Ex-embaixadora dos EUA na Ucrânia acusa Trump de intimidação

Jim Lo Scalzo / EPA

Marie Yovanovitch, antiga embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, denunciou esta sexta-feira a existência de uma campanha para a descredibilizar levada a cabo por Donald Trump com ajuda de ucranianos, no inquérito para a destituição do Presidente norte-americano.

Durante a segunda sessão de audições públicas no inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, Yovanovitch repetiu a tese (que já tinha defendido numa comissão privada da Câmara de Representantes) de ter sido vítima de uma campanha de desinformação por parte de Donald Trump (que levou ao seu afastamento do cargo).

A ex-embaixadora na Ucrânia disse que essa campanha contou com a colaboração de cidadãos ucranianos contratados por Rudolph Giuliani, advogado pessoal do Presidente, para a afastar do seu lugar de embaixadora.

Yovanovitch atribui essa campanha ao facto de ela ter sido uma acérrima defensora do combate contra a corrupção na Ucrânia, que teria mexido com vários interesses poderosos. “Havia ucranianos interessados na minha saída”, disse a antiga embaixadora.

De acordo com o jornal Público, a antiga embaixadora deixou duras críticas ao Presidente norte-americano, dizendo sentir-se intimidada.

O Expresso conta ainda o que Yovanovitch disse ter sentido quando ouviu a chamada telefónica entre Trump e o seu homólogo russo. “Foi um momento horrível. Fiquei pálida ao ler a transcrição, disse-me uma pessoa que estava comigo. Tive uma reação muito física”.

Segundo a transcrição da Casa Branca, o Presidente norte-americano ter-se-á referido à antiga embaixadora como “bad news” e garantido que iam “acontecer-lhe umas coisas” quando regressasse aos Estado Unidos. “Fiquei em choque”, disse Yovanovitch, “devastada por saber que o Presidente dos EUA tinha falado daquela maneira sobre um embaixador com o chefe de Estado de outro país”, disse, citada pelo semanário.

“Nem conseguia acreditar. Encarei aquelas palavras como uma ameaça”.

Durante o depoimento público na Câmara dos Representantes, conta ainda o matutino, o Partido Democrata admitiu acusar Trump de “intimidar uma testemunha”, para além das já esperadas acusações formais de suborno e obstrução da Justiça.

Trump reage no Twitter

Ao mesmo tempo que prestava o depoimento no Congresso, Yovanovitch era criticada pelo Presidente dos Estados Unidos, que na sua conta pessoal da rede social Twitter a acusava de tudo correr mal por onde a embaixadora passa.

“Em todos os lugares por onde passa correu mal. Começou mal na Somália, em que deu? A seguir na Ucrânia, onde o novo Presidente ucraniano falou mal dela no meu segundo telefonema para ele”, escreveu Trump no Twitter, referindo-se à carreira de Yovanovitch.

No Congresso, a ex-embaixadora mostrou-se também alarmada por o Departamento de Estado, a que está ligada, não a ter protegido destes ataques perpetrados pelo advogado pessoal do Presidente, dizendo que a sua instituição está “em crise”.

 O inquérito de destituição

Donald Trump é acusado de abuso de poder no exercício do cargo, por ter pressionado o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, a investigar as alegadas atividades corruptas junto de uma empresa ucraniana de um filho de Joe Biden, ex-vice-Presidente dos EUA e atual rival político do Presidente dos EUA.

Marie Yovanovitch considera que Rudolph Giuliani orquestrou uma campanha para justificar a sua remoção do cargo de embaixadora na Ucrânia, para evitar que obstaculizasse este plano paralelo à diplomacia norte-americana.

A ex-embaixadora diz-se chocada pela falta de atitude crítica do Departamento de Estado, perante este cenário. “O Departamento de Estado está a ser esvaziado, num momento complexo do cenário mundial”, denunciou a Yovanovitch.

