Falta de diálogo, juventude partidária e um “sério desafio” a Costa. As moções que o Bloco leva à convenção

Nuno Fox / Lusa

A XII Convenção Nacional do Bloco, marcada para 22 e 23 de maio, vai contar com uma cinco moções e propostas para o partido – uma da atual direção do partido e quatro de movimentos alternativos.

De acordo com o jornal Público, quase todas as moções se queixam da falta de diálogo com os militantes e com o que as bases “murmuram ou gritam” e pedem mais autonomia para as concelhias.

A moção N e a moção Q defendem também a reposição da limitação dos mandatos, que, nas palavras da moção de Pereira Neto, é necessário para combater o “estalinismo encapotado”.



Em relação a acordos com outros partidos, a moção C considera que, “nos tempos que correm” o PS, enquanto partido democrático e antifascista, não é assim tão mau e pede que não se feche a porta aos acordos com socialistas, mas sem deixar de fazer oposição.

O Bloco “corre o risco de ficar acantonado” numa “cerca sanitária”, considera a moção C.

Por sua vez, a moção N argumenta que é urgente “lançar um sério desafio” a António Costa: “ou aceita um acordo (escrito e assinado) com uma clarificação das linhas vermelhas e com uma aposta decisiva no desenvolvimento; ou haverá crise política”.

“O Bloco não é o garante da estabilidade do poder instalado. Tem de ser a alternativa a ele”, atira outro grupo de militantes.

Já o movimento Convergência, na moção E, considera que a direção do BE não soube confrontar politicamente o PS antes das eleições legislativas, o que deu aos socialistas a possibilidade de “capitalizar a mensagem da estabilidade”, e falhou no compromisso traçado na última convenção de “ser força de Governo, com uma nova relação de forças”.

Por outro lado, a moção C relembra que o PS não é o maior inimigo, criticando “a ausência de um projeto político coerente” na moção apresentada pelo Movimento Convergência ― uma fação informal do Bloco de Esquerda ― na última convenção e que agora volta a apontar o dedo à direção de Catarina Martins.

“Nesta moção há gente para todos os gostos. Estalinistas, que controlam a tendência Via Esquerda, um ou outro trotskista ‘invertebrado’, ‘metralhas’, sociais-democratas apoiantes de Sampaio da Nóvoa”, exemplificou Américo Campos, representante da moção. “Em suma, refugo de vários projetos políticos fracassados”, atiram os 30 subscritores da moção C, descontentes com a oposição interna dos últimos dois anos.

A moção aponta ainda três “mossas” feitas por este movimento: no Porto, em Portalegre e nas eleições regionais da Madeira.

Os autores admitem “disponibilidade” para dialogar com outras moções e plataformas sob três condições: “mais democracia interna, mais organização e menos tendências”.

A moção C propõe também que se pondere a criação de uma juventude partidária.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Governo está a preparar contestação de providência cautelar sobre Zmar

O ministro da Administração Interna afirmou hoje que já está a ser preparada a contestação à providência cautelar que suspende a requisição civil das casas do complexo Zmar, adiantando que o Ministério não foi ainda …

Subsídio europeu de 150 euros mensais para tirar 5 milhões de crianças da pobreza severa

Arrancou nesta sexta-feira, no Porto, a Cimeira Social promovida pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia. Um momento que o ex-ministro Pedro Marques aproveita para lançar a ideia de um novo apoio social de …

Banca empresta 475 milhões para Fundo de Resolução pagar ao Novo Banco

O sindicato bancário, composto por sete bancos, vai proceder ao financiamento do Fundo de Resolução para este cumprir a injeção de capital no Novo Banco já na próxima semana. O Jornal Económico avança, esta sexta-feira, que …

China suspende "diálogo económico" com a Austrália e denuncia "mentalidade de Guerra Fria"

Esta quinta-feira, o Governo chinês anunciou a suspensão "por tempo indefinido" de todas as atividades realizadas no âmbito da iniciativa "Diálogo Económico Estratégico China-Austrália". As relações entra a China e o ocidente estão cada vez mais …

Bolsonaro diz ter tido sintomas de reinfeção. China acusa-o de "politizar" novo coronavírus

O Presidente do Brasil admitiu na quinta-feira que teve sintomas de reinfeção pelo novo coronavírus "há poucos dias" e afirmou que tomou ivermectina, fármaco sem comprovação científica contra a covid-19. As declarações de Jair Bolsonaro foram …

"É fácil despedir". PCP quer mudar regime de despedimento coletivo e extinção de postos de trabalho

O PCP vai entregar na Assembleia da República esta sexta-feira um projeto de lei que visa limitar os despedimentos coletivos e a extinção de postos de trabalho, eliminando o despedimento por inadaptação. O objetivo do partido …

Páginas ocultas do PRR revelam "reedição da troika" na reforma aos hospitais

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) prevê uma concentração das urgências da Grande Lisboa e Grande Porto, cortes nos gastos e uma gestão dos hospitais mais vigiada com imposição de objetivos financeiros. O jornal Expresso …

Já há uma explicação científica para as "dunas" do céu do Norte

Um ano depois da sua observação, as auroras de dunas, ou auroras boreais em forma de duna, já possuem confirmação e explicação científica. A aurora boreal nasce quando as partículas carregadas expelidas pelo Sol, como eletrões, …

Praia. Desporto e equipamentos de lazer vão ter regras novas

O Governo aprovou esta quinta-feira as regras de acesso e ocupação das praias durante a época balnear, com alterações em relação ao ano passado ao nível da atividade desportiva no areal e da utilização de …

Bastião trabalhista derrotado. Conservadores conseguem vitória na "muralha vermelha" britânica

Os conservadores conseguiram derrubar o domínio trabalhista do círculo de Hartlepool. Jill Mortimer venceu com mais de 50% dos votos e ajudou a reforçar a maioria de Boris Johnson, primeiro-ministro britânico. O antigo deputado trabalhista Mike …