Físicos provam que é impossível arrefecer um objecto a zero absoluto

Os físicos Lluís Masanes e Jonathan Oppenheim, da Universidade College London, no Reino Unido, derivaram a terceira lei da termodinâmica a partir dos primeiros princípios.

Em janeiro, físicos do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA em Boulder, Colorado, conseguiram arrefecer um objecto para além do limite conhecido: menos de um quinto de um “quantum”, a energia contida num fotão. Mas uma equipa de físicos do UCL acaba de provar que atingir o zero absoluto é mesmo uma impossibilidade física.

Em 1912, o químico Walther Nernst propôs que arrefecer um objecto ao zero absoluto seria impossível com uma quantidade finita de tempo e recursos.

Hoje, essa ideia, chamada de Princípio da Inatingibilidade, é a versão mais amplamente aceite da terceira lei da termodinâmica, mas ainda não tinha sido provada a partir dos dois primeiros princípios.

Após mais de 100 anos, o resultado deste estudo finalmente coloca a terceira lei no mesmo nível que a primeira e a segunda, ambas já provadas. Para provar a terceira lei, os físicos usaram ideias da ciência da computação e da teoria da informação quântica – por exemplo, quanto trabalho e espaço é preciso para executar uma tarefa.

O estudo foi apresentado num artigo publicado na revista Nature.

“O objectivo principal da física fundamental é derivar todas as leis da Natureza, e descrever todos os fenómenos usando apenas um conjunto limitado de princípios básicos”, explicou um dos autores do estudo, Lluís Masanes, à Phys.org.

O que é preciso para arrefecer um objecto a zero absoluto — 0º Kelvin ou -273,15 °C? Os físicos mostraram que o arrefecimento de um sistema a zero absoluto exigiria uma quantidade infinita de trabalho ou um reservatório infinito.

Essa constatação está de acordo com a explicação física amplamente aceite da Inatingibilidade do zero absoluto: à medida que a temperatura se aproxima de zero, a entropia (desordem) do sistema aproxima-se de zero também – e não é possível preparar um sistema num estado de entropia zero num número de passos finitos.

O resultado levou os físicos a uma segunda pergunta: se não podemos alcançar o zero absoluto, então quão perto podemos chegar dele, com tempo e recursos finitos?

Os cientistas mostraram que temperaturas mais baixas podem ser obtidas com apenas um modesto aumento de recursos. Mas há limites. Por exemplo, um sistema não pode ser arrefecido exponencialmente rapidamente, uma vez que isso resultaria numa capacidade de calor negativo, o que é uma impossibilidade física.

Uma das melhores características dessa prova teórica é que ela se aplica não só aos grandes sistemas clássicos, com os quais a termodinâmica tradicionalmente lida, mas também a sistemas quânticos e a qualquer tipo concebível de processo de resfriamento.

Por esta razão, os resultados têm implicações generalizadas e aplicações práticas.

O arrefecimento a temperaturas muito baixas é, por exemplo, um componente-chave em muitas tecnologias, como os computadores quânticos e os sistemas de medições de alta precisão.

E entender o que é necessário para se aproximar do zero absoluto pode ajudar-nos a orientar o desenvolvimento e a optimização de futuros protocolos de arrefecimento para essas aplicações.

PARTILHAR

RESPONDER

Coreia do Norte importou milhões de dólares em bens de luxo apesar da proibição da ONU

A Coreia do Norte não pode importar bens de luxo. Mas um relatório da C4ADS - organização sem fins lucrativos que analisa conflitos e transações mundiais - concluiu que o país importou pelo menos 191 …

Texto base do inquérito à CGD aprovado. Indícios de gestão danosa ficam de fora

O Parlamento aprovou esta quarta-feira por unanimidade o projeto base do relatório da II comissão parlamentar de inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e atos de gestão, noticia o jornal Eco. Tal como …

Alemanha aprova multas até 2.500 euros para pais que não vacinem filhos contra sarampo

A decisão aprovada, esta quarta-feira, estabelece que as multas poderão chegar aos 2.500 euros e também determina a exclusão de crianças não vacinadas do direito às creches. O conselho de ministros da Alemanha aprovou, esta quarta-feira, multas …

Demissão no PS Guarda após chumbo da lista liderada pela candidata de Costa

O presidente da Federação Socialista da Guarda, Pedro Fonseca, anunciou que vai demitir-se do cargo depois de a lista de candidatos às eleições legislativas, liderada por Ana Mendes Godinho, que foi apontada por António Costa, …

EDP não quer construir barragem do Fridão porque "é um péssimo negócio", diz Matos Fernandes

O ministro do Ambiente e Transição Energética reiterou esta terça-feira que o Governo não vai devolver dinheiro à EDP, que estava destinado à construção da barragem de Fridão, referindo que foi a empresa a desistir …

Estado vai ajudar restaurantes e hotéis a pagarem cinzeiros

Os estabelecimentos comerciais que ficam obrigados a disponibilizarem cinzeiros para cumprir a Lei das Beatas que foi aprovada, podem candidatar-se a fundos públicos para financiarem a colocação destes objectos. A Lei das Beatas, que prevê multas …

Meninas paquistanesas unidas pelo crânio foram separadas com sucesso em Londres

Duas meninas paquistanesas, que nasceram unidas pela cabeça num caso raro de siamesas, foram separadas com sucesso num hospital de Londres e já tiveram alta. Nascidas em janeiro de 2017, na cidade de Charsadda, no centro …

Ex-jogadores do Atlético de Madrid suspeitos de fraude fiscal

Os ex-futebolistas do Atlético de Madrid Juanma López e Mariano Aguilar estão a ser investigados por suspeita de terem defraudado o fisco em mais de cinco milhões de euros, revelou a justiça espanhola. Juanma López, de …

Açores considerados "hope spot" para a conservação dos oceanos

O arquipélago dos Açores foi classificado como "hope spot" (local de esperança) de proteção dos oceanos pela Mission Blue Foundation Sylvia Earle Alliance, um reconhecimento que pretende fazer da conservação da região uma prioridade. O reconhecimento …

Aprovado projeto contra sacos e cuvetes de plástico para pão, fruta e legumes

A comissão parlamentar de Ambiente aprovou, esta terça-feira, um projeto de lei dos Verdes para proibir a distribuição de sacos de plástico ultraleves e cuvetes de plástico para pão, frutas e legumes no comércio. O projeto …