Formar e atrair professores. CNE quer (mais) verbas da “bazuca” para a educação

Paulo Novais / Lusa

O Plano de Recuperação e Resiliência tem gerado alguma controvérsia devido ao planeamento dos fundos que o Governo apresentou. Agora, é a vez da CNE pedir mais verbas de modo a formar e atrair mais professores para a área.

O Conselho Nacional de Educação (CNE) defende que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), devia incluir verbas para a formação inicial de professores e a atração de mais profissionais para o sector.

O órgão consultivo do Parlamento realça que o envelhecimento da classe poderá fazer com que, dentro de alguns anos, o país seja confrontado com escassez de docentes.

Num parecer aprovado esta segunda-feira, o CNE lamenta que o PRR “não equacione uma das questões de fundo” do sector: “a possibilidade de dentro de alguns anos o país ser confrontado com a falta de professores e as dificuldades que daí resultarão”, avança o Público.

O parecer enaltece ainda que os relatórios sobre o Estado da Educação dos últimos anos têm “mostrado o envelhecimento acentuado” do pessoal docente em Portugal.

No mesmo documento, é também evidenciada a “diminuição progressiva” da procura dos cursos superiores da área da educação e dos mestrados que conferem uma qualificação profissional para a docência.

Relativamente à formação de professores, “o PRR prevê algumas medidas”, reconhece o CNE, “mas estas são essencialmente dirigidas para a tecnologia digital e aspetos conexos”.

O CNE diz ainda que as medidas relativas à Educação no PRR deveriam ser “enquadradas numa visão estratégica”, suportada em critérios económicos e num modelo que permita assegurar “uma educação para todos, de qualidade e ao longo da vida”.

Neste sentido, sugere que cabe aos ministérios da Educação e do Ensino Superior “apresentar a visão para a década e estabelecer um plano estratégico que defina objetivos para cada um dos temas e as grandes linhas de orientação para os atingir”, defendem os conselheiros.

O CNE também propõe a “inclusão da dimensão de formação de jovens e adultos na dimensão da transição climática, visando a compreensão, a sensibilização e o desenvolvimento de atitudes que contribuam para o processo de preservação ambiental”.

Rio aponta “desequilíbrio excessivo” no plano para setor público

Rui Rio também tem críticas a fazer ao Plano de Recuperação e Resiliência.

O presidente do PSD apontou um “desequilíbrio excessivo” no PRR a favor do setor público, considerando que seria “muito mais produtivo e mais virado para o futuro” se investisse mais no setor privado.

“Há no programa do Governo uma preocupação em aplicar mais de dois terços na administração pública e no setor público, e nós temos a ideia de que era muito mais produtivo e mais virado para o futuro se se privilegiasse o setor privado”, afirmou Rio no final de uma reunião com o Fórum para a Competitividade, na sede nacional do PSD, em Lisboa.

Rio reiterou, como o PSD tem defendido, que “são as empresas e a economia que podem criar riqueza” e permitir aos portugueses terem “melhores empregos e melhores salários.

“O setor público tem muitas, muitas, muitas deficiências, se quisermos gastar o dinheiro todo lá não faltará onde. Mas, olhando para o futuro, devemos privilegiar o investimento nas empresas”, disse.

Para Rio, “é impossível ter um setor público rico num país pobre”.

“Vamos tratar que o país fique rico para que o setor público também fique rico. Não quer dizer que não se reformem partes do setor público, como a justiça”, disse, apontando um “desequilíbrio excessivo” a favor do público no PRR.

CDS-PP quer plano votado na Assembleia da República

Em comunicado, Francisco Rodrigues dos Santos anuncia que “tão brevemente quanto possível, o CDS procurará ouvir as instituições representativas dos principais setores económicos e diligenciará, quer junto da Comissão Europeia quer junto do PPE, a revisão deste plano e a sua adequação à efetiva defesa do interessa nacional”.

“O CDS exige do Governo uma discussão séria e alargada sobre os investimentos prioritários na economia portuguesa, que envolva os parceiros sociais e os partidos políticos e incita o primeiro-ministro a submeter o plano à discussão e votação da Assembleia da República”, salienta igualmente.

Na nota enviada aos jornalistas, o líder centrista considera que “o Governo optou por verter no plano uma linha de prioridades determinada antes da crise e a ela alheia, e retoma algumas políticas que já antes eram erradas”, em vez de “fornecer as soluções de que o país precisa”.

