Gregos pedem que o femicídio seja um crime independente após sucessivos casos de mulheres mortas às mãos dos maridos

Desde o início do ano já morreram, na Grécia, 17 mulheres por ações violentas de maridos ou companheiros. Autoridades notam que a brutalidade dos crimes tem vindo a aumentar.

O governo grego tem enfrentado pressões para criar uma moldura penal própria para o crime de femicídio, depois de o país ter assistido, em choque, às notícias da morte de mais duas mulheres pelos maridos no espaço de cinco dias. Os dois desfechos elevam para 17 o número total de mulheres cujas vidas terminou desta forma desde janeiro deste ano. Segundo o The Guardian, os dois homens terão justificado os crimes com o medo que sentiam de que as mulheres os deixassem.

No sábado, as autoridades gregas conseguiram impedir um novo desfecho trágico arrombarem a porta de casa do casal, deparando-se com o marido a apontar um homem a apontar uma faca ao pescoço da namorada.

Perante todos estes casos, a população grega tem vindo a apelar para a ações legislativas mais duras contra os criminosos, já que, na maioria das situações, as suas ações são integradas na categoria de “crimes de ódio“. O problema já foi reconhecido por Alexis Tsipras, antigo primeiro-ministro e líder do principal partido da oposição, que admitiu que o tempo para solucionar este tipo de questões está a terminar.

“O desgosto e a fúria já não são suficientes. É tempo de agir. Já estamos atrasados”, vincou, mostrando-se contra a recusa do parlamento grego em discutir a questão. “O reconhecimento do femicídio pelo Estado deve ser apenas o começo.”

O crescimento dos números de violência doméstica na Grécia tem sido atribuído à pandemia e aos meses de confinamento que esta veio trazer. Paralelamente, tem se registado um aumento da brutalidade dos crimes, com as autoridades a descreverem ações como disparos, sufocamentos, esfaqueamentos, espancamentos e até afofamentos.

O tema do femicídio surge numa altura em que o atualidade noticiosa na Grécia tem sido dominada por denúncias de abuso sexual por parte de mulheres do mundo das artes e de desporto. Tal como nota o jornal britânico, este pode ser um ponto de viragem numa sociedade que se mantém como uma das mais conservadoras da Europa e onde a religião tem uma grande preponderância.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE