Ex-embaixadora dos EUA na Ucrânia acusa Trump de intimidação

Jim Lo Scalzo / EPA

Marie Yovanovitch, antiga embaixadora dos Estados Unidos na Ucrânia, denunciou esta sexta-feira a existência de uma campanha para a descredibilizar levada a cabo por Donald Trump com ajuda de ucranianos, no inquérito para a destituição do Presidente norte-americano.

Durante a segunda sessão de audições públicas no inquérito para a destituição do Presidente dos EUA, Yovanovitch repetiu a tese (que já tinha defendido numa comissão privada da Câmara de Representantes) de ter sido vítima de uma campanha de desinformação por parte de Donald Trump (que levou ao seu afastamento do cargo).

A ex-embaixadora na Ucrânia disse que essa campanha contou com a colaboração de cidadãos ucranianos contratados por Rudolph Giuliani, advogado pessoal do Presidente, para a afastar do seu lugar de embaixadora.

Yovanovitch atribui essa campanha ao facto de ela ter sido uma acérrima defensora do combate contra a corrupção na Ucrânia, que teria mexido com vários interesses poderosos. “Havia ucranianos interessados na minha saída”, disse a antiga embaixadora.

De acordo com o jornal Público, a antiga embaixadora deixou duras críticas ao Presidente norte-americano, dizendo sentir-se intimidada.

O Expresso conta ainda o que Yovanovitch disse ter sentido quando ouviu a chamada telefónica entre Trump e o seu homólogo russo. “Foi um momento horrível. Fiquei pálida ao ler a transcrição, disse-me uma pessoa que estava comigo. Tive uma reação muito física”.

Segundo a transcrição da Casa Branca, o Presidente norte-americano ter-se-á referido à antiga embaixadora como “bad news” e garantido que iam “acontecer-lhe umas coisas” quando regressasse aos Estado Unidos. “Fiquei em choque”, disse Yovanovitch, “devastada por saber que o Presidente dos EUA tinha falado daquela maneira sobre um embaixador com o chefe de Estado de outro país”, disse, citada pelo semanário.

“Nem conseguia acreditar. Encarei aquelas palavras como uma ameaça”.

Durante o depoimento público na Câmara dos Representantes, conta ainda o matutino, o Partido Democrata admitiu acusar Trump de “intimidar uma testemunha”, para além das já esperadas acusações formais de suborno e obstrução da Justiça.

Trump reage no Twitter

Ao mesmo tempo que prestava o depoimento no Congresso, Yovanovitch era criticada pelo Presidente dos Estados Unidos, que na sua conta pessoal da rede social Twitter a acusava de tudo correr mal por onde a embaixadora passa.

“Em todos os lugares por onde passa correu mal. Começou mal na Somália, em que deu? A seguir na Ucrânia, onde o novo Presidente ucraniano falou mal dela no meu segundo telefonema para ele”, escreveu Trump no Twitter, referindo-se à carreira de Yovanovitch.

No Congresso, a ex-embaixadora mostrou-se também alarmada por o Departamento de Estado, a que está ligada, não a ter protegido destes ataques perpetrados pelo advogado pessoal do Presidente, dizendo que a sua instituição está “em crise”.

 O inquérito de destituição

Donald Trump é acusado de abuso de poder no exercício do cargo, por ter pressionado o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, a investigar as alegadas atividades corruptas junto de uma empresa ucraniana de um filho de Joe Biden, ex-vice-Presidente dos EUA e atual rival político do Presidente dos EUA.

Marie Yovanovitch considera que Rudolph Giuliani orquestrou uma campanha para justificar a sua remoção do cargo de embaixadora na Ucrânia, para evitar que obstaculizasse este plano paralelo à diplomacia norte-americana.

A ex-embaixadora diz-se chocada pela falta de atitude crítica do Departamento de Estado, perante este cenário. “O Departamento de Estado está a ser esvaziado, num momento complexo do cenário mundial”, denunciou a Yovanovitch.

Minutos antes do depoimento da ex-embaixadora, o representante Republicano Devin Nunes leu em voz alta um memorando divulgado pela Casa Branca, que resume a primeira conversa telefónica entre Trump e o Presidente ucraniano.

Segundo esse documento, a conversa teve lugar em abril – três meses antes do telefonema que espoletou o inquérito para destituição, em que Trump terá pedido ajuda a Zelensky para investigar a família de Joe Biden – e consta essencialmente de elogios e palavras de parabéns pela recente eleição do Presidente ucraniano.

Devin Nunes disse que este memorando prova que Donald Trump nunca quis pressionar o Presidente da Ucrânia e que nada de errado pode ser encontrado nas conversas entre os dois líderes, muito menos que justifique o inquérito para destituição.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …

Mundial de Clubes proíbe demonstrações públicas de afeto

Começou na passada quarta-feira, dia 11 de dezembro, em Doha, capital do Catar, o Mundial de Clubes da FIFA, prova onde estão inseridos clubes como Flamengo e Liverpool. E esta até poderia ser mais uma …

Al Gore diz ser o maior fã de Greta Thunberg

Al Gore, antigo vice-presidente de Barack Obama e autor do documentário ambiental "Uma verdade inconveniente", elogiou esta semana o trabalho desenvolvido pela ativista sueca Greta Thunberg, dizendo ser o seu maior fã. "Sou o seu …

A água é comum nos mundos extraterrestres (mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava)

A presença de água em exoplanetas é comum, mas surpreendentemente mais escassa do que se esperava, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Para chegar a …

"Encontrei a minha alma gémea". Presidente do Flamengo disposto a (quase) tudo para segurar Jesus

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, ficou encantado com Jorge Jesus logo quando o conheceu. É o que o dirigente diz numa entrevista, onde admite que encontrou a sua "alma gémea", não revelando dados sobre …

COP25: uma traição ao Acordo de Paris "e às pessoas em todo o mundo"

Organizações não governamentais ambientalistas consideraram que os projetos de resolução que a cimeira do clima da ONU tem para aprovar são "uma traição" do Acordo de Paris e dos milhões de pessoas que sofrem com …

Governo admite novo aumento extra das pensões (com a simpatia das Finanças e de olho na geringonça)

O Governo está a equacionar um novo aumento extraordinário das pensões no âmbito da preparação da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020). A medida agrada a PCP e Bloco de Esquerda e terá …

Na última noite no Porto, Óliver foi sozinho à Ponte D. Luís (e vieram-lhe as lágrimas aos olhos)

O médio espanhol Óliver Torres confessa que a sua saída do Porto foi "emotiva" e que se despediu do clube e da cidade na Ponte D. Luís, de noite e sozinho, com "as lágrimas nos …

Costa e Centeno discutiram no Conselho Europeu (e foi Centeno quem ganhou)

António Costa e Mário Centeno envolveram-se numa "discussão directa" em pleno Conselho Europeu que deixou os restantes membros do Eurogrupo perplexos. Em causa esteve o primeiro orçamento da Zona Euro, com o primeiro-ministro de Portugal …