublinham.

Entre os motivos da greve estão a revisão das carreiras médicas e respetivas grelhas salariais, a redução do trabalho suplementar anual, o limite de 12 horas de trabalho semanal em serviço de urgência e o reajustamento das listas de utentes dos médicos de família, de 1.900 para 1.550 utentes.

O descongelamento da progressão da carreira médica e a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido e de risco e penosidade acrescidos, com a diminuição da idade da reforma, são outros dos motivos apontados.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Prejuízos na TAP agravam-se e podem afastar Neeleman. Governo já procura novo comprador

A TAP apresentou prejuízos de cerca de 119 milhões de euros no primeiro semestre de 2019, um agravamento de 29 milhões relativamente a 2018. São os resultados negativos mais elevados desde a privatização da companhia …

"Deixem as vacas em paz!" Marcado mega churrasco de protesto na Universidade de Coimbra

Continuam a chover críticas à Universidade de Coimbra depois da decisão de banir a carne de vaca das cantinas. Associações do sector da produção bovina apelam a que se "deixem as vacas em paz" e …

Parte do programa do PDR é literalmente igual ao do PSD

O programa eleitoral do PDR para as legislativas de 6 de outubro é "exactamente igual" ao programa do PSD. São parágrafos inteiros e medidas exactamente iguais, diz o Público. Os programas eleitorais do Partido Democrático Republicano, …

Cofina chega a acordo com Prisa. TVI vendida por 255 milhões de euros

A Cofina SGPS anunciou este sábado ter chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros. Em comunicado enviado …

BE é feminista porque "isso é querer igualdade e segurança" (e não queima pontes)

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda assumiu sexta-feira o partido como feminista, explicando que "isso é querer igualdade e segurança" para ambos os sexos, e que é preciso "mudar as regras do jogo em …

O mistério da origem do estanho da Idade do Bronze foi finalmente resolvido

A origem do estanho usado na Idade do Bronze tem sido um dos maiores enigmas da pesquisa arqueológica. Agora, investigadores resolveram parte do quebra-cabeças. Um grupo de arqueólogs da Universidade de Heidelberg e do Centro de …

Votos postais dos portugueses no Reino Unido estão a ser devolvidos aos remetentes

Os correios britânicos estão a investigar "com urgência" a razão pela qual os envelopes com os votos postais dos portugueses residentes no país estão a ser devolvidos aos remetentes, informou hoje uma fonte oficial à …

Fuligem da poluição do ar encontrada na placenta de mulheres grávidas

Manchas de fuligem expelidas de motores de automóveis e centrais de combustíveis fósseis podem ser encontradas no lado fetal da placenta. Uma equipa liderada por cientistas da Universidade Hasselt, na Bélgica, estudou as placentas após o …

Mosquitos geneticamente modificados libertados no Brasil estão a reproduzir-se

O inesperado aconteceu: mosquitos geneticamente modificados estão a reproduzir-se no Brasil. A empresa responsável pela criação destes insetos mutantes realça que não há perigo para a saúde das pessoas. O plano para reduzir a população local …

Em 1816 não houve verão. A culpa foi de um vulcão na Indonésia

https://vimeo.com/361354585 Em 1815, o vulcão Monte Tambora, na Indonésia, explodiu - e terá sido a maior erupção nos últimos 1.500 anos. Há muito que se suspeita que o evento causou o chamado "ano sem verão" na …