Governo aprova 11 milhões de euros para SIRESP de indemnização compensatória

Tiago Petinga / Lusa

O Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, fala à imprensa

A indemnização compensatória foi aprovada no dia em que o Presidente da República promulgou o decreto-lei que define o modelo transitório de gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede de comunicações do Estado SIRESP.

O Governo aprovou na sexta-feira a atribuição à SIRESP, S.A. de 11 milhões de euros de indemnização compensatória para face aos encargos com a rede de comunicações de emergência e segurança do Estado.

Em comunicado, o Conselho de Ministros refere que “aprovou na sexta-feira, por via eletrónica, a resolução que autoriza a realização de despesa por forma a atribuir à SIRESP, S.A. uma indemnização compensatória face aos encargos diretos e indiretos decorrentes do cumprimento das respetivas obrigações”.

Fonte oficial do Ministério da Administração Interna avançou à Lusa que o valor da indemnização compensatória é de 11 milhões de euros.

A indemnização compensatória foi aprovada no dia em que o Presidente da República promulgou o decreto-lei que define o modelo transitório de gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede de comunicações do Estado SIRESP.

Segundo o Governo, este diploma “vem salvaguardar uma solução transitória à atividade da rede SIRESP após a cessação do contrato celebrado pelo Estado Português em 4 de Julho de 2006, tendo em vista efetuar uma ponderação conjunta do modelo de gestão da rede SIRESP e do modelo organizativo dos serviços tecnológicos do Ministério da Administração Interna”.

Em abril, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, anunciou no Parlamento que a Parceria Público-Privada (PPP) da rede de comunicações do Estado SIRESP “não será renovada” em 30 de Junho e os contratos com os operadores privados não vão ser prorrogados nos moldes atuais.

Os contratos com os operadores privados terminam em 30 de Junho, tendo o ministro afirmado que estão a decorrer negociações, nomeadamente com a Altice, para que sejam prolongados por 18 meses, mas apenas no que diz respeito à prestação de serviços.

Eduardo Cabrita sustentou que tem de ser negociado com os atuais fornecedores privados tudo o que diz respeito à prestação de serviços, mas há uma parte que será propriedade do Estado a partir de 1 de julho e “não faz sentido que o Estado continue a pagar”.

Durante os 18 meses em que os contratos vão ser prolongados, vai ser criada uma entidade para gerir as várias redes de comunicações do Ministério da Administração Interna (MAI), nomeadamente a rede nacional de segurança interna, SIRESP e 112, será feita a passagem de equipamentos que estão nas instalações dos parceiros privados para o MAI, bem como a migração dos sistemas de informação SIRESP para o Estado.

Apesar de ter promulgado o diploma do Governo que define o modelo transitório de gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede SIRESP, Marcelo Rebelo de Sousa alertou para “a indefinição relativamente ao futuro”.

“Não obstante a indefinição relativamente ao futuro, a médio prazo, que ganhará em ser esclarecido o mais rápido possível, atendendo à extrema urgência de assegurar o funcionamento ininterrupto de uma rede crucial para época de Verão – usualmente mais complexa em termos de fogos florestais, o Presidente da República promulgou o diploma do Governo que define o modelo transitório de gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede SIRESP”, refere a nota publicada na página da Internet da Presidência.

O Estado comprou por sete milhões de euros a parte dos operadores privados, Altice e Motorola, no SIRESP, ficando com 100%, numa transferência que aconteceu em Dezembro de 2019.

Desde essa altura que o Estado tem um contrato com operadores privados para fornecer o serviço até junho deste ano.

Depois dos incêndios de 2017, quando foram públicas as falhas no sistema, foram feitas várias alterações ao SIRESP, passando a rede a estar dotada com mais 451 antenas satélite e 18 unidades de redundância.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cotrim Figueiredo diz que "foi um excelente arraial". PCP diz que IL "mordeu a língua"

O líder da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo, não acata as críticas feitas ao arraial do partido, que diz ter sido "excelente". Aliás, até já está a pensar no próximo. "Vou dizer aqui uma coisa …

Portugal vai seguir a "lógica da escada" no Euro 2020?

Há 25 anos, a seleção nacional iniciou uma sequência curiosa em fases finais de Europeus de futebol. Se prolongar essa sequência, não vai passar dos quartos-de-final neste torneio. Ou só chegará aos oitavos-de-final. Portugal participou até …

Há pelo menos 8.700 alunos em isolamento por causa da covid-19

Há pelo menos 8.700 alunos em isolamento profilático por causa da covid-19. Só na região de Lisboa e Vale do Tejo são 6.407. Há, neste momento, pelo menos 8.700 alunos de quarentena, dos quais mais …

Sporting: equipa de futsal disputou 48 jogos e perdeu...zero

Turma de Alvalade recuperou o título nacional, na época em que foi campeão europeu e em que também venceu a Taça da Liga. Em 40 minutos, nunca perdeu. O Sporting é o novo campeão nacional de …

Produtos químicos presentes em alimentos e cosméticos reduzem fertilidade

As taxas de natalidade estão a diminuir no mundo inteiro. Em todos os países europeus, estão a cair os chamados "níveis de reposição populacional", ou seja, o número de filhos necessários por mulher para manter …

"Surreal". Problema informático na DGS atrasa resultados dos eventos-teste

Para já, ainda não foram tiradas conclusões dos quatro eventos-piloto de abril e maio, organizados pelo Governo em articulação com a DGS. Um problema informático pode estar na origem do atraso. Há uns meses foi avançado …

Costa contraria Marcelo, mas este avisa que o "Presidente nunca é desautorizado pelo primeiro-ministro”

O Presidente da República disse na segunda-feira que “por definição, o Presidente nunca é desautorizado pelo primeiro-ministro”, depois de António Costa ter dito que ninguém pode garantir que não se volta atrás no processo de …

Um em cada quatro portugueses deixou de recorrer ao SNS por receio da pandemia

Um em cada quatro portugueses deixou de recorrer ao Serviço Nacional de Saúde no ano passado, por medo de contagio com o novo coronavírus, e mais de dois terços consideram que o SNS tem respondido …

Evolução genética pode estar a tornar-se cada vez mais obsoleta

Um novo estudo sugere que a evolução humana já não está estritamente ligada aos genes e supõe que a cultura pode estar a conduzir a evolução mais rápido do que as mutações genéticas podem funcionar. Tendo …

ALMA descobre a primeira gigantesca tempestade de buracos negros

O telescópio Atacama Large Millimeter Array (ALMA) detetou um forte vento galático impulsionado por um buraco negro supermassivo há 13,1 mil milhões de anos. Os investigadores salientam que este é o exemplo mais antigo alguma vez …