França suspende entrega do primeiro navio de guerra Mistral à Rússia

A Presidência francesa anunciou esta quarta-feira a suspensão da entrega do primeiro navio de guerra Mistral à Rússia, prevista para outubro, afirmando que as condições para a autorização “não estão neste momento reunidas”, numa referência à crise ucraniana.

Face à situação na Ucrânia, qualificada como “grave”, o “Presidente da República concluiu que, apesar da perspectiva de um cessar-fogo, que precisa ainda de ser confirmado e implementado, as condições para que a França autorize a entrega” à Rússia “do primeiro navio de guerra Mistral não estão neste momento reunidas”, referiu o Eliseu, sede da Presidência francesa, em comunicado.

“As recentes ações da Rússia no leste da Ucrânia contrariam os fundamentos da segurança na Europa”, acrescentou a mesma nota informativa.

As autoridades francesas, que têm estado sob forte pressão internacional, nomeadamente por parte dos Estados Unidos e do Reino Unido, para adiar a entrega do primeiro de dois navios de guerra a Moscovo, tinham rejeitado até hoje as críticas e afirmado que iam cumprir os termos do contrato.

O chefe da diplomacia francesa, Laurent Fabius, chegou a sublinhar que “os contratos assinados e pagos eram para honrar”.

A nova posição francesa em relação ao navio porta-helicópteros Mistral foi decidida durante um Conselho de Defesa, realizado na véspera da cimeira da NATO, que vai decorrer até sexta-feira em Cardiff, no País de Gales (Reino Unido), e algumas horas depois da divulgação de novas críticas norte-americanas.

“Esta venda não é bem-vinda tendo em conta o que se passa nesta parte do mundo”, declarou o embaixador dos Estados Unidos junto da União Europeia (UE), Anthony Gardner, diante do Parlamento Europeu.

O contrato firmado entre Paris e Moscovo, assinado em 2011, previa a entrega às autoridades russas de dois navios da classe Mistral (o “Vladivostok” e o “Sébastopol”) por um valor de 1,2 mil milhões de euros.

Em meados de agosto, o grupo público de armamento russo Rosoboronexport afirmou que Moscovo só previa efetuar o “pagamento final” a Paris após a entrega do segundo navio de guerra, prevista para novembro de 2015.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Ou seja a França iria ou irá mesmo vender navios de guerra á Rússia que um dia muito provavelmente irão matar soldados franceses, mas isso pouco importa pois carne para canhão há muita.

RESPONDER

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …

Virgin Galactic quer desenvolver avião comercial supersónico (que promete superar a velocidade do som)

A Virgin Galactic vai aliar-se à Rolls-Royce para criar um avião comercial supersónico, ainda mais rápido do que o mítico Concorde. A empresa de turismo espacial Virgin Galactic anunciou uma parceria com a Rolls-Royce para desenvolver …

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …