Finlândia desiste da experiência de rendimento básico universal

O projeto-piloto consistia em pagar a 2 mil desempregados um rendimento mensal de 560 euros, sem condições. Mas a experiência vai ficar por aqui.

O primeiro país da Europa a implementar a ideia de um rendimento básico universal (RBU) acaba de abandonar a experiência. Por mês, eram concedidos 560 euros, sem quaisquer condições, numa experiência limitada a dois anos que abrange dois mil desempregados.

A Finlândia marcou para janeiro de 2019 o fim desta experiência que, desde 2017, tem colocado na conta dois dois mil cidadãos um rendimento fixo e incondicional. No entanto, o projeto-piloto termina agora, mais cedo do que o previsto, e sem obter os resultados pretendidos.

“Dois anos é um período demasiado curto para poder extrair conclusões definitivas de uma experiência tão grande. Devíamos ter tido mais tempo e mais dinheiro para atingir resultados fiáveis”, afirma Olli Kangas, um especialista envolvido no projeto, à estação de televisão YLE, citado pelo Diário de Notícias.

O projeto contempla desempregados com idades entre os 25 e os 58 anos, não sendo, portanto, universal. A Kela, instituição de Segurança Social da Finlândia, queria estendê-lo a trabalhadores no ativo e tinha pedido entre 40 e 70 milhões de euros ao Governo, que recusou.

Em vez disso, aprovou uma reforma do sistema de benefícios sociais que o vai tornar mais apertado, que exige aos desempregados ter, no mínimo, 18 horas de trabalho ou então formações em três meses. Caso se registem incumprimentos, os beneficiários estão sujeitos à perda de benefícios.

Esta experiência completamente inovadora foi, ainda assim, aplaudida internacionalmente, mas os políticos finlandeses mostraram sempre muitas reservas em relação a este rendimento básico universal.

O objetivo principal era reduzir as burocracias, a pobreza e, consequentemente, aumentar o emprego. No entanto, a medida acabou por ser contestada com o argumento de que no rendimento mensal sem nenhuma obrigação desencoraja o esforço pessoal para procurar trabalho.

Só no início do próximo ano serão publicados os resultados desta experiência de rendimento social da Finlândia. Mas, apesar do fim desta experiência, a luta do Governo finlandês não para, continuando à procura de novas soluções nesta área.

“Quando o projeto de rendimento mínimo acabar este ano, iremos lançar um sistema experimental de crédito universal”, um sistema similar ao que está a ser implementado no Reino Unido, revelou Petteri Orpo, ministro das Finanças finlandês, ao jornal Hufvudstadsbladet.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Chegaram à conclusão que sustentar malandros não dava resultado e que por seu lado eles estavam a ficar cada vez mais preguiçosos.

    • E ainda por cima, os que têm tudo dado, costumam ser os que mais reclamam.
      Em vez de rendimento garantido, deveriam conseguir trabalhos dignos e salário justos para quem quer trabalhar. Há muito que fazer nas câmaras, e outras instituições.

  2. O erro foi não ter estendido a medida a todos os cidadãos.
    Só para desempregados, faz com que estes recebam 560 euros e se trabalharem receberem (p.ex.) 800 euros. A diferença não é atrativa para incentivar o trabalho.
    A ideia é boa mas tem de ser bem estudada e o trabalho valorizado.
    Acredito que a invasão de islâmicos sedentos dessa benesse tenha influenciado a interrupção.

  3. Isso é ignorante… Malandros?
    Você experimente ficar sem trabalho, e os seus ficarem sem trabalho. Acusar pessoas sem conhecer é ridiculo. Este tipo de comentários demonstra como a falta de empatia, compaixão, solidariedade está a matar a sociedade. Cada um só sabe de si… individualidade está a matar-nos.

  4. Só o fato de alguém ter que procurar trabalho já é humilhante, as oportunidades de trabalho é que deveriam procurar os trabalhadores. Do jeito que as coisas estão cada trabalhador torna-se um ladrão das oportunidades que um camarada seu teria de ganhar a vida honradamente.

RESPONDER

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …