Governo trava subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto

O Governo anunciou esta quinta-feira que vai anular a subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto a privados. Não será também preciso indemnizar as empresas que venceram o concurso, garantiu esta quinta-feira o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.

“Só há vencedor de um concurso quando, objetivamente, o Tribunal de Contas visa um contrato, o que ainda não aconteceu”, argumentou o governante, afirmando que a expectativa do governo “é que não terá de haver qualquer indemnização”. Recorde-se que o Tribunal de Contas devolveu por duas vezes os contratos de subconcessão das duas empresas de Lisboa.

João Matos Fernandes afirmou que, no que diz respeito às cauções cobradas às empresas que ganharam as concessões, o ministro do Ambiente disse que seriam devolvidas assim que a decisão jurídica relativa à reversão fosse formalizada, o que poderia demorar mais um mês, devido a “alguma complexidade jurídica”.

Na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros, na qual foram também anunciadas as mudanças nos conselhos de administração da Carris, Metro de Lisboa, Transtejo e Soflusa, João Matos Fernandes confirmou ainda que os preços dos transportes públicos urbanos de Lisboa e do Porto vão-se manter inalterados.

A subconcessão das empresas públicas de transporte foi lançada pelo Executivo de Passos Coelho (PSD/CDS-PP), que atribuiu à espanhola Avanza a exploração da Carris e do metro de Lisboa, à britânica National Express, que detém a espanhola Alsa, a STCP e à francesa Transdev o Metro do Porto.

Os contratos de subconcessão do Metro de Lisboa e da Carris foram assinados a 23 de setembro passado, depois de muita contestação por parte dos sindicatos e da Câmara de Lisboa. Contudo, nove dias depois de ter entrado em funções, o Governo socialista de António Costa suspendeu o processo “com efeitos imediatos”.

Na semana passada, um documento do Ministério do Ambiente a que o Jornal de Negócios teve acesso referia “situações de legalidade duvidosa” nos processos dos contratos de subconcessão, apontando sete pontos críticos – entre os quais o incumprimento de regras europeias e nacionais, os compromissos internacionais em matéria de alterações climáticas e o aumento da oferta que implicaria negociação com os municípios.

Em entrevista ao Negócios, João Matos Fernandes assegurou que a decisão da reversão estava tomada e mostrou-se compreensivo com a posição dos privados e as diligências diplomáticas, mas adiantou que, com a reconversão das subconcessões, o Governo “está a fazer o que é sua obrigação”.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Câmara do Porto encerra cemitérios nos dias 31 de outubro e 1 e 2 de novembro

O presidente da Câmara do Porto anunciou o encerramento dos cemitérios em 31 de outubro e 1 e 2 de novembro, justificando a decisão com a necessidade de desviar meios para cumprir a proibição de …

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …

Braço de ferro entre Costistas e Nunistas novamente adiado

O PS voltou a adiar, agora de 31 de Outubro para 7 de Novembro, a reunião da Comissão Nacional que decidirá a orientação do partido face às eleições presidenciais. Fica assim adiado o braço-de-ferro entre …

Cercas sanitárias e recolher obrigatório. Governo avalia novas medidas na próxima semana

O Ministério da Saúde, liderado por Marta Temido, vai voltar a reunir na próxima semana com o Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP), num encontro em que serão discutidas novas medidas para travar a propagação …

Presidenciais EUA. Biden promete vacina gratuita para todos, Trump apela ao voto latino

Joe Biden e Donald Trump continuam em campanha eleitoral para a corrida à Casa Branca, numas eleições que estão agendadas para 3 de novembro. O candidato presidencial democrata Joe Biden prometeu esta sexta-feira que a vacina …

Há 72 concelhos com risco "muito elevado" de contágio. Governo esconde mapas de perigo

O Governo insiste em não divulgar os mapas de perigo com o risco de contágio por coronavírus que foram feitos por peritos da Direcção Geral de Saíde (DGS). Isto numa altura em que o Expresso …

Nuno Melo estuda candidatura à liderança do CDS

O eurodeputado Nuno Melo não excluiu uma candidatura à liderança do CDS, avança este sábado o semanário Expresso. Confrontado pelo jornal, o eurodeputado não excluiu uma eventual candidatura à liderança dos centristas, dizendo apenas que "não …