Descoberto fármaco “100 vezes mais potente” contra a covid-19 (e “nasceu” das seringas-do-mar)

Scottish Government

Uma equipa internacional de investigadores descobriu um medicamento antiviral que é “100 vezes mais potente” do que o remdesivir no tratamento da covid-19. Trata-se de um fármaco usado para tratar um cancro sanguíneo, que só foi aprovado na Austrália.

O composto químico plitidepsina, fabricado em Espanha a partir de uma substância produzida por um tipo de moluscos do mar Mediterrâneo conhecidos como seringas-do-mar, foi testado por uma equipa de cientistas internacionais como possível tratamento contra a covid-19.

Os testes em laboratório, liderados pelo virologista Adolfo García-Sastre, do Hospital Monte Sinai de Nova Iorque, concluíram que o fármaco é “100 vezes mais potente” do que o Remdesivir, que foi o primeiro antiviral aprovado para tratar a covid-19 e que não é totalmente eficaz.

Estes resultados foram publicados num artigo na revista Science e a investigação contou com a participação de especialistas da Universidade da Califórnia e do Instituto Pasteur, em Paris.

A plitidepsina é usada no medicamento Aplidina, desenvolvido pela empresa espanhola Pharmamar, que trata um cancro sanguíneo conhecido por mieloma múltiplo. Contudo, até agora, o medicamento só foi aprovado na Austrália.

“Mais potente do que o remdesivir”

Ainda não foi encontrado nenhum medicamento que se tenha revelado plenamente eficaz no tratamento da covid-19. Os médicos têm usado uma combinação de vários fármacos que podem ajudar a controlar certas complicações provocadas pela infecção, mas que não tratam efectivamente a doença.

Contudo, os investigadores acreditam que a plitidepsina pode vir a ser esse tratamento que tanta falta faz.

Este medicamento sintético baseia-se numa substância produzida por uma espécie de ascídias, organismos marinhos conhecidos como seringas-do-mar, e que podem ser encontradas no Mediterrâneo, presas às rochas, a conchas ou ao fundo de navios.

O estudo agora publicado nota que a plitidepsina “possui actividade anti-viral” e que se revela “mais potente do que o remdesivir contra o SARS-CoV-2” em testes in vitro, com “toxicidade limitada nas culturas de células”.

As experiências foram feitas com células humanas em laboratório e também com ratos infectados com covid-19.

Os investigadores notam que as conclusões indicam que é “uma terapêutica promissora” candidata a tratamento da covid-19, mas que também pode ajudar a criar outros antivirais genéricos contra muitos outros patógenos.

A investigação passou por analisar 47 substâncias que poderiam interferir com a forma como as proteínas do coronavírus interagem com as proteínas humanas.

A plitidepsina foi a que melhores resultados revelou, demonstrando que “é entre 9 e 85 vezes mais eficaz” do que outros fármacos, “impedindo a multiplicação do vírus”, constatam os autores do estudo.

Os cientistas compararam os efeitos da plitidepsina com os do remdesivir em ratos infectados com covid-19 e concluíram que a primeira “reduz a replicação do vírus umas 100 vezes mais” e que ainda “combate a inflamação nas vias respiratórias”.

Não ataca o vírus, mas a proteína humana eEF1A

O medicamento “não ataca directamente o vírus, mas uma proteína humana de que este precisa para sequestrar a maquinaria biológica das células e usá-las para fazer centenas de milhares de cópias de si mesmo”, salientam os investigadores.

Assim, bloqueia a proteína humana conhecida como eEF1A, sem a qual o vírus não consegue replicar-se.

Isto significa que será também eficiente contra as novas variantes do coronavírus, já que o alvo é uma proteína humana e a genética humana muda mais devagar do que a genética do vírus.

