Fogo e fezes revelam presença humana da Idade do Gelo no Alaska

Nos últimos anos, dois campos com diferentes abordagens para entender o passado – genética e arqueologia – perderam a sincronia nos seus modelos sobre o povoamento inicial das Américas.

Evidências genéticas mostram inequivocamente que os primeiros povos das Américas eram descendentes de um grupo de pessoas que descendiam de asiáticos orientais e antigos norte-eurasianos antes de se isolarem do fluxo genético por um período de tempo que começou por volta de 23 mil a 20 mil anos atrás.

Este período coincidiu com um período de arrefecimento global e desertificação chamado Último Máximo Glacial. Geneticistas inferiram que o isolamento ocorreu em Beríngia. Na época, era uma massa de terra que se estendia entre o leste da Sibéria e o Alaska.

Esta inferência foi reforçada por dados paleoecológicos que mostram que os “refúgios” em Beríngia eram mais quentes e mais hospitaleiros para a vida do que a maior parte do sul da Sibéria. O contacto limitado entre grupos em diferentes refúgios poderia explicar a estrutura genética vista nos genomas dos seus descendentes.

Já as evidências arqueológicas para este modelo são limitadas. Enquanto que há evidências abundantes de povos pré-LGM que viviam no oeste de Beríngia, há uma notável ausência de evidências arqueológicas para assentamentos contemporâneos do resto de Beríngia.

Há apenas um candidato para um sítio de ocupação humana da era LGM – Bluefish Caves no norte de Yukon. Ossos que datam de há 27.700 anos podem ter marcas humanas, embora os arqueólogos céticos contestem a descoberta.

A falta de evidências arqueológicas do centro e leste de Beríngia poderia ser porque ninguém morava lá, mas também poderia ser porque estas regiões afundaram quando o LGM terminou e o nível do mar subiu.  Também pode ser porque grandes regiões do leste da Beríngia, que hoje se encontram no Alaska e no Canadá, são pouco caracterizadas.

Esta falta de evidência levou alguns arqueólogos a preferirem a hipótese de um “povoamento rápido” das Américas por um grupo que viveu na Ásia durante o LGM, que se teria mudado para o leste de Beríngia quando os primeiros locais humanos bem documentados são encontrados: cerca de 15 mil a 14 mil anos atrás. Neste modelo, o isolamento que caracteriza esse grupo teria ocorrido na Ásia, e não na Beríngia.

O modelo “povoamento rápido” não satisfaz a maioria dos geneticistas – nem alguns arqueólogos – que observam que, geografica e ecologicamente, Beríngia é uma região muito mais plausível para o isolamento da população do que a Ásia. Os especialistas continuam a argumentar que deve ter havido uma presença humana precoce no centro ou leste de Beríngia – mas ainda não se encontrou nada.

Um novo estudo, publicado na revista Quaternary Science Reviews, pode ajudar a aproximar os registos genéticos e arqueológicos. Richard Vachula e os seus colegas analisaram os núcleos de sedimentos retirados do lago E5 no Brooks Range, na encosta norte do Alaska. Como este lago não foi congelado durante o LGM, os sedimentos são um registo das condições ambientais durante este tempo.

Os autores encontraram dois resultados significativos para entender o povoamento das Américas. Primeiro, descobriram um aumento nas partículas de carvão em sedimentos entre 32 mil e 19 mil em relação a períodos anteriores e posteriores. Essas partículas de carvão teriam sido depositadas por fogos que queimavam a poucos quilómetros do lago.

Embora os autores não consigam distinguir entre fogos criados naturalmente por raios e os programados deliberadamente, a quantidade historicamente baixa de relâmpagos nesta região e a resistência da vegetação à queima sugerem fogueiras artificiais.

Mas ainda mais significativo foi o segundo achado. Biomarcadores fecais, recuperáveis ​​do solo, permitem a identificação dos tipos de animais que estavam presentes num determinado local no passado. Devido às suas diferentes dietas, carnívoros, omnívoros e herbívoros têm perfis distintos de fezes.

A análise de biomarcadores fecais é cada vez mais usada para identificar a presença de seres humanos em locais sem artefactos ou restos. É importante ressaltar que os biomarcadores não exigiriam que uma ocupação de longo prazo fosse depositada no registo de sedimentos. Como os autores observam, “os humanos não precisam de se estabelecer dentro da bacia de um lago para serem registados os sedimentos, precisam apenas visitar e defecar regularmente”.

Vachula e colegas identificaram biomarcadores consistentes com a presença periódica de humanos nas proximidades do lago entre cerca de 31 mil e 22 mil anos atrás. Depois de há 18 mil anos, o que coincide com a maior visibilidade arqueológica da ocupação humana em todo o Alaska, os biomarcadores indicam uma presença consistente de seres humanos.

Juntamente com as evidências de aumento de fogos, esta é uma evidência circunstancial muito forte para uma presença humana precoce no leste de Beríngia de 32 mil anos atrás em todo o LGM.

ZAP // Forbes

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …