Reino Unido deixa cair pontes aéreas e prepara levantamento da quarentena para dezenas de países

Neil Hall / EPA

O Reino Unido vai deixar cair o plano para a criação de pontes aéreas e prepara-se para substituir a medida pela isenção de quarentena para dezenas de países.

Dezenas de países vão ficar isentos de restrições de viagem e quarentena à entrada no Reino Unido a partir de segunda-feira, mas ainda é incerto se Portugal vai ser incluído, avançam esta quinta-feira os meios de comunicação britânicos.

O Daily Telegraph escreve que 75 países de risco baixo ou muito baixo vão ser abrangidos, enquanto o The Times sugere que a lista inclua até 95 países e que integre a quase totalidade da União Europeia, assim como Bermudas e Gibraltar, Turquia, Tailândia, Austrália e Nova Zelândia.

Isto significa que, a partir da próxima segunda-feira, os britânicos que viajarem para estes países já não terão de fazer uma quarentena de 14 dias no regresso ao Reino Unido.

Ambos os jornais mantêm a incerteza sobre a inclusão de Portugal devido aos surtos de pessoas infetadas com coronavírus identificados nas últimas semanas no país, nomeadamente nos arredores de Lisboa.

Na semana passada, o Governo britânico tinha indicado que iria selecionar um número limitado de “corredores” com alguns países, que seriam classificados de acordo com as cores dos semáforos para sinalizar os destinos com maior risco de infeção com covid-19. No entanto, alguns destes países mantêm restrições de viagem do seu lado, como a Grécia, que anunciou na segunda-feira que iria manter a obrigação de quarentena a pessoas que cheguem do Reino Unido até pelo menos 15 de julho.

Países de alto risco, como os Estados Unidos, Rússia Brasil, deverão ser classificados como vermelho pelo Governo britânico.

A quarentena obrigatória de duas semanas foi imposta a 8 de junho a todas as chegadas do estrangeiro ao Reino Unido para reduzir o risco de casos importados do estrangeiro e ajudar a evitar uma segunda onda do vírus.

Agora que o Governo britânico considera ter controlado a pandemia, iniciou um desconfinamento faseado e na segunda-feira, o ministro dos Transportes, Grant Shapps, confirmou que o levantamento parcial da quarentena foi autorizado pelas autoridades sanitárias para países de risco reduzido.

A lista dos países terá como fatores não só a prevalência de coronavírus, mas sobretudo o número de novos casos e a trajetória potencial nas próximas semanas da doença no país, adiantou na altura.

O presidente executivo da agência de viagens Red Savannah, disse que a quarentena imposta a todas as chegadas do estrangeiro ao Reino unido desde o dia 8 de junho foi “inútil” e prejudicial para o setor do turismo. “Não foi feita uma avaliação regulatória ou económica, não foi feita consulta. O que fez na prática foi impedir o setor de, após quatro meses sem receitas, de se por de novo de pé”, criticou, em declarações à BBC esta manhã.

O Reino Unido registou até quarta-feira 43,906 mortes (em 313.483 casos de infeção) durante a pandemia, o maior número na Europa e o terceiro maior no mundo, atrás dos EUA e Brasil. Esta semana foi decretado um confinamento local em Leicester devido a um surto de casos de infeção naquela cidade de 350 mil habitantes no centro de Inglaterra.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …