/

Numa operação inédita de 18 horas, gémeas siamesas unidas pelo crânio foram separadas com sucesso

Bambino Gesù Pediatric Hospital

Ervina e Prefina, com 2 anos, nasceram com os crânios unidos, uma das formas mais raras e complexas de fusão craniana e cerebral conhecidas como “craniófago total posterior”. Agora, médicos em Itália conseguiram separá-las numa operação inédita.

As duas gémeas, chamadas Ervina e Prefina, nasceram numa pequena vila a mais de 100 quilómetros de Bangui, capital da República Centro-Africana. De acordo com o IFLScience, em julho de 2018, a presidente do Hospital Pediátrico Bambino Gesù, Mariella Enoc, encontrou-as no centro médico em que nasceram enquanto estava em missão naquele país.

Em 5 de junho, as gémeas siamesas foram separadas durante uma cirurgia de 18 horas por uma equipa de 30 médicos e enfermeiros do Hospital Pediátrico Bambino Gesù, um hospital infantil da Cidade do Vaticano, localizado em Roma, em Itália. Um mês depois, os médicos declararam a operação um sucesso e dizem que as duas crianças estão a recuperar bem.

A equipe afirma que esta é a primeira vez que esta operação específica é realizada, uma vez que as operações com gémeos com craniófago posterior total não foram descritas anteriormente na literatura médica.

A operação recente foi o terceiro e último procedimento necessário para separar o par. A parte inicial da operação final envolveu a separação física dos crânios e outros tecidos.

Bambino Gesù Pediatric Hospital

As gémeas partilhavam grande parte do crânio e os vasos sanguíneos estavam muito entrelaçados

A operação continuou em duas salas de operações diferentes, com duas equipas separadas a trabalhar na reconstrução da membrana que reveste o cérebro de cada gémea.

“Foi um momento emocionante, uma experiência fantástica e irrepetível”, disse Carlo Marras, chefe de Neurocirurgia do Hospital Pediátrico Bambino Gesù. “Era um objetivo muito ambicioso e fizemos todos os possíveis para alcançá-lo, com paixão, otimismo e alegria. Partilhando cada etapa, estudando todos os detalhes juntos”.

As gémeas partilhavam grande parte dos seus crânios e as suas redes de vasos sanguíneos estavam profundamente entrelaçadas. Para tornar as coisas ainda mais difíceis, o coração de uma das meninas batia mais rapidamente do que o outro, criando uma diferença complexa na pressão arterial.

No final, verificou-se que as gémeas tinham boa saúde geral e função cerebral típica. Apesar de partilharem muitas semelhanças, os médicos observam que o par já está a mostrar personalidades diferentes e distintas: Prefina é divertida e animada, enquanto Ervina é mais séria e observadora.

“Ervina e Prefina nasceram duas vezes”, disse a mãe das crianças, Ermine. “As minhas pequenas podem agora crescer, estudar e tornar-se médicas para salvar outras crianças”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.