Governo revoga lei que protegia consumidores nos pagamentos online

A uma semana da entrada em vigor, a maioria PSD e CDS revogou um artigo no decreto-lei que tinha como finalidade proteger os consumidores nos pagamentos pela Internet, após pressão da banca.

Trata-se de uma norma que obrigava os bancos a devolver o dinheiro ao consumidor em caso de utilização fraudulenta de cartões de débito e de crédito nos contratos à distância ou fora do estabelecimento. De acordo com o Público, a norma acabou por ser revogada depois da intervenção da Associação Portuguesa de Bancos.

Esta retirada do artigo do decreto-lei 24/2014, que transpõe para a ordem jurídica portuguesa o novo enquadramento comunitário em matéria de serviços de pagamento na Internet (diretiva 2011/83 da UE), surge uma semana da sua entrada em vigor.

Hélder Amaral, deputado do CDS, explicou ao jornal que a revogação surgiu na sequência de um alerta da Associação Portuguesa de Bancos, que alegava que “o referido artigo contradizia o Decreto-Lei nº 317/2009, de 30 de Outubro, que regula esses pagamentos”.

Consumidores desprotegidos

O Partido Socialista e o Bloco de Esquerda votaram contra a revogação do artigo, afirmando que está em causa “um grave retrocesso na defesa dos consumidores e uma proteção dos interesses da banca”.

O deputado defende ainda que o diploma “não é tão objetivo na defesa dos consumidores”, e que o artigo revogado “era mais ambicioso, mas foi uma opção política”.

Citado pelo Público, o deputado socialista Fernando Serrasqueiro, antigo secretário de Estado da Defesa do consumidor, afirma que se está a abrir “um precedente grave, que pode ter efeitos incontroláveis” e que “é incompreensível que haja um recuo na proteção dos consumidores, já que está em causa a revogação de uma norma mais abrangente por outra que fixa menores garantias”. “O consumidor terá maiores dificuldades em se defender”, explica o deputado.

O jornal descreve que, em algumas situações, as perdas dos clientes estão limitadas a 150 euros, e o banco suportará o restante. No entanto, noutras situações, o cliente pode ter de suportar integralmente as perdas, ou repartir esse custo com o banco.

Por exemplo, uma transferência para uma entidade credível ou para uma desconhecida, ou a utilização do cartão num local que o cliente deveria ter considerado suspeito, pode fazer toda a diferença no momento de avaliação da segurança das operações e no apuro da responsabilidade dos diferentes intervenientes.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …

A Alemanha quer tornar o teletrabalho um direito legal

O Governo alemão prepara-se para publicar um projeto de lei que dará aos trabalhadores do país o direito legar de trabalhar a partir de casa. A medida aplicar-se-á a todos as atividades laborais que possam …

Novo surto em lar de Beja e 90 alunos em isolamento em Famalicão

Um surto de covid-19 identificado no Lar de Idosos do Centro Paroquial e Social do Salvador, em Beja, já infetou 31 pessoas, sendo 24 utentes e sete funcionários, divulgou a Unidade Local de Saúde do …

Mais de 600 anos depois, encontram-se (várias) semelhanças entre a covid-19 e a peste negra

Numa altura em que o vírus da covid-19 se tem espalhado por todo o mundo, as comparações com outras doenças pandémicas são inevitáveis. Um exemplo disso foi a peste negra que em 1348 fez com …

Nacionalista apoiado pela Turquia eleito Presidente de Chipre do Norte

O nacionalista Ersin Tatar, apoiado pela Turquia, foi no domingo eleito "Presidente" da autoproclamada República Turca de Chipre do Norte (RTCN), numa vitória surpreendente face ao dirigente cessante, Mustafa Akinci, anunciou o conselho eleitoral. Com 51,74% …