Governo trava subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto

O Governo anunciou esta quinta-feira que vai anular a subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto a privados. Não será também preciso indemnizar as empresas que venceram o concurso, garantiu esta quinta-feira o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.

“Só há vencedor de um concurso quando, objetivamente, o Tribunal de Contas visa um contrato, o que ainda não aconteceu”, argumentou o governante, afirmando que a expectativa do governo “é que não terá de haver qualquer indemnização”. Recorde-se que o Tribunal de Contas devolveu por duas vezes os contratos de subconcessão das duas empresas de Lisboa.

João Matos Fernandes afirmou que, no que diz respeito às cauções cobradas às empresas que ganharam as concessões, o ministro do Ambiente disse que seriam devolvidas assim que a decisão jurídica relativa à reversão fosse formalizada, o que poderia demorar mais um mês, devido a “alguma complexidade jurídica”.

Na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros, na qual foram também anunciadas as mudanças nos conselhos de administração da Carris, Metro de Lisboa, Transtejo e Soflusa, João Matos Fernandes confirmou ainda que os preços dos transportes públicos urbanos de Lisboa e do Porto vão-se manter inalterados.

A subconcessão das empresas públicas de transporte foi lançada pelo Executivo de Passos Coelho (PSD/CDS-PP), que atribuiu à espanhola Avanza a exploração da Carris e do metro de Lisboa, à britânica National Express, que detém a espanhola Alsa, a STCP e à francesa Transdev o Metro do Porto.

Os contratos de subconcessão do Metro de Lisboa e da Carris foram assinados a 23 de setembro passado, depois de muita contestação por parte dos sindicatos e da Câmara de Lisboa. Contudo, nove dias depois de ter entrado em funções, o Governo socialista de António Costa suspendeu o processo “com efeitos imediatos”.

Na semana passada, um documento do Ministério do Ambiente a que o Jornal de Negócios teve acesso referia “situações de legalidade duvidosa” nos processos dos contratos de subconcessão, apontando sete pontos críticos – entre os quais o incumprimento de regras europeias e nacionais, os compromissos internacionais em matéria de alterações climáticas e o aumento da oferta que implicaria negociação com os municípios.

Em entrevista ao Negócios, João Matos Fernandes assegurou que a decisão da reversão estava tomada e mostrou-se compreensivo com a posição dos privados e as diligências diplomáticas, mas adiantou que, com a reconversão das subconcessões, o Governo “está a fazer o que é sua obrigação”.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …

Tribunal europeu dá razão à SIC e condena Estado por violar liberdade de expressão

Portugal foi condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) por violação da liberdade de expressão num caso em que a SIC foi obrigada a indemnizar um ex-deputado do PS por ofensa à sua …