/

Em gravação confidencial, ministro iraniano critica Qasem Soleimani, o general assassinado pelos EUA

МИД России / Flickr

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Javad Zarif

O ministro das Relações Exteriores do Irão, Javad Zarif, foi ouvido a criticar o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) e o general assassinado Qasem Soleimani num áudio divulgado pelos media iranianos este domingo.

Na entrevista de três horas, gravada como parte de um projeto de investigação do jornalista e economista iraniano Saeed Laylaz, Javad Zarif disse que o comandante assassinado Soleimani estava a conduzir a política externa e a tentar sabotar o Plano de Ação Global Conjunto (JCPOA), o acordo nuclear assinado em 2015 pelos Estados Unidos e outras potências mundiais.

Segundo a CNN, o ministro afirmou ainda que a diplomacia iraniana foi minada e ofuscada pelas ações militares, especialmente na Síria, onde o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) estava a ajudar o presidente Bashar al-Assad a esmagar uma rebelião contra o seu Governo.

“A minha diplomacia pagou sempre o preço das atividades militares do mártir Qasem Soleimani e não foi o contrário”, disse o governante.

Segundo a gravação, Soleimani também explorou o levantamento das sanções após o acordo nuclear de 2015 para usar voos que transportam equipamento militar e pessoal de Teerã a Damasco a bordo da transportadora aérea civil Iranair sem informar Zarif.

Este áudio, revelado no domingo pelos media iranianos, mostra um raro momento de crítica interna contra Soleimani.

O comandante, que chefiava a Força Quds, uma unidade de elite que lida com as operações militares do Irão no exterior, foi morto por um ataque conduzido por drones norte-americanos no Iraque em janeiro de 2020.

O momento da fuga do áudio é questionável, segundo a CNN. As eleições iranianas estão marcadas para junho, com a principal competição entre o lado moderado do presidente Hassan Rouhani e Zarif contra o lado conservador de linha dura.

O Irão também está atualmente a participar em negociações delicadas em Viena com potências mundiais sobre o seu programa nuclear e um regresso ao JCPOA.

A autenticidade da fita não foi oficialmente confirmada, mas o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Saeed Khatibzadeh, não negou a sua validade. Por outro lado, Khatibzadeh afirmou que as citações foram retiradas do contexto e não refletem a posição oficial.

O áudio “não foi de forma alguma uma entrevista desde o início, nem deveria ser uma entrevista. Era parte de um diálogo rotineiro e confidencial que ocorre dentro da administração”, explicou Khatibzadeh.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.