França 3-1 Polónia | Giroud e Mbappé cantam de galo rumo aos “quartos”

1

Voltou a imperar a lei do mais forte e a França juntou-se aos Países Baixos e Argentina no lote de seleções que já garantiram uma vaga nos oitavos-de-final deste Mundial 2022.

Numa partida em que sofreu, principalmente na etapa inicial, com o pendor atacante da Polónia, os campeões do Mundo cantaram de galo e ultrapassaram mais um obstáculo. Giroud e Mbappé (com dois golaços) foram os artífices do triunfo francês, que em seis presenças nos “oitavos”, qualificaram-se sempre para os “quartos”. O próximo opositor vai sair do confronto entre Inglaterra e Senegal. Já os polacos despedem-se na fase a eliminar, no mesmo estágio onde tinha caído em 1986.

Velocidade francesa “matou” aspirações polacas

Fez-se estória no relvado do Estádio Al Thumama. Aos 44 minutos, Mbappé assistiu e Giroud rematou com acerto, bateu Szczesny, colocou a França na frente do marcador e tornou-se no melhor de sempre dos gauleses com 52 golos, ultrapassando o histórico Thierry Henry.

O golo dos campeões Mundiais surgiu no melhor período da Polónia – diante da Argentina os polacos não tinham construído um lance de ataque e enquadrado um remate no alvo –, que após ter aguentado os constantes “sprints” de Mbappé e Dembelé, ganhou um novo fôlego na sequência de um remate de Lewandowski aos 21 minutos, e surgiu sem complexos na área de Lloris em inúmeras ocasiões.

A mais perigosa foi quando Bereszyński (37′) passou por Koundé, cruzou e Zieliński rematou para defesa do guardião gaulês, o lance prosseguiu e valeram as intervenções decisivas de Théo, primeiro, e de Varane, que com um corte em cima da linha travou o tiro de Szymanski.

Wojciech Szczęsny era a figura e melhor jogador da primeira metade, com quatro defesas, uma saída pelo ar eficaz.

Mais pragmática, a França controlou a partida, com ataques mais demorados, e esperou que a Polónia fosse em busca do empate para desferir o “veneno” que tinha guardado. Foi isso que ocorreu quando Czeslaw Michniewicz apostou as fichas em unidades mais ofensivas e destapou a zona intermédia. A velocidade supersónica dos gauleses surtiu efeitos aos 74 minutos, num contragolpe perfeito que começou num alívio de Griezmann, passou por Giroud, Dembelé assistiu e Mbappé na finalizou. Foi o oitavo golo do avançado em fases finais de Mundiais, quarto no Qatar 2022, igualando CR7.

Insaciável, o avançado do PSG não esteve com meias medidas e voltou a carimbar mais um golaço, atingindo, desta feita, a marca dos nove golos, a mesma do colega de equipa em Paris, Messi.

Quando parecia que a França, ao quarto jogo, não ia consentir nenhum tento, Lewandowski, da marca dos 11 metros, à segunda tentativa, bateu Lloris – igualou Lilian Thuram na lista de jogadores com mais internacionalizações por França, 142 – e encurtou a desvantagem polaca.

Melhor em Campo: Kylian Mbappé

Quando embala torna-se quase impossível detê-lo. Com total liberdade de movimentos, o avançado teve ligação directa aos três tentos gauleses, assistindo Giroud e brilhando com dois grandes golos. Esmiuçando o números, o avançado de 23 anos foi autor de cinco remates (três enquadrados), uma assistência, cinco cruzamentos, 11 acções com a bola na área polaca (recorde na partida), cinco dribles eficazes em nove tentados e cinco conduções progressivas.

Destaques de França

Dembélé 6.8 – Outra das “motas” francesas, fez um bom trabalho no auxílio a Koundé e foi decisivo no ataque. O extremo do Barcelona contabilizou dois remates, uma assistência, três ações com a bola na área polaca, três conduções progressivas e seis recuperações de posse.

Giroud 6.4 – Dia histórico para o avançado de 36 anos, que não só se tornou no maior artilheiro da seleção (52), como foi determinante na passagem de fase com dois remates, um golo, 19 ações com a bola e quatro recuperações da posse.

Destaques da Polónia

Wojciech Szczęsny 6.1 -Fez de tudo para evitar a eliminação da Polónia com cinco intervenções e uma saída pelo ar eficaz.

Lewandowski 6.0 – O goleador fez o que melhor sabe no último suspiro do encontro, atingindo os dois golos na prova. Em termos gerais contabilizou cinco remates (dois enquadrados e um golo) e nove ações com a bola na área contrária.

  // GoalPoint

1 Comment

  1. O mundial da vergonha.
    Aumentaram-nos brutalmente o custo de vida e obrigam-nos a fazer sacrifícios porque a Rússia invadiu a Ucrânia (convencidos eles que as pessoas não sabem que a Rússia foi obrigada a agir para defender os seus cidadãos). Mas agora injectam as pessoas com um mundial de futebol realizado em estádios onde sucumbiram milhares à custa da flagrante e gratuita violação dos direitos humanos.
    É incrível de facto !

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.