Das eleições resultou um “Governo instável” e Marcelo foi “o grande ganhador sem ter participado”

Mário Cruz / Lusa

Luís Marques Mendes

Para Luís Marques Mendes, o PS teve mais votos, mas tem piores condições para governar. Além disso, na opinião do comentador político, foi Marcelo quem ganhou estas eleições, por não ter havido maioria absoluta.

O Partido Socialista (PS) teve mais votos e elegeu mais deputados, e disso não há dúvidas. No entanto, para Luís Marques Mendes, o partido de António Costa não tem a vida facilitada nos próximos quatro anos.

Este domingo, no habitual espaço de comentário na SIC, o social-democrata disse que quem venceu estas eleições, sem sequer ser candidato, foi o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, porque conseguiu aquilo que queria: uma vitória sem maioria absoluta.

O Presidente da República é o grande ganhador das eleições sem ter participado. O Presidente da República deixou claro que não morria de amores de uma maioria absoluta, porque perde poder, também ganhou melhores condições para a sua reeleição, porque o PS não sai muito forte”, referiu, citado pelo Observador.

Em cima da mesa, não se coloca a questão se o PS tem condições para governar. Em vez disso, disse Marques Mendes, tem de se ponderar se essas condições são “melhores ou piores”. “O PS tem mais votos, tem mais deputados, mas provavelmente tem piores condições para governar que nos últimos quatro anos”, isto porque no plano político e económico as condições são outras.

Acho que vai ter um Governo mais instável“, resumiu. Ainda assim, isto não significa que Costa não irá conseguir levar o Governo até ao fim da legislatura. Contudo, explicou, dado o abrandamento económico vai ter “menos dinheiro para distribuir”, logo “instabilidade a mais e popularidade a menos”.

Por outro lado, na ótima de Marques Mendes, o PS de António Costa “habituou-se a ter uma oposição à direita, mais mês menos mês vai ter uma oposição à esquerda e outra à direita”.

O comentador frisou que a relação com Marcelo Rebelo de Sousa também não vai ser a mesma e, em relação aos partidos de esquerda, Marques Mendes considera que o PCP e o BE vão, também, ter dificuldades, porque não havendo geringonça, serão considerados “partidos marginais” e isso poderá ter reflexo nas próximas autárquicas.

Ainda assim, a maior dificuldade é que, mesmo que queiram derrubar o Governo, “vão ter uma enorme dificuldade”. Para Luís Marques Mendes, tal só será possível se derem as mãos aos partidos da direita, PSD e CDS, “e isso é muito difícil”.

Quanto à formação do futuro Governo, Marques Mendes acredita que esta não se alterará muito do que foi, com secretários de Estado a serem promovidos a ministros. Mas do seu ponto de vista, “se isto acontecer, vai cheirar a desilusão”, uma vez que há ministros que acusam já cansaço e que é necessário “sangue novo” no Governo.

“As pessoas em vez de terem um Governo remodelado, gostavam de ter um Foverno refrescado”, rematou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …