Centenas de funcionários da Google protestam contra assédio e discriminação na empresa

Centenas de trabalhadores da Google manifestam-se nesta quinta-feira junto aos escritórios da empresa em todo o mundo para exigir medidas da gigante norte-americana contra o assédio sexual, após os casos conhecidos nos últimos dias.

Em causa está a iniciativa Walkout For Real Change, convocada uma semana após terem sido divulgados, na semana passada, casos de assédio sexual cometidos por executivos da Google e da Alphabet, e que está a ser promovida através das redes sociais com a publicação de fotografias e palavras de ordem.

Com os protestos desta quinta-feira, os funcionários querem o “fim da arbitragem forçada em casos de assédio e de discriminação para todos os funcionários atuais e futuros”, bem como um “compromisso para acabar com a desigualdade de salários e de oportunidades” e “um relatório transparente sobre assédio sexual” na empresa.

Reivindicam, ainda, “um processo claro, uniforme e inclusivo para que os queixosos de assédio sexual o possam fazer de forma segura e anónima”, uma “promoção do responsável pelo departamento de Diversidade para […] fazer recomendações diretamente ao Conselho de Administração” sobre questões de desigualdade e a eleição de um representante dos funcionários para administrador.

Na semana passada, a Google anunciou que despediu 48 funcionários por alegado assédio sexual nos últimos dois anos, depois de o jornal The New York Times ter referido que a tecnológica tinha abafado alguns casos.

Num documento interno dirigido aos funcionários, o diretor-geral da empresa, Sundar Pichai, explicou que entre os empregados despedidos estão 13 altos funcionários.

O diretor-geral garantiu que nenhum dos funcionários recebeu indemnização, apesar de o jornal The New York Times informar que a Google ignorou vários casos de assédio de altos funcionários, entre os quais o de Andy Rubin, criador do sistema Android.

De acordo com o jornal, Rubin foi forçado pela administração a deixar a Google em 2014, devido a uma acusação de assédio sexual, mas recebeu uma indemnização de cerca 90 milhões de dólares (79 milhões de euros).

“Nos últimos anos, fizemos muitas mudanças, incluindo a adoção de uma linha dura em relação a comportamentos inadequados de pessoas em posições de autoridade”, assegurou Sundar Pichai, garantindo que a Google investigará qualquer reclamação de um funcionário e tomará as medidas que considerar adequadas.

Um porta-voz de Andy Rubin disse que este deixou a Google de forma voluntária e que “nunca se comportou de maneira inadequada”, assinalando que qualquer relacionamento que possa ter ocorrido foi “consentido”.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Dos fracos não reza a história". Rio avança mesmo para reeleição contra um aparente favorito Rangel

Rio desfez finalmente as dúvidas em torno do seu futuro, depois de se ter aconselhado do seu núcleo duro que nunca terá duvidado da decisão do líder. As dúvidas em torno da recandidatura de Rui Rio …

"É gritante". Críticas às medidas adotadas nas escolas (e o que se faz noutros países)

Com o arranque do novo ano letivo em Portugal, que volta a ser presencial, há muitas críticas relativamente às medidas adotadas nas escolas para a prevenção do contágio por covid-19. Mas, afinal, por que razão …

Sporting não marcava quatro desde 2014 (e alguém deste plantel jogou na última vitória?)

Campeão português foi ao terreno do Beşiktaş ganhar por 4-1. A maior vitória na fase de grupos dos últimos anos. O Sporting conseguiu a primeira vitória na fase de grupos da Liga dos Campeões, com um …

Veja fósseis no telemóvel e ajude a desvendar o passado da Terra

Ao catalogar fósseis de folhas de plantas no seu smartphone pode ajudar investigadores a desvendar o passado do planeta Terra. Ao participar no projeto Fossil Atmospheres, analisando fósseis no telemóvel, você pode ajudar os investigadores a …

Vulcão Cumbre Vieja, em La Palma, Espanha

Sismo de magnitude 4,8 na escala de Richter abala La Palma. É o maior desde o início da erupção

Esta terça-feira à noite, um terramoto de magnitude 4,8 na Escala de Richter abalou La Palma. É o maior sismo até ao momento, desde o início da erupção do vulcão Cumbre Vieja. Segundo o El País, …

Recálculo das pensões exigido pelo Bloco custa 200 milhões de euros por ano

Bloquistas usaram as estimativas do governo sobre o impacto anual de cada uma das fases de flexibilização nas pensões e chegaram ao valor de 200 milhões de euros anuais. Entre as nove exigências do Bloco de …

Revolta na Marinha com a compra de 3900 bolas de golfe (e há quem desconfie das "intenções" da notícia)

A Marinha gastou 1692 euros na compra de 3900 bolas de golfe, o que está a gerar mal-estar entre os militares deste ramo das Forças Armadas, até devido às dificuldades financeiras que tem sentido. Mas …

Descoberta pode acrescentar página de centenas de milhões de anos à história evolutiva dos animais

Uma nova descoberta fóssil pode adicionar centenas de milhões de anos à história evolutiva dos animais. Já se perguntou como e quando é que os animais mergulharam no estágio evolucionário? Quando, onde e porque é que …

Governo quer aliviar impacto da subida do gasóleo nos transportes

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, anunciou que o Governo está disponível para aliviar o impacto da subida do gasóleo nos transportes. A ideia é transversal a todo o espectro do Governo: tanto António …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Mesmo que Marcelo dissolva o Parlamento, Costa pode ficar a gerir os fundos europeus

Se o Orçamento do Estado chumbar, o Presidente dissolve o Parlamento, mas mesmo ainda assim, António Costa fica com plenos poderes e pode gerir os fundos europeus. Numa altura em que o Orçamento do Estado ainda …