Franceses em protesto para homenagear professor decapitado. Autoridades procuram radicais islâmicos

Yoan Valat / EPA

Manifestação em Paris

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo no centro de Paris numa demonstração de repúdio pela decapitação do professor que mostrou aos seus alunos desenhos do Profeta Maomé.

Os manifestantes da Praça da República ergueram cartazes onde se liam frases como “Não ao totalitarismo de pensamento” e “Eu sou um professor” em memória de Samuel Paty. “Tu não nos assustas. Nós não temos medo. Tu não nos dividirás. Nós somos a França!” escreveu no Twitter o primeiro-ministro, Jean Castex, que estava entre os manifestantes.

Segundo noticiou a agência AFP, Castex fez-se acompanhar do ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer, pela presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, e pela ministra do Interior, Marlene Schiappa, que disse estar presente “para apoiar os professores, o secularismo, a liberdade de expressão”.

Alguns na multidão gritaram “Eu sou Samuel”, replicando o grito “Eu sou Charlie” que se espalhou pelo mundo depois de atiradores islâmicos terem morto 12 pessoas na revista Charlie Hebdo, por publicar caricaturas do profeta islâmico.

O ataque ao Charlie Hebdo, em 2015, desencadeou uma onda de violência islâmica e forçou a França a uma discussão nacional sobre o lugar do Islão numa sociedade secular. Após o massacre ocorrido na revista, cerca de 1,5 milhão de pessoas reuniram-se naquela praça, em defesa da liberdade de expressão.

Os protestos pelo assassinato ocorreram noutras cidades francesas. As autoridades disseram que cerca de 6.000 pessoas se reuniram em Lyon, no leste da França.

“Toda a comunidade educacional é afetada e, além dela, a sociedade como um todo”, disse o representante do Sindicato de Professores, Bernard Deswarte, em Toulouse, onde se estima que tenham protestado cerca de 5 000 pessoas.

Outras centenas reuniram-se em Nice, na costa sul, na mesma cidade que já foi palco de um atroz ataque terrorista, quando um homem embateu com um caminhão na multidão no feriado nacional de 14 de julho de 2016, matando 86 pessoas.

Samuel Paty foi brutalmente assassinado quando voltava da escola onde lecionava para a sua casa, a noroeste de Paris, na tarde de sexta-feira. No sábado, o procurador antiterrorismo, Jean-François Ricard, disse que Paty tinha sido alvo de ameaças online por mostrar os desenhos na aula de educação cívica. As representações do profeta são amplamente consideradas tabu no Islão.

O procurador assinalou que uma meia-irmã do pai de Abdullah se aliou ao Daesh, na Síria, em 2014, e que sobre ele foi lançado um mandado de captura.

Uma foto do professor e uma mensagem a confessar o seu assassinato foram encontradas no telemóvel do homicida, o tchetcheno Abdullakh Anzorov, de 18 anos, morto a tiro pela polícia. Segundo testemunhas, o suspeito foi visto na escola na sexta-feira a perguntar aos alunos onde poderia encontrar Paty.

 

O pai de uma estudante havia lançado uma convocação online de “mobilização” contra o professor e pediu sua demissão da escola. O pai da rapariga e um conhecido militante islâmico estão entre os detidos, juntamente com quatro membros da família de Anzorov. Uma 11ª pessoa foi presa no domingo, disse uma fonte judicial, sem fornecer detalhes.

O pai que se sentiu ofendido postou nas redes sociais o nome do professor e a morada da escola, poucos dias antes da decapitação que o Presidente Emmanuel Macron classificou como um ataque terrorista islâmico. O procurador não disse se o agressor tinha links para a escola ou se agiu de forma independente em resposta à campanha online.

A embaixada russa em Paris informou que a família de Anzorov chegou a França vinda da Tchetchénia, quando ele tinha seis anos para pedir asilo. Na cidade de Evreux, na Normandia, onde morava, o agressor é descrito como discreto. Os vizinhos dizem que se envolvia em brigas quando era criança, mas se acalmou nos últimos anos, à medida que se tornou cada vez mais religioso.

O ataque de sexta-feira foi o segundo deste tipo desde que, no mês passado, começou o julgamento pelos assassinatos do Charlie Hebdo. A revista republicou os desenhos animados polémicos antes do julgamento e, em setembro, um jovem paquistanês feriu duas pessoas com um cutelo junto ao antigo escritório do Charlie Hebdo.

