Falta o fim dos fins. Marcelo diz que Portugal pode fazer “muito e muito mais”

Mário Cruz / Lusa

O Presidente da República, durante a tradicional mensagem de Ano Novo, a 1 de janeiro de 2022.

O Presidente da República defendeu este sábado que, em 2022, Portugal deve “consolidar o percurso para a superação da pandemia”, considerando que os meses entre janeiro e março serão o “tempo crucial” para fechar “um capítulo da história”.

Na sua tradicional mensagem de Ano Novo, proferida no Palácio de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que Portugal pode fazer “muito e muito mais” em 2022, apelando a que se consolide o “percurso para a superação da pandemia”.

“Estamos encaminhados, mas falta o fim dos fins. Janeiro a março será o tempo crucial para que o inverno ajude a fechar um capítulo da nossa história, e converta preocupações e aflições em esperanças e confianças”, afirmou.

2022 tem de ser o ano em que o país reinventa “as vidas congeladas, adiadas, trucidadas pela pandemia”, designadamente através do uso dos fundos europeus, “que são irrepetíveis”, e que devem ser aplicados “com transparência, rigor, competência e eficácia, combatendo as corrupções e os favorecimentos ilícitos”.

Marcelo Rebelo de Sousa abordou também as eleições legislativas de 30 de janeiro para defender que os portugueses terão de “decidir a Assembleia da República e o Governo para os próximos quatro anos, uma Assembleia da República e um Governo com legitimidade renovada”.

“Uma Assembleia da República que dê voz ao pluralismo de opiniões e soluções, um Governo que possa refazer, também ele, esperanças e confianças perdidas ou enfraquecidas, e garantir previsibilidade para as pessoas e para os seus projetos de vida”, afirmou.

No seu quinto discurso de Ano Novo desde que tomou posse como Presidente da República, em 2016, Marcelo Rebelo de Sousa falou sobretudo da atual situação pandémica, afirmando que é preciso o país “virar a página”.

“O ano que findou prometia ser um fim e um recomeço, mas não foi. Esboçou esse recomeço, tarde e timidamente. O ano que hoje iniciamos tem de virar a página, consolidando, decidindo, reinventando, reaproximando. Retomemos a caminhada juntos”, concluiu o Presidente da República.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.