Referindo que “a enorme maioria dos fundos é aplicada em investimento público de escasso préstimo para as verdadeiras vítimas da catástrofe pandémica, sejam elas famílias ou empresas”, o líder centrista alertou que “o resultado do método socialista de atirar dinheiro para cima dos problemas” é “sempre o mesmo, o dinheiro desaparece e os problemas agudizam-se”.

Francisco Rodrigues dos Santos nota que “em todo o processo” relacionado com o PRR, “o Governo tem demonstrado que não quer ou julga não precisar de ouvir os portugueses” e advoga que o “curto prazo de 15 dias” de consulta pública, “num tema de tanta importância, serve apenas para cumprir, de forma inconsequente, a formalidade de consulta imposta por Bruxelas”.

O Plano de Recuperação e Resiliência, que Portugal apresentou para aceder às verbas comunitárias para fazer face às consequências da pandemia de covid-19, prevê 36 reformas e 77 investimentos nas áreas sociais, do clima e digitalização, correspondentes a um total de 13,9 mil milhões de euros de subvenções.

Entre as críticas ao PRR, está uma investigação feita pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) que concluiu que o Programa de Recuperação e Resiliência (PRR) comporta um sério risco de fraude e necessita de várias adaptações no seu plano de governação.

Ana Isabel Moura, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Chegada de emigrantes obriga autarcas do Interior a apertar as regras

Os autarcas do Interior do país, sobretudo de regiões onde a variante Delta ainda não se impôs e o número de novos casos de covid-19 não limita o quotidiano das populações, estão preocupados com o …

Jovens com menos de 20 anos vacinados numa "happy hour" em Lisboa

Alguns jovens com menos de 20 anos foram vacinados no centro de vacinação do Altice Arena, em Lisboa, depois de terem sido informados que havia "sobras". Task force já negou essa explicação. A situação foi denunciada, …

John Textor diz que reação da SAD do Benfica é "cómica"

O empresário norte-americano que chegou a acordo com o "rei dos frangos" para comprar 25% da Benfica SAD considera que a reação à sua aproximação é "cómica". Este mês, a Benfica SAD comunicou à Comissão de …

Rio acusa Cabrita de "mentir aos portugueses e no Parlamento" sobre festejos do Sporting

Rui Rio acusou o ministro da Administração Interna de "mentir aos portugueses e mentir no Parlamento" e justificou o motivo que levou o PSD a recorrer à figura da audição potestativa, a que os partidos …

Novo Banco não viu conflito de interesses na proposta sobre Imosteps

O Novo Banco defende que a proposta da Iberis para comprar a dívida da Imosteps, de Luís Filipe Vieira, não configurava conflito de interesses.  O Novo Banco defendeu, numa carta enviada ao Parlamento, que a proposta …

Restaurantes "expressamente proibidos" de guardar comprovativos de testes dos clientes

Os restaurantes dos concelhos em risco elevado e muito elevado, onde é necessário um teste negativo ou o certificado digital por parte dos clientes para poderem entrar, estão "expressamente proibidos" de guardar os comprovativos. A regra …

City pode ter de sacrificar Bernardo Silva para contratar Kane

O médio português poderá ter de ser "sacrificado" pelo Manchester City para financiar a contratação do avançado inglês ao Tottenham. Segundo o The Sun, para garantir a transferência de Harry Kane, o Manchester City terá de …

Não é só o BE, PCP e PAN que têm exigências. PS pressiona Leão com descida de IRS

As exigências para o próximo Orçamento do Estado (OE2022) não chegam apenas do Bloco de Esquerda, PCP e PAN. O PS também as tem e pressiona o ministro das Finanças por uma eventual mexida nos …

Alemanha não tem feito o suficiente para atingir metas do Acordo de Paris, diz Merkel

Chanceler alemã não está satisfeita com os esforços feitos pelo seu país ao longo das últimas décadas, defendendo que é preciso "acelerar o ritmo" para cumprir os objetivos estabelecidos pelo Acordo de Paris. Na tradicional conferência …

Soualiho Meité assina com o Benfica por cinco épocas

O médio francês, que representava o Torino, é o mais recente reforço do Benfica, tendo assinado contrato por cinco temporadas, até 2026, anunciou, esta sexta-feira, o clube das águias. "O Sport Lisboa e Benfica informa que …