Operações policiais à procura de radicais islâmicos

Várias operações policiais foram lançadas esta segunda-feira de manhã em França contra “dezenas de indivíduos” envolvidos no movimento islamita, anunciou o ministro do Interior francês, afirmando que o professor decapitado na sexta-feira foi vítima de uma ‘fatwa’.

“Eles claramente emitiram uma ‘fatwa’ (decreto religioso islâmico, neste caso de morte) contra o professor”, disse Gerald Darmanin à rádio Europe 1, apontando para os suspeitos sob custódia.

Estas operações policiais, decididas na sequência do Conselho de Defesa realizado no domingo, decorrem desde a manhã de esta segunda-feira e terão continuidade nos próximos dias. Segundo o ministro, as operações não visam “necessariamente indivíduos ligados à investigação” do assassínio do professor de história Samuel Paty.

As operações visam, no entanto, “transmitir uma mensagem: (…) nem um minuto de trégua será dada aos inimigos da República”, sublinhou Gérald Darmanin.

Desde o assassínio do professor “mais de 80 investigações” foram abertas por ódio online e ocorreram prisões, acrescentou o ministro, referindo que quer dissolver várias associações, incluindo o Coletivo contra a Islamofobia na França (CCIF).

“Cinquenta e uma estruturas associativas terão um certo número de visitas dos serviços do Estado ao longo da semana e várias delas, por proposta minha, serão dissolvidas em Conselho de Ministros”, anunciou Gerald Darmanin. O CCIF está “obviamente envolvido” e “alguns elementos permitem-nos pensar que este é inimigo da República”, continuou.

A associação tem “auxílios estatais, deduções fiscais e denuncia a islamofobia estatal”, acrescentou, citando a organização Baraka City, fundada por muçulmanos com perfil ‘salafista’, cujo presidente, Driss Yemmou, foi colocado sob supervisão judicial na quinta-feira como parte de uma investigação por assédio nas redes sociais.

A associação, cuja conta no Facebook é seguida por mais de 715 mil pessoas, desperta forte entusiasmo entre muitos jovens crentes, mas também suspeita por suas posições às vezes radicais.

ZAP //

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. As autoridades não precisam de perder tempo a ir procurar radicais…
    Basta afixarem as caricaturas do Maomé e ficar à espera deles.
    Será fácil descobrir os que são radicais e até os que à primeira vista não são. Os outros nem vão ligar.

RESPONDER

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …

"Dança quem está na roda", responde Marcelo sobre ausência de Bolsonaro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado que "dança quem está na roda" quando questionado pelos jornalistas sobre a ausência do homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, da cerimónia de reinauguração do Museu …

Todos os anos, esta cidade italiana entrega sal ao Papa em mãos

O Sal de Cervia, também conhecido como "sal do Papa", é-lhe entregue todos os anos em mãos. A tradição sofreu algumas interrupções até ter sido recuperada pelo Bispo Mario Marini, que serviu no Pontificado de …

A colisão secreta entre navios soviéticos e britânicos podia ter tido um desfecho drástico

Colisão aconteceu durante um dos períodos mais quentes da Guerra Fria e foi camuflado pela marinha britânica, que tratou de fazer regressar a sua embarcação à base de Devonport durante a noite para evitar dar …

Esta garrafa de tequila demorou seis anos para ser desenvolvida (e contém ouro)

A Clase Azul Spirits é uma empresa que comercializa tequila e está a preparar uma edição limitada para homenagear o legado artesanal do México - de onde a bebida é originária. A 2 de agosto, a …

Covid-19. Milhares de franceses protestam contra passe sanitário

Milhares de pessoas concentraram-se este sábado em Paris para protestar contra o passe sanitário — certificado de vacinação contra a covid-19 que passa a ser obrigatório para entrar em vários locais —, tendo a polícia …

"Toque de Midas" científico. Químicos transformam água purificada em metal dourado

Esta nova descoberta ajuda a entender o estado de transição da água e pode vir a ser importante no estudo de planetas como Neptuno ou Urano. Numa experiência alucinante, cientistas conseguiram transformar água purificada num metal …