França admite ato terrorista no ataque à sede da polícia de Paris

As autoridades antiterrorismo assumiram a investigação do assassínio de quatro pessoas na sede da polícia de Paris, tratando agora o incidente como um possível ato de terrorismo.

Esta sexta-feira, as autoridades antiterrorismo francesas assumiram a investigação do assassínio de quatro pessoas na quinta-feira na sede da polícia de Paris, tratando agora o incidente como um possível ato de terrorismo, anunciou o Ministério Público.

“Tendo em conta os elementos recolhidos nesta altura nas investigações (…), a Procuradoria Nacional Antiterrorismo assumiu a investigação”, indicou a mesma fonte. O Ministério Público de Paris precisou que as novas informações estão relacionadas com os antecedentes do atacante.

Um homem de 45 anos esfaqueou mortalmente na quinta-feira quatro pessoas (três agentes policiais e um funcionário administrativo) nas instalações da sede da polícia de Paris, antes de ser abatido por um elemento das forças de segurança.

Poucas horas depois, uma fonte próxima do processo, citada pela agência France Presse (AFP), avançou que o atacante, identificado como um funcionário civil administrativo (informático) que trabalhava desde 2003 nos serviços de informação na sede da polícia de Paris, “tinha-se convertido ao islamismo há 18 meses”.

Inicialmente, a linha de investigação do incidente explorou a pista de um eventual conflito pessoal. Os investigadores entraram nos sistemas do computador e do telemóvel do atacante à procura de possíveis motivos, bem como interrogaram a sua mulher e várias testemunhas.

Horas antes deste anúncio do Ministério Público sobre a mudança da linha de investigação, as autoridades tinham afirmado que o atacante não tinha um historial de problemas psiquiátricos e que os investigadores não tinham encontrado, até ao momento, provas que indicassem que o homem tivesse sido radicalizado por extremistas.

No mesmo dia do ataque, o Presidente francês, Emmanuel Macron, deslocou-se à sede da polícia de Paris, localizada no centro histórico da capital francesa, perto da Catedral de Notre-Dame e em frente do Palácio de Justiça, para “mostrar apoio e solidariedade a todos os funcionários”.

O ataque ocorreu um dia depois de uma manifestação de cerca de 20 mil polícias em Paris, numa “marcha da ira”, mobilização inédita há 20 anos. Os três principais sindicatos da polícia francesa convocaram o protesto para travar os suicídios no seio da corporação e reivindicarem melhores condições de trabalho.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Maria Martins conquista bronze nos Europeus de ciclismo de pista

Maria Martins venceu nesta quarta-feira a medalha de bronze no “scratch” feminino dos Europeus de ciclismo de pista, que nesta quarta-feira arrancaram em Apeldoorn, na Holanda. Depois de várias medalhas em Europeus sub-23, a ciclista de …

Carlos César: Firmar um acordo com o Bloco descriminaria os restantes partidos de esquerda

O dirigente socialista Carlos César mostrou-se esta quarta-feira confiante que o novo Governo será para quatro anos, considerando ainda que firmar um acordo com o Bloco de Esquerda seria discriminar os restantes partidos de esquerda. …

Médico que deixou bebé nascer sem rosto tem quatro processos na Ordem

O obstetra que não detetou malformações graves num bebé que acabou por nascer sem rosto no início deste mês, em Setúbal, tem quatro processos em curso no conselho disciplinar da Ordem dos Médicos. A informação foi …

Tensão na Catalunha afeta realização do Barcelona-Real Madrid

A violência dos protestos na Catalunha está a fazer com que a Liga e a Federação de futebol espanholas repensem a ideia de o clássico entre Barcelona e Real Madrid se realizar em Camp Nou. O …

Assis critica novo Governo do PS. É "muito António Costa" e feito só para dois anos

O ex-eurodeputado do Partido Socialista (PS) Francisco Assis não poupou nas críticas ao novo Governo, que António Costa apresentou ao Presidente da República na terça-feira ao final do dia, considerando que este é um executivo …

PSD considera que não há novo Governo, mas "remodelação" com alargamento

O PSD defendeu na quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …

Depois do terramoto das legislativas, vem aí um Conselho Nacional difícil para o CDS

O CDS reúne esta noite o Conselho Nacional. Segundo o Público, Assunção Cristas deverá renunciar a lugar de deputada na Assembleia da República. O CDS deverá marcar esta quinta-feira o próximo congresso para janeiro de 2020. …

Rio quer abafar Montenegro ao fazer "multitasking" como líder partidário e parlamentar

Rui Rio pode acumular as funções de líder do partido e líder parlamentar. O objetivo passa por evitar divisões na bancada e esvaziar a oposição de Luís Montenegro. Rio parece já ter uma estratégia delimitada para …

Cabrita mostra desagrado pelo afastamento da mulher do Governo

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, partilhou no Facebook um texto de uma ativista ambiental algarvia crítico do afastamento da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, com quem é casado. Eduardo Cabrita, ministro da Administração …

Polícia desmantela rede de pornografia infantil e faz mais de 300 detenções

Pelo menos 337 pessoas de 38 países foram detidas numa operação em que foi desmantelada uma rede de pornografia infantil, que usava um site para comercializar vídeos de abuso sexual de crianças. Num comunicado divulgado esta …