Fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto em museu norte-americano são falsos

Uma investigação minuciosa a uma das coleções mais valiosas do mundo dos Manuscritos do Mar Morto revelou que nenhum dos 16 fragmentos analisados é autêntico.

Os Manuscritos do Mar Morto, um conjunto de manuscritos religiosos que contém as mais antigas fundações conhecidas do Antigo Testamento, datam do século III. Apesar de a grande maioria desses textos antigos e desgastados pelo tempo estar exibida em Jerusalém, muitos outros fragmentos circulam no mercado privado, onde são cobiçados por colecionadores e museus.

Infelizmente, muitos invetsigadores da área da arqueologia bíblica suspeitam que algumas dessas supostas relíquias são falsificações engenhosamente criadas.

Isto foi aparentemente confirmado no final de 2018, quando o Museu da Bíblia, nos Estados Unidos, revelou que pelo menos cinco dos fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto da sua coleção em exibição eram falsos.

Desde então, o museu contratou mais ajuda científica para verificar se os restantes fragmentos eram verdadeiros – mas não são. “Após uma revisão exaustiva de todos os resultados de imagens e análises científicas, é evidente que nenhum dos fragmentos de texto da coleção dos Manuscritos do Mar Morto do Museu da Bíblia é autêntico”, disse a investigadora de fraudes artísticas Colette Loll, fundadora e diretora da Art Fraud Insights, na investigação publicada no site do mesmo museu.

“Além disso, cada um exibe características que sugerem que são falsificações deliberadas criadas no século XX com a intenção de imitar fragmentos autênticos dos Manuscritos do Mar Morto”.

Lançando os resultados da análise bum relatório de 212 páginas, Loll explica a forma como os 16 fragmentos das coleções do museu foram submetidos a uma bateria de testes científicos, incluindo imagens de transformação multiespectral e de refletância, microscopia tradicional e 3D e testes microquímicos.

Os fragmentos analisados mostraram sinais de escrita moderna inscrita em depósitos arqueológicos de couro, revestidos com uma cola de pele de animal à base de proteína, que agiu para reforçar o material, além de replicar o brilho da superfície dos originais Manuscritos do Mar Morto, que são escritos em pergaminho.

Para o Museu da Bíblia, a sua total transparência quanto a estas falsificações beneficiarão o campo da arqueologia bíblica, destacando as técnicas usadas na criação de falsificações. “Apesar dos resultados menos favoráveis, fizemos o que nenhuma outra instituição com fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto pós-2002 fez”, explica o curador-chefe do museu, Jeffrey Kloha.

“Os métodos sofisticados e caros empregados para descobrir a verdade sobre a nossa coleção podem ser usados ​​para lançar luz sobre outros fragmentos suspeitos e talvez até serem eficazes para descobrir quem é responsável por estas falsificações”.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Há uma orquestra presa num palácio da Alemanha há 75 dias

Um grupo de músicos bolivianos, que pertencem à Orquestra Experimental de Instrumentos Nativos, está confinado no Palácio Rheinsberg, na Alemanha, há cerca de 75 dias devido à pandemia de covid-19. No início de março, os membros da …

Bolsonaro diz ter imagem negativa no exterior porque a imprensa "é de esquerda"

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse hoje que a sua imagem no exterior é negativa porque a imprensa mundial é de esquerda, enquanto falava com apoiantes junto ao Palácio da Alvorada, em Brasília. "A imprensa …

Líderes vodu do Haiti preparam templos para tratar infetados com covid-19

Líderes de vodu do Haiti pediram aos padres da religião afro-caribenha para criar um remédio secreto que servisse de tratamento contra o novo coronavírus. Aos religiosos foi também pedido que preparassem as câmaras sagradas de …

Centros comerciais e lojistas dizem-se preparados para reabrir em junho

Os centros comerciais e lojistas asseguram estar preparados para reabrir em pleno em 1 de junho, apelando à não discriminação face aos restantes espaços de retalho, mas pedem medidas que travem o impacto da pandemia …

Não vai faltar sardinha dentro dos próximos anos, revela investigação

A quantidade de sardinha adulta no mar é mais do que suficiente para os próximos três anos. Os dados científicos confirmam que o stock de sardinha está totalmente recuperado. O último cruzeiro realizado pelo Instituto Português …

Um ano e 20 mil assinaturas depois, Acordo Ortográfico regressa ao parlamento

Um projeto de lei de iniciativa de cidadãos, com 20.669 assinaturas, contra o Acordo Ortográfico (AO), começa esta quarta-feira a ser discutido no parlamento, mais de um ano depois de ter sido entregue. Na agenda de …

Em Inglaterra, 60 clubes podem falir até ao próximo ano

A pandemia de covid-19 pode levar à falência de cerca de 60 clubes dos escalões ingleses mais baixos. O aviso é feito por Phil Hodgkinson, dono do Huddersfield Town, equipa do Championship, a segunda divisão inglesa. "O …

OMS suspende ensaios clínicos com hidroxicloroquina

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou hoje a suspensão temporária dos ensaios clínicos com hidroxicloroquina para combater a covid-19 por causa de estudos científicos que associam maior mortalidade ao uso daquele medicamento. O diretor-geral da …

Ministro afasta que Ensino Superior se mantenha à distância depois da pandemia

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior considerou hoje que o ensino "vive da interação entre as pessoas", afastando a possibilidade de o trabalho à distância substituir o modelo presencial no período pós-covid-19. “Vivemos um …

Vacina pode estar disponível no Reino Unido a partir de setembro, diz farmacêutica

O presidente executivo da empresa farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, Pascal Soriot, disse no domingo que os britânicos poderão ter acesso a uma vacina contra o novo coronavírus a partir de setembro, caso os testes clínicos prossigam. O …