Florestas ancestrais dos Himalaias encontradas nas profundezas do oceano (e já se sabe como foram lá parar)

Os restos de florestas ancestrais foram encontradas nas profundezas do oceano, a milhares de quilómetros de distância das suas origens montanhosas. Os cientistas encontraram madeira com 19 milhões de anos nas camadas de sedimentos do fundo do Golfo de Bengala.

Investigadores liderados por Sarah Feakins, da Universidade da Califórnia do Sul, em Los Angeles, mergulharam mais de três metros, recuperando sedimentos a 800 metros abaixo do fundo do mar. Ao analisar a amostra principal, a equipa conseguiu ver que as árvores foram levadas para o oceano há milhões de anos antes de ficarem presas no chão.

Observando as lascas de madeira no núcleo, a equipa conseguiu determinar de onde as árvores tinham vindo. Na maioria dos casos, a madeira era de árvores que cresciam em planícies, perto do oceano.

No entanto, uma camada foi encontrada com madeira de árvores que teriam crescido nas montanhas dos Himalaias, cerca de três quilómetros acima do nível do mar.

No estudo, publicado em setembro na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences, a equipa defende que as árvores de uma floresta ancestral foram arrancadas por uma enorme libertação de água – potencialmente por um barragem natural criada por um glaciar ou um deslizamento de terra.

As árvores terão sido transportadas por milhares de quilómetros ao longo de uma enorme onda de água – de ciclones, monções ou inundações, por exemplo – antes de serem libertadas no chamado “ventilador de Bengala”, o maior ventilador submarino da Terra.

A equipa sugere que esta é a primeira evidência que mostra que as árvores podem ser transportadas por milhares de quilómetros, desde as montanhas até às profundezas do mar. As descoberta demonstram também o papel da madeira do ciclo de carbono da Terra – a forma como o carbono viaja da atmosfera até ao planeta e aos seus organismos e vice-versa.

O carbono armazenado nas plantas é libertado quando é consumido, deteriorado ou queimado. Como as árvores foram transportadas logo após serem arrancadas, não se decompuseram. Em vez disso, a madeira fresca foi trancada nos sedimentos do fundo do mar – potencialmente representando um meio pelo qual o carbono pode ser armazenado durante milhões de anos.

Compreender quanto carbono pode ser trancado como consequência do transporte de florestas para o oceano é importante para entender as mudanças climáticas futuras, segundo Fearkins. “Não sabíamos da existência desta floresta de árvores fragmentadas enterradas no fundo do oceano”, disse em comunicado, divulgado pelo EurekAlert. “Agora precisamos de adicionar isto à equação.”

Agora, os cientistas estão a trabalhar para entender o ciclo de carbono. Um relatório divulgado recentemente mostrou que menos de 1% do carbono total da Terra está acima da superfície – nos oceanos, na terra e na atmosfera. O resto está trancado na crosta, manto e núcleo do planeta.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Honestamente, acho o mesmo. Estou a tentar justificar a escrita, mas não vejo grande lógica. Ninguém mergulharia 3 metros para colocar uma sonda que desceria 800 metros no solo.

RESPONDER

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …

Dia da Defesa Nacional regressa ao formato presencial a 2 de setembro

O Dia da Defesa Nacional, que está suspenso desde o dia 9 de março devido à pandemia de covid-19, irá regressar ao formato presencial a 2 de setembro, anunciou o Governo esta quarta-feira. Em comunicado, o …

Norte-americano detido depois de usar fundos da covid-19 para comprar um Lamborghini

As autoridades dos Estados Unidos detiveram um empresário que comprou um carro de luxo da marca Lamborghini com dinheiro que recebeu de programas federais para ajudar os afetados pelo novo coronavírus (covid-19). A notícia é …