/

França 3-3 Suíça | Gauleses dizem au revoir aos pés de Seferovic

Marko Djurica / EPA

Granit Xhaka, Suiça, celebra o apuramento frente à França

A Suíça qualificou-se hoje para os quartos de final do Euro2020, marcando encontro com a Espanha, ao vencer a campeã mundial França por 5-4 nos penáltis, depois de 3-3 nos 120 minutos, em Bucareste, na Roménia.

O guarda-redes Yann Sommer foi o ‘herói’ dos helvéticos, ao parar o pontapé de grande penalidade de Kylian Mbappé, o único dos 10 jogadores chamado a bater grandes penalidades que não concretizou.

No tempo regulamentar, Haris Seferovic inaugurou o marcador (15 minutos), a França virou para 3-1 com dois tentos de Karim Benzema (57 e 59) e um de Paul Pogba (75), mas os helvéticos responderam com o bis do benfiquista Seferovic (81) e um tento de Mario Gavranovic (90).

Nos quartos de final, a Suíça, que nunca tinha chegado aos ‘quartos’, mede forças com a Espanha, que bateu a Croácia por 5-3, após prolongamento, num embate marcado para sexta-feira, pelas 19:00 locais (17:00 em Lisboa), em São Petersburgo, na Rússia.

Loucura em Bucareste!

Que jogo, senhoras e senhores. Esta segunda-feira foi sinónimo de grandes jogos neste EURO 2020. Após o frenético embate entre croatas e espanhóis, mais um espectáculo vibrante, desta feita o que opôs franceses e suíços em Bucareste.

Os helvéticos estiveram em vantagem, falharam a possibilidade de dilatar o “score”, os gauleses reagiram, ganharam uma almofada de dois golos (3-1), porém, num último suspiro, Seferovic (81’… um bis) e Gavranovic (90’) decidiram que o “show” teria de continuar… e continuou.

Sem golos no prolongamento, o adversário da Espanha nos “quartos” foi desvendado da marca dos 11 metros, todos marcaram menos Mbappé. Sommer voou e defendeu o remate do avançado.

Pela primeira vez em 67 anos, a Suíça estará presente nos quartos-de-final onde vai defrontar na próxima sexta-feira, a partir das 17h00, em São Petersburgo, a Espanha. A França, vice-campeão europeia e detentora do ceptro mundial, diz “au revoir” de forma precoce.

Ao cabo dos primeiros 48 minutos de jogo houve uma espécie de “banho táctico” suíço aos franceses. Com a lição bem estudada, os comandados de Petkovic rubricaram uma exibição total.

Os suíços defenderam de forma compacta, tapando todos os espaços ao feroz ataque gaulês, e exploraram toda a largura do terreno, ora atacando pela zona central – atraindo Pogba e deixando Kanté abandonado -, ora “abrindo” as alas, preferencialmente a esquerda, para Rodríguez e Zuber explorarem – 2×1 constante sobre Pavard.

O cabeceamento fulminante de Seferovic (15’) premiava a organização e argúcia dos helvéticos.

E tudo um pénalti mudou. À passagem do minuto 54, Ricardo Rodríguez tremeu da marca dos 11 metros e desperdiçou soberana ocasião para dilatar a vantagem helvética. Foi uma espécie de chamada de atenção para a reacção gaulesa.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

No espaço de 90 segundos, Benzema (57’ e 59’) deu a volta ao texto e deixou os campeões mundiais na dianteira do marcador.

Quando aos 75 minutos, Pogba assinou um dos melhores golos da prova até ao momento, parecia que o triunfo dos homens de Deschamps estava assegurado, mas Seferovic (81’) reduziu distâncias e o susto francês não foi ainda maior porque Gavranovic (84’) estava um pouco adiantado.

Porém, o dianteiro deixou o ambiente em ebulição quando acertou um tiro em cima do minuto 90 e levou o encontro para prolongamento.

A emoção prosseguiu no tempo extra, Varane esteve imperial e evitou mais um golo suíço aos 97 minutos, na resposta Mbappé (110’) e Giroud (120’) a fechar ficaram próximos de festejar. O adversário da Espanha nos quartos-de-final foi apenas encontrado através da marca de grande penalidade.

Melhor em Campo

A exibição de Pogba roçou a perfeição na noite desta segunda-feira. O médio esteve literalmente em todo o lado e tudo fez para que a França não caísse aos pés da armada suíça.

Nos 120 minutos em que esteve em cena, marcou um golaço, num dos três remates que fez, criou quatro passes para finalização, seis passes aproximativos, acertou cinco dos seis dribles que tentou, recuperou a posse em 12 ocasiões, sofreu três faltas e efectuou dois desarmes.

Exibição quase imaculada, que apenas foi traída pelos três maus controlos de bola registados e, claro, pelo resultado final. O médio foi o MVP da partida com um magnífico GoalPoint Rating de 9.2.

Destaques da França

Benzema 7.4 – No espaço de 90 segundos, bisou pelo segundo jogo consecutivo e deixou a França na liderança do “placard”. Até sair devido a queixas físicas, foi responsável pro quatro remates, três passes valiosos, sete acções na área suíça e quatro recuperações.

Griezmann 6.9 – Foi um dos elementos a impulsionar o ataque gaulês, principalmente na segunda parte. Nos 84 minutos em que actuou, orquestrou quatro passes para finalização, 12 passes valiosos (recorde no jogo), oito passes aproximativos e duas acções defensivas no meio-campo adversário.

Mbappé 6.0 – Não conseguiu superar Sommer num lance que decidiu o desfecho deste jogo de loucos. Durante os 120 minutos, rematou em seis ocasiões (cinco enquadradas) – Expected Goals (xG) de 0,8 -, fez uma assistência e criou duas ocasiões flagrantes, mas falhou uma e não esteve assertivo, tendo, ainda, concluído com êxito apenas dois dos oito dribles que arriscou. Sai da prova sem qualquer golo apontado.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Destaques da Suíça

Seferovic 6.9 – Sempre em alta rotação, o avançado do Benfica vestiu a capa de homem golo e foi determinante para os suíços. Dos três remates efectuados, marcou dois golos, além disso contabilizou cinco acções com a bola na área adversária e realizou quatro alívios.

Sommer 6.0 – Sem culpas nos três golos sofridos, foi autor de cinco intervenções e esteve intransponível perante Mbappé.

Gavranovic 5.9 – Um remate e levou o jogo para prolongamento. Na conversão de grandes penalidades, não tremeu e ajudou a Suíça a atingir os quartos-de-final.

Resumo


ZAP // Lusa / GoalPoint

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.