Minutos antes do depoimento da ex-embaixadora, o representante Republicano Devin Nunes leu em voz alta um memorando divulgado pela Casa Branca, que resume a primeira conversa telefónica entre Trump e o Presidente ucraniano.

Segundo esse documento, a conversa teve lugar em abril – três meses antes do telefonema que espoletou o inquérito para destituição, em que Trump terá pedido ajuda a Zelensky para investigar a família de Joe Biden – e consta essencialmente de elogios e palavras de parabéns pela recente eleição do Presidente ucraniano.

Devin Nunes disse que este memorando prova que Donald Trump nunca quis pressionar o Presidente da Ucrânia e que nada de errado pode ser encontrado nas conversas entre os dois líderes, muito menos que justifique o inquérito para destituição.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Sangue de porco é mais proteico do que qualquer proteína do mercado (e pode ser consumido em smoothies)

Uma equipa de investigadores do departamento de ciência alimentar da Universidade de Copenhaga desenvolveu um método para extrair proteínas do sangue de porco. O resultado é um pó fino, branco, com sabor neutro e com …

Costa anuncia cinco medidas restritivas para 121 concelhos "de elevado risco" e reforços da capacidade de resposta

Após um Conselho de Ministros extraordinário que durou mais de 8 horas, o primeiro-ministro anunciou este sábado novas "medidas imediatas" de combate à pandemia de covid-19. Perante o agravamento da situação de pandemia a nível nacional, …

Escola na China transformou-se num "edifício andante" para evitar a demolição

Os residentes da cidade chinesa de Xangai que, no início deste mês, passaram pelo distrito de Huangpu podem ter encontrado uma visão incomum: um "edifício andante". De acordo com a cadeia de televisão CNN, uma escola primária …

Joke Boon, a chef holandesa que não tem olfato nem paladar

Joke Boon perdeu o paladar e o olfato quando ainda era criança, mas isso não a impediu de viver da culinária, área na qual estes requisitos são, à partida, essenciais.  "Como seria a minha vida se …

Portugal com mais 39 mortos, mais 4007 casos e recorde de internamentos graves

Portugal registou hoje 39 mortos e mais 4.007 casos de novas infeções pelo novo coronavírus, tendo alcançado um novo recorde de 286 doentes internados nos cuidados intensivos por covid-19, segundo a Direção-Geral da Saúde. Registou-se este …

Leiloada carta de Nobel antissemita a desprezar Einstein e os judeus

Uma carta escrita em 1927 pelo Prémio Nobel Philipp Lenard a um colega a reclamar das conquistas de Einstein e do suposto domínio judaico da ciência foi a leilão no Nate D. Sanders Auctions, em …

Sue, o T-rex, terá tido uma forte dor de dentes devido a uma infeção

Sue, o T-rex cujo esqueleto é um dos mais completos já descobertos até aos dias de hoje, terá sofrido uma forte dor de dentes durante a sua existência. "Dois dentes estão realmente fundidos e um terceiro …

Câmara com IA confundiu careca do bandeirinha com a bola (e arruinou o jogo de futebol)

Os adeptos da equipa de futebol escocesa Inverness Caledonian Thistle FC experimentaram uma hilariante falha tecnológica durante um jogo no fim de semana passado. De acordo com o IFLScience, o clube escocês anunciou há algumas semanas …

"Francisco Louçã fez bullying para precipitar ruptura do Bloco com o PS"

O PS acredita que foi a postura de "bullying" de Francisco Louçã que forçou o Bloco de Esquerda a precipitar uma "ruptura com o PS", conforme avança o deputado João Paulo Correia, vice-presidente da bancada …

Remdesivir: de droga milagrosa a negócio milionário com "muito, muito mau aspeto"

Apresentado como único medicamento anti-viral eficaz no combate à covid-19, foi o primeiro medicamento aprovado pela FDA, regulador farmacêutico americano, no tratamento da doença. Agora, a sua eficácia é contestada — e os negócios milionários …