“A investigação confirma tanto a potente actividade como o alto índice terapêutico da plitidepsina que, dado o seu mecanismo especial de acção, inibe o SARS-CoV-2 independentemente de qual seja a sua mutação“, incluindo nas estirpes britânica, sul-africana e brasileira ou noutras variantes que possam aparecer, constata o presidente da Pharmamar, José María Fernández, em declarações ao El País.

Resultados prematuros

Contudo, estamos a falar de resultados preliminares, feitos em laboratório, em ambientes controlados. São, portanto, necessários estudos clínicos em ambientes hospitalares com pacientes de covid-19, para tirar conclusões.

A Pharmamar refere que, no início da pandemia, foram feitos alguns ensaios clínicos e que se confirmou que “o medicamento reduz a carga viral em pacientes hospitalizados“, conforme cita o El País. Mas não existem dados científicos que o comprovem.

A empresa espanhola já anunciou que vai pedir autorização para fazer um ensaio clínico de fase III – que implicam o envolvimento de um elevado número de doentes de diferentes hospitais e podem demorar vários anos a completar – em pacientes hospitalizados com covid-19 em vários países.

Susana Valente Susana Valente, ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Eu conheço um medicamente 1.000 vezes superior a esse que é apenas 100 vezes superior e que cura o covid-19, chama-se: desligar a televisão.

  2. “100 vezes mais potente”?. Eu leio no artigo da Science 27,5 vezes: “Here we report that the drug plitidepsin (aplidin), which has limited clinical approval, possesses antiviral activity (IC90 = 0.88 nM) 27.5-fold more potent than remdesivir against SARS-CoV-2 in vitro, with limited toxicity in cell culture”.

    • Caro leitor,
      Obrigado pelo reparo.
      Segundo a nossa fonte (El País), “los científicos, liderados por el virólogo español Adolfo García-Sastre, del Hospital Monte Sinaí de Nueva York, explican que este fármaco es unas 100 veces más potente que el remdesivir”.
      O que o artigo da Science diz é que a nova droga é 27,5 vezes mais potente in vitro, e que testada in vivo em ratinhos mostrou ser duas ordens de grandeza — ou seja, 100 vezes — mais potente:
      “(…) 27.5-fold more potent than remdesivir against SARS-CoV-2 in vitro (…) the in vivo efficacy of plitidepsin treatment in two mouse models of SARS-CoV-2 infection with a reduction of viral replication in the lungs by two orders of magnitude”

        • Caro leitor,
          De acordo com o artigo científico, quando testado em seres vivos, no caso, ratinhos, o tratamento profilático com plitidepsina mostrou ter uma eficácia duas ordens de grandeza maior do que o tratamento com remdesivir.
          Um valor superior a outro numa ordem de grandeza é um valor 10 vezes superior. 1000 é uma ordem de grandeza superior a 100, e é duas ordens de grandeza superior a 10.
          Se tomarmos a eficácia do remdesivir como valor 1, um tratamento que seja duas ordens de grandeza mais eficaz é um tratamento 100 vezes mais eficaz.

RESPONDER

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Na Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, ao leme do comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. …

Governo aperta regras. Passageiros do Brasil ou Reino Unido têm de ter teste negativo e cumprir isolamento

Os passageiros provenientes do Brasil e do Reino Unido vão ser obrigados a apresentar um teste negativo e a cumprir 14 dias de isolamento profilático. A partir deste domingo, os passageiros provenientes do Brasil e do …

O primeiro hotel espacial mudou de nome (e deverá abrir em 2027)

Fechado em casa a sonhar com a próxima viagem? Esqueça as praias paradisíacas ou as grandes metrópoles. As férias do futuro podem vir a ser no Espaço. Tudo começou em 2019, quando a empresa californiana Gateway …

Testes rápidos esgotam na Alemanha no primeiro dia em que são postos à venda

O processo de vacinação na Alemanha continua lento. O Governo está a contar com a realização em massa de testes rápidos de antigénio para iniciar um plano de desconfinamento progressivo. As principais cadeias de supermercados …