Governo tem “tanta culpa de Pedrógão como mérito pela vitória na Eurovisão”

partidosocialista / Flickr

O primeiro-Ministro António Costa

O primeiro-ministro garantiu hoje, em entrevista ao jornal Expresso, que serão apuradas responsabilidades em relação a Pedrógão Grande, mas insistiu que a tragédia em que 64 pessoas morreram “não é o padrão” no desempenho da proteção civil.

“O que aconteceu em Pedrógão é um fenómeno único na sua dimensão de tragédia humana, que nos marcará para sempre. Felizmente, não é o padrão de avaliação do desempenho do nosso sistema de proteção civil”, pode ler-se na entrevista publicada hoje.

“Não posso dizer que um sistema que extingue 81% dos incêndios em menos de 90 minutos não funciona”, defende o primeiro-ministro.

Defendendo a decisão de manter as suas férias uma semana depois do incêndio, António Costa argumentou que “no exercício de funções executivas há boas e más notícias. É tão absurdo achar que é mérito do Governo a vitória do Festival da Eurovisão como achar que é demérito do Governo não evitar um fenómeno natural”.

António Costa sublinhou que “não há nada que possa desvalorizar o que aconteceu em Pedrógão”, mas falou de aproveitamento político da tragédia.

“Se é verdade que a culpa não pode morrer solteira, também é inaceitável arranjar casamentos de conveniência para a culpa para resolver o problema do ponto de vista político e mediático”, criticou.

Para o primeiro-ministro, é necessário que as responsabilidades sejam apuradas “de forma rigorosa”, e para isso conta com a comissão técnica independente da Assembleia da República.

“É importantíssimo para mim conhecer as conclusões da comissão técnica independente. Temos esses relatórios em outubro e não será tarde para tomar medidas. As responsabilidades apuram-se pela forma própria. Aguardemos serenamente que elas sejam apuradas. Não ficarão solteiras”, afirmou.

Na entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro falou também sobre o desenvolvimento da economia, que considerou positivo, mas apontou como um “duplo mau sinal” o aumento do crédito à habitação.

“É sinal de que não estamos a mudar de paradigma da casa própria para o arrendamento, e é sinal de que a banca não está a mudar de paradigma do financiamento ao consumo e à habitação para aquilo que é essencial, que é o financiamento à economia”, defendeu.

Olhando para fora, António Costa comentou a eleição do novo Presidente francês, Emmanuel Macron, como uma “lufada de ar fresco para a Europa”. “Espero que se mantenha esta dinâmica inspiradora para o futuro da Europa”, afirmou.

// Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Mais uma vez, pelas tuas palavras, não assumes os teus erros: a colocação dos “incompetentes” dos Boys do teu partido na
    Protecção Civil!
    Há uns anos atras, um teu colega teu… assumiu as suas responsabilidades e não culpou a natureza pelo excesso de chuva…estou a referir-me ao então ministro do Equipamento Social, Jorge Coelho, que pediu a demissão após a queda da Ponte de Entre-os-Rios, em Castelo de Paiva, que terá provocado a morte de 67 pessoas!
    No entanto o POVO tem memória curta…não é o meu caso!
    Daí que “Cego é aquele que não quer ver…”.

  2. A estatística é um excelente argumento para mentir e desviar as atenções, quando é útil.
    É preciso também contabilizar a que área total correspondem os tais 81% dos incêndios que são apagados em menos de 90 minutos – ou melhor dizendo, de qual dimensão seriam e que área ardida poderiam atingir, se não fossem apagados em 90 minutos. Eu sei que é pouco especulativo, mas seria muito útil fazer este ‘exercício’ de auto avaliação, obviamente con seriedade e honestidade intelectual (isto é que sim, é impossível).
    É que se são “caixotes do lixo”, também não significa que funciona bem.
    Pelo contrário, significari que há muito para melhorar quando quando “a grana é grossa”…

  3. Tendo sido ao que parece este senhor na altura como ministro o autor da negociata com o SIRESP e agora como 1º ministro do país e ter acontecido o que aconteceu compreende-se que não é visto nem achado em tais desgraças a culpa pertence toda aos outros, os louros da actual situação económica do país não vieram do esforço a que as instâncias internacionais nos obrigaram durante quatro anos por culpa do governo do seu camarada Sócrates e ás medidas que o governo anterior foi obrigado a aplicar ao país, foi tudo mérito dele nestes quase dois anos de governação, muito parecidinho com o seu camarada Sócrates, a escola é a mesma!.

  4. Gosto do título deste artigo. De facto, é tão injusto culpar o governo pelos incêndios como aplaudi-lo pela vitória no Europeu de Futebol ou no Festival da Eurovisão.

  5. Alguém diga ao Sr. Costa que uma estrada não é um corta fogo mas se essa estrada tiver uma faixa livre em cada berma poderá ser um corta fogo e até um salva vidas. Alguém já vê pessoal e máquinas nas estradas a fazer limpeza de bermas depois da tragédia e planeamento de ordenamento florestal??? Se sim digam que eu ainda não vi. Estão preocupados com as responsabilidades que morrerão solteiras porque basta pôr uns boys a pensar no caso. Quanto a investir dinheiro para evitar desastres futuros nada (nestes últimos 30 anos).

RESPONDER

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …