François Hollande não se recandidata e afasta-se da corrida

Parti socialiste / Flickr

O presidente da França, François Hollande

O presidente da França, François Hollande

O presidente francês, François Hollande, anunciou hoje que não se vai candidatar a um novo mandato no próximo ano.

“Decidi que não serei candidato”, disse Hollande num discurso à nação transmitido pela televisão.

Considerado o presidente mais impopular das últimas décadas no país, em recentes pesquisas sua aprovação girava em torno de 4%.

“Decidi não ser candidato à presidência, não vou procurar renovar o meu mandato”, disse Hollande, num discurso ao provo francês no Palácio do Eliseu.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, provável candidato da esquerda contra Fillon e Le Pen, considerou que a renúncia do presidente Hollande em 2017 é “a decisão de um estadista“.

“É uma decisão difícil, ponderada, importante. É a decisão de um estadista. Quero transmitir a François Hollande a minha emoção, o meu respeito, a minha fidelidade e o meu afeto”, escreveu Valls em comunicado.

O chefe do governo francês anunciou no passado domingo a intenção de se candidatar às primárias do Partido Socialista.

Posteriormente, Valls afirmou que não ia concorrer contra Hollande.

Record de impopularidade

No seu discurso, Hollande realçou os muitos esforços que fez para manter as suas promessas pré-eleitorais, mas concluiu que cometeu alguns erros na forma como foram implementadas.

O chefe de Estado lembrou os desafios que o país enfrenta, em particular a ascensão da extrema-direita e a ameaça terrorista jihadista.

Hollande destacou o combate ao desemprego e a defesa das liberdades como êxitos de sua gestão.

“Digo-vos francamente: o maior perigo é o proteccionismo, é fechar-se em si mesmo. Esse será o maior desastre para os franceses”, declarou o presidente, um dos mais impopulares das últimas décadas.

Hollande presidiu à França num período em que o país sofreu vários ataques terroristas, incluindo os atentados de novembro de 2015 em Paris, que mataram 130 pessoas.

A eleição presidencial francesa está marcada para abril e maio de 2017.

É “lúcido no seu fracasso”, diz François Fillon

O candidato conservador à presidência de França, o ex-primeiro-ministro François Fillon, afirmou que a renúncia à recandidatura do atual chefe de Estado socialista mostra que François Hollande é “lúcido no seu fracasso”.

“O presidente admite, com lucidez, que o seu fracasso evidente o impede de ir mais longe”, escreveu Fillon na sua conta na rede social Twitter.

Posteriormente, Fillon emitiu um comunicado no qual assegurou que o mandato de Hollande termina “com a revolta política e a decadência do poder”.

“Mais do que nunca, a mudança política e a recuperação da França vão ser construídos sobre bases sólidas: a verdade, sem a qual não se pode ter a confiança dos franceses, e a ação corajosa, a única que pode obter resultados”, acrescentou Fillon, que se apresenta como favorito nas sondagens para ganhar as presidenciais em abril e maio próximos.

 ZAP / Lusa / Sputnik News

PARTILHAR

RESPONDER

Nova Zelândia decreta em junho erradicação de contágios. Está há 13 dias consecutivos sem novos casos

A Nova Zelândia, país que tem sido apontado internacionalmente como exemplar no combate à pandemia de covid-19, prevê decretar a “erradicação da doença” no país no próximo dia 15 de junho. A informação foi avançada esta …

Secretário da Defesa discorda de Trump no envio de tropas para conter distúrbios. Aliados europeus afastam-se

O Secretário norte-americano da Defesa, Mark Esper, rompeu na quarta-feira com o Presidente, Donald Trump, no apoio ao envio das forças armadas para as cidades e os estados que se recusarem "a tomar as medidas …

Vai "nascer" em Arouca a maior ponte suspensa do mundo. É a esperança para fazer renascer o turismo

O Turismo de Arouca está a enfrentar dificuldades devido à quebra gerada pela pandemia, mas os empresários aguardam com expectativa a abertura daquela que será a maior ponte suspensa do mundo, já descrita como "extraordinária". Ainda …

"Será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na região de Lisboa

O presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, considerou que "será difícil não voltar a adiar a abertura" dos centros comerciais na Grande Lisboa, tendo em conta os números da região nos …

Atraso na partilha de informação. Responsáveis da OMS recusam responder a perguntas sobre China

Os mais altos responsáveis da Organização Mundial de Saúde (OMS) recusaram-se esta quarta-feira a responder diretamente a perguntas sobre um atraso da China na partilha do mapa genético do novo coronavírus com a agência. Três perguntas …

Espanha reabre fronteiras a 22 de junho. Portugal diz que ainda não há uma decisão tomada

Espanha vai reabrir as fronteiras com Portugal e França a 22 de junho. O país tinha planeado abrir as fronteiras ao turismo estrangeiro a 1 de julho, mas decidiu adiantar a data. Porém, Portugal diz …

Conceição critica arbitragem, mas em Espanha fala-se de penálti de Pepe "que roça o escândalo"

Os 'dragões' perderam no primeiro jogo após a retoma do campeonato. Sérgio Conceição deixou críticas à arbitragem, mas em Espanha fala-se de um penálti escandaloso... de Pepe. O FC Porto ficou com a liderança da I …

Redução do IVA, abono para crianças e incentivos para comprar elétricos. O plano de 130 mil milhões de Merkel

A chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou esta quinta-feira um pacote de estímulo de 130 mil milhões de euros para este ano e 2021, para impulsionar a economia do país, duramente atingida pela pandemia de covid-19. Entre …

De Jorge Jesus a Bruno de Carvalho. Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades

O português Rui Pinto terá espiado 72 pessoas e entidades, acusa o Tribunal da Relação de Lisboa. A defesa do denunciante criticou a manutenção da prisão preventiva. De acordo com o acórdão do Tribunal da Relação …

Empresas podem manter lay-off até ao fim de setembro. Apoio pode chegar a 85% do salário

Os traços gerais do plano do Governo para a retoma da economia e para tentar travar a escalada do desemprego foram apresentados aos parceiros sociais, esta terça-feira, por Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade …