15 anos. França fixa idade para consentimento sexual

O Governo francês está a preparar-se para estabelecer a idade mínima de consentimento sexual para os 15 anos, anunciou esta semana a ministra para a Igualdade.

A “decisão do Governo em definir essa idade nos 15 anos”, referiu Marlène Schiappa na segunda-feira, tem lugar depois de consultas públicas e tem em conta as recomendações de um painel de especialistas chamados a pronunciarem-se sobre o assunto, revela o semanário Expresso esta quarta-feira.

A questão ganhou espaço e destaque no debate público quando alguns ativistas e deputados criticaram o facto de a legislação francesa ter permitido que dois homens que tiveram sexo com menores de idade evitassem acusações formais de violação de crianças.

À luz das atuais leis, qualquer ato sexual entre um adulto e uma criança com menos de 15 anos pode ser julgado como uma ofensa sexual; contudo, para que o adulto seja acusado de violação, o Ministério Público tem de provar que a criança foi forçada a ter sexo – uma questão mais complicada quando envolve pré-adolescentes que estão a despertar para a sua sexualidade mas que, ao mesmo tempo, ainda não têm maturidade suficiente para definirem os seus próprios limites nem para terem uma noção clara de consentimento.

O tema entrou no debate público em novembro, quando um homem de 30 anos foi absolvido do crime de violação de uma criança de onze anos depois de o tribunal ter determinado que a menor não foi sujeita a qualquer “constrangimento, ameaça, violência ou surpresa”.

O outro caso que contribuiu para a decisão do Ministério da Igualdade envolve outra menina de onze anos e um homem de 29 que foi julgado por ter tido sexo com uma menor em vez de enfrentar acusações de violação, algo que enfureceu a família da vítima.

Vários deputados e grupos de proteção infantil exigiam ao Governo, desde o ano passado, que aumentasse a idade mínima de consentimento sexual, sugerindo que França deveria seguir o exemplo da maioria dos países europeus, onde varia entre os 13 e os 15 anos.

Schiappa disse estar “muito satisfeita” com a decisão de se limitar o consentimento aos 15 ou mais anos, como recomendado por um painel de médicos e especialistas judiciais. A nova idade legal para consentir relações sexuais está integrada num pacote mais alargado de medidas para acabar com o sexismo e a violência sexual em França, pacote esse que deverá ser aprovado pelo Governo de Emmanuel Macron até ao final deste mês.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Acho bem, aos 15 anos a maior parte delas já sabem mais da poda que o frustrado de massamá de administração pública, não inclui segurança social (leia-se impostos a pagar e subsídios).

  2. Tenho a opinião, e não mais do que opinião, que a lei francesa é equilibrada. Tive notícia dum caso, passado numa importante cidade transmontana, em que uma família alugou um quarto da sua vivenda a um cidadão de quarenta e tantos anos, que ali foi colocado num “serviço do Estado”, portanto na qualidade de funcionário público. O seu serviço ocorria de tarde e à noite e tinha por hábito levantar-se à 11 horas da manhã. Ao fim do segundo mês de estadia, uma menina de 12 anos, filha da família, sempre que o seu horário escolar o permitia, começou a bater-lhe à porta do quarto logo que os pais saíam de casa e, em trajes menores mas ousados, atirava-se por cima dele esfregando os seus órgãos genitais no corpo do homem que, assustado, teve ainda assim o bom senso de colocar o seu telemóvel a gravar o que se passava quando passou da primeira vez. À quarta ou quinta vez, foi ter com o pai da menor e, chamando-o de parte, deu-lhe a escutar os tons e os sons dos atos dela, dizendo que se ia embora porque não queria sarilhos e menos ainda qualquer “comércio” com pessoas daquela idade. O pai mostrou espanto e, chamando a filha, confrontou-a com os fatos, ao que ela alegou que era o hóspede que a chamava. Só que os sons e os tons apontavam noutro sentido. O pai pediu desculpas e disse ao funcionário que partisse descansado que o caso morreria ali. Moral da história: a rapariga/menina tinha já desejos libidinosos que não conseguia controlar e começou a atacar quem
    supunha ser seguro. Se o caso tivesse chegado ao conhecimento das autoridades e os pais não fossem honestos, provavelmente o inocente cidadão estaria hoje preso. Creio pois que as pessoas, a partir dos 14 ou 15 anos, devem ter a possibilidade legal de consentirem e proporem atos íntimos a quem lhes aprouver, como prevê a lei francesa.

RESPONDER

Isabel dos Santos não vai ser detida se for a Angola, garante PGR

O procurador-geral da República de Angola afirmou, esta sexta-feira, que a justiça quer esgotar todos os procedimentos para notificar a empresária angolana antes de pedir um mandado internacional de captura. "Primeiro vamos esgotar a possibilidade de …

Assange deixa ala médica da prisão e passa para área com outros reclusos

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi transferido da ala médica da prisão de Belmarsh, no sudeste de Londres, onde estava isolado, para uma área da prisão com outros presos, anunciou hoje um membro do …

"Saudações da Tailândia." Depois de fugir da prisão, Sekkaki enviou um postal aos diretores

Depois de fugir da prisão, Oualid Sekkaki provocou os responsáveis do estabelecimento prisional e enviou-lhes um postal. Em dezembro do ano passado, Oualid Sekkaki e outros quatro indivíduos fugiram do estabelecimento prisional de Turnhout, na Bélgica. …

Irlanda. Tribunal decide extraditar motorista acusado da morte de 39 migrantes vietnamitas

O tribunal de Dublin sentenciou, esta sexta-feira, que o motorista acusado da morte de 39 imigrantes vietnamitas - encontrados em outubro num contentor refrigerado, perto de Londres - pode ser extraditado para o Reino Unido, …

Atriz norte-americana confronta em tribunal Weinstein com acusação de violação

A atriz americana Annabella Sciorra, conhecida por ter participado na série "Os Sopranos", confrontou na quinta-feira o produtor Harvey Weinstein em tribunal, acusando-o de a ter violado, em meados dos anos 1990. Segundo avançou o Expresso, …

Mulher agride médica na Urgência do Hospital de Águeda

Uma médica foi agredida, esta quinta-feira, na Urgência do Hospital de Águeda, por uma mulher que acompanhava o filho a uma consulta. De acordo com o Jornal de Notícias, a médica, de 33 anos, que estava …

Polícia do Rio de Janeiro matou cinco pessoas por dia em 2019

A polícia do Rio de Janeiro matou 1.810 pessoas em 2019, um recorde de cinco mortes por dia e um aumento de 18% em relação ao ano anterior, informou o Instituto de Segurança Pública (ISP) …

Governo dedica 20 milhões do Orçamento ao combate à violência doméstica

O orçamento total para combater a violência doméstica em 2020 é de 20,3 milhões de euros, adiantou na quinta-feira a ministra de Estado e da Presidência no Parlamento, Mariana Vieira da Silva, sublinhando o reforço orçamental …

Chega quer câmaras nas fardas e nos carros-patrulha

O Chega, liderado por André Ventura, apresentou um projeto de resolução a defender que os agentes das forças de segurança nacionais devem poder utilizar câmaras, que seriam introduzidas nas fardas e nos carros-patrulha. O partido liderado …

"Não tenho o apoio de Assunção Cristas", diz João Almeida

O candidato à liderança do CDS-PP defende que o partido deve, no imediato, fortalecer-se e depois participar numa "plataforma à direita" de alternativa ao PS, com o PSD, mas sem o Chega. "A alternativa à governação …