Governo vai proibir jogos de futebol em dia de eleições

Mário Cruz / Lusa

O secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, exerce o seu direito de voto

Esta é a terceira vez que jogos de futebol se sobrepõem em dias de eleições. O Governo quer agora proibir isso de acontecer mas a medida só vai arrancar depois destas eleições autárquicas.

Segundo o Diário de Notícias, que falou com fonte oficial, o Governo vai aprovar uma lei que proíbe jogos e espetáculos desportivos em dias de eleições mas a medida só vai avançar depois das autárquicas, agendadas para o próximo dia 1 de outubro.

O Executivo contactou a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) a propor a alteração das datas dos quatro jogos marcados: Braga-Estoril (16h00), o “clássico” Sporting-FC Porto (18h00), Marítimo-Benfica (20h15) e Belenenses-V. Guimarães (20h30). No entanto, a Liga rejeitou essa possibilidade, justificando-se com o calendário apertado e com as explicações que já tinha dado anteriormente esta semana.

Vários jogos foram antecipados para sexta e sábado, no entanto, isso não foi possível com todos os clubes “face à participação das equipas portuguesas em competição europeia na semana anterior” e ao facto de cada equipa ter de ter um “intervalo regulamentar de descanso entre jogos de pelo menos 72 horas“. Além disso, no dia 2 de outubro, “muitos jogadores têm de partir para se juntarem às respetivas seleções nacionais, o que impede a realização de jogos nesse dia”.

De acordo com o DN, estes são argumentos idênticos aos usados nas duas eleições anteriores, que também se sobrepuseram a jogos de futebol: as legislativas de 2015 e as presidenciais de 2016.

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) não sabia da marcação dos jogos e só esta terça-feira analisou o caso em reunião plenária. No entanto, o porta-voz da Comissão, João Machado, relembra que há dois anos, quando aconteceu a mesma coisa, a CNE mostrou-se contra porque, embora “não havendo lei que expressamente os proíba, é desaconselhável a realização de eventos desta natureza” porque “potenciam a abstenção de um número que pode ser significativo de eleitores que, além dos profissionais envolvidos, se deslocam para fora do local da sua residência habitual”.

Segundo o jornal, Passos Coelho desvaloriza a coincidência dos jogos e das eleições porque considera que “os portugueses não deixarão de votar”, aliás “têm já uma maturidade muito grande para saberem o que querem fazer” e, por isso, não há “nada que impeça votar e ir ao futebol”.

Por sua vez, tanto o Bloco de Esquerda como o Partido Comunista criticam esta sobreposição. A coordenadora do BE, Catarina Martins, considera que não é a “decisão mais recomendável, mais sensata” e o líder do PCP, Jerónimo de Sousa, notou que “seria desejável que não houvesse essa sobreposição”.

Ao jornal Público, Carlos César, presidente dos socialistas, já tinha dito que “não vê drama” e relembrou que em “maior risco de privação cívica estão os muitos que trabalham ao domingo”.

ZAP //

6 COMENTÁRIOS

  1. Agora a culpa dos Portugueses não votarem é dos jogos!!! Isto é um insulto aos Portugueses ou querem tentar “obrigar” os Portugueses a irem votar, quando não lhes dá vontade nenhuma nem estão tão pouco p/ perder tempo c/ gente politica que é Vigarista, Ladrões, Mentirosos, Corruptos. Não são os espetáculos que os impede de ir votar, mas tão somente a atitude dos politicos q são todos uns corruptos e vendidos. Os Portugueses estão cansados de serem ENGANADOS. As eleições até deviam de ser num dia de semana de trabalho, como se faz na Inglaterra. E eles votam…
    Politicos não nos insultem mais, BASTA.

    • E bem!!
      Até porque o voto é obrigatório!!
      Essa descrição (Vigaristas, Ladrões, Mentirosos, Corruptos, Vendidos), também encaixa que nem uma luva no futebol profissional!!
      E quem não vota é tão (ou mais!) responsável pelo que se passa na política!
      A Inglaterra/Reino Unido tem uma taxa de abstenção elevada (semelhante à de Portugal) – nos jovens ainda será superior… e, o resultado disso está bem a vista com o Brexit!!

      • Obrigatório?! Que eu saiba em Portugal não é LOL. Não lhe acontece nada se não for votar, pois não?
        Mas tem razão sim senhor, não votam e depois fartam-se queixar do governo e dos políticos…

        • “Obrigatório” no sentido que é um dever (“obrigação”) de cada cidadão; não é obrigatário como na Bélgica, Luxemburgo ou no Brasil!
          Também há países, como a Grécia, onde o voto é obrigatório, mas quem não votar não tem qualquer penalização!

          • Este agora anda a inventar novos significados para as palavras?! O voto não é obrigatório e ponto final. Quem disser que o voto é obrigatório em Portugal só pode ser ignorante.
            E já agora, a minha opinião é que a pior coisa que se pode fazer a um direito é torná-lo uma obrigação. O voto é um direito, não uma obrigação, e ainda bem.
            O que devia ser obrigatório é votar em consciência e sabendo o que se está a fazer, e não votar apenas por votar ou por razões anda piores que nem vale a pena estar a enumerar neste espaço.

  2. Mais uma palhaçada…
    Em 1924, na Austrália, por exemplo, bastou o voto passar a ser obrigatório para haver maior número de votos, quando a % de pessoas a votar era extremamente baixa, mas também não me acredito que isso seja algo bom… Se não votar e não tiver uma justificação válida, leva multa… Mas também deve haver muita gente a votar só por votar, em qualquer um, sem ter o mínimo de conhecimento do que está a fazer…
    Como sugeriu o nmfc, podia haver eleições num dia de semana, sempre haverá com certeza mais pessoas disponíveis, do que num domingo, quando muita gente está nos seus passeios familiares ou ,simplesmente, só quer descanso.

RESPONDER

Os famosos autocarros de Londres agora são movidos a café

É a primeira vez que um biocombustível derivado do café é usado nos transportes públicos de Londres. A partir desta segunda-feira, parte do combustível usado nos double deckers londrinos vai ser feito a partir de …

Tribunal confirma incapacidade de centenário que se casou com empregada em Bragança

O centenário milionário de Bragança que se casou com uma empregada em maio, dois meses antes de morrer, estava incapaz de tomar decisões, indica uma sentença judicial datada desta segunda-feira, a que a Lusa teve …

Alemanha proíbe smartwatches que espiam crianças

O órgão regulador das telecomunicações alemãs anunciou, este fim de semana, a proibição da utilização de smartwatches a todas as crianças. Aos pais, o Bundesnetzagentur pediu que destruíssem estes equipamentos. A decisão foi tomada pelo órgão …

Ministério Público pede 3 anos e 4 meses de pena suspensa para Carrilho

O Ministério Público pediu, esta segunda-feira, três anos e quatro meses de prisão, com pena suspensa, para Manuel Maria Carrilho pelo crime de violência doméstica contra a ex-mulher Bárbara Guimarães. Foram mais de três horas de …

El Mundo aponta Centeno como favorito à presidência do Eurogrupo

Faltam duas semanas para serem tornados públicos os nomes dos candidatos à presidência do Eurogrupo que vão suceder a Dijsselbloem. O espanhol El Mundo já tem um favorito e é português: Mário Centeno. "Mário Centeno, o …

João Lourenço exonera comandante da polícia e chefe da secreta militar

O Presidente angolano exonerou hoje o comandante-geral da Polícia Nacional, Ambrósio de Lemos, e o chefe da secreta militar, general António José Maria, nomeando respetivamente, para os mesmos lugares, o comissário-geral Alfredo Mingas e o …

Porto perde a Agência Europeia do Medicamento para Amesterdão

A cidade do Porto foi eliminada, esta segunda-feira, na votação no Conselho da União Europeia para escolher a futura sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA), que vai abandonar o Reino Unido devido ao Brexit. À …

NASA mostra como o furacão Ofélia influenciou os incêndios em Portugal

A agência espacial norte-americana NASA divulgou um vídeo que ilustra o impacto dos furacões que atingiram o Oceano Atlântico, nos últimos meses, mostrando em particular como o Ofélia teve influência nos grandes incêndios que abalaram …

Cesarianas e tempos de espera nas urgências vão condicionar financiamento

Os hospitais com taxas de cesariana superiores a 29,5% ou 31,5%, consoante o grau de diferenciação, não vão receber do Estado o pagamento pelos respetivos episódios de internamento, no âmbito do programa para a redução …

Empresas públicas escondem das Finanças os salários dos gestores

Cerca de metade das empresas públicas não comunicaram dados sobre os salários dos membros do conselho de Administração ao Ministério das Finanças, como está estipulado na Lei. O Correio da Manhã apurou que, em 2016, 118 …