/

“Gargalos” das rotas marítimas mais movimentadas do mundo podem ser autênticas armas geopolíticas

(h) Suez Canal Authority / EPA

O Ever Given, o navio encalhado no Canal do Suez, foi um lembrete do quão vulneráveis ​​são os “gargalos” das rotas marítimas mais movimentadas do mundo e das implicações que esta vulnerabilidade pode ter no futuro.

O incidente do Ever Given demonstrou como um único “gargalo” marítimo bloqueado pode ter consequências enormes. Tal como o Canal do Suez, o Estreito de Bab al-Mandeb, o Estreito de Malaca, o Canal do Panamá e o Estreito de Ormuz estão sob pressão crescente.

Os estreitos são vulneráveis ​​e mantê-los abertos é essencial para o comércio mundial. Segundo o El Confidencial, o direito de passagem pelo Canal do Suez para todos os tipos de navios de qualquer nação é garantido pela Convenção de Constantinopla de 1888, que proíbe bloqueios nas vias navegáveis.

No entanto, as crescentes tensões geopolíticas colocaram sérios desafios a esses acordos. Na prática, o perigo aumenta com a evolução de novas redes e interdependências que têm os seus próprios “gargalos” que os Estados podem transformar em armas geopolíticas.

O diário evidencia que, com o aumento das tensões geopolíticas, os Estados estão cada vez mais propensos a usar estes pontos de estrangulamento marítimo como armas para forçar outros a cumprir as suas exigências.

Este tipo de ação tem sérias consequências para todos os atores da rede global. Os Estados Unidos, por exemplo, têm-se mostrado cada vez mais assertivos na exploração da sua posição central no sistema financeiro internacional.

As sanções financeiras do país ao Irão tiveram graves consequências para as empresas europeias, colocando os Estados do Velho Continente na incómoda posição de não poderem proteger as suas empresas.

Mas os EUA não são o único ator capaz de controlar este tipo de redes para atingir os seus próprios objetivos: a rivalidade entre o país norte-americano e a China caminha para as passagens marítimas estratégicas.

A China quer melhorar a sua posição nas redes globais com uma estratégia de “dupla circulação”, isto é, construir cadeias de abastecimento totalmente domésticas e, ao mesmo tempo, conectá-las a empresas estrangeiras, aumentando a dependência das empresas ao mercado chinês.

Além de estar a expandir os seus serviços digitais e financeiros além do seu mercado doméstico, a China está a criar vínculos mais estreitos entre os países vizinhos e as redes chinesas, usando a Belt and Road Initiative (BRI) – a nova rota da seda da China – para exportar os seus padrões.

Acresce a esta estratégia a promoção de plataformas como o WeChat e a criação de uma moeda digital, semelhante à da Rússia.

À medida que os Estados Unidos e a China colidem, a competição entre estas duas grandes potências torna-se o principal motor destes desenvolvimentos.

A Europa é vulnerável a estas ameaças porque tem muito menos influência do que Washington ou Pequim nas redes globais.

Num futuro onde o uso de conexões de rede é uma arma para atingir objetivos políticos, os Estados tentarão forçar mudanças no comportamento de outros em troca de acesso a plataformas ou cadeias de abastecimentos.

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.