Ex-diretor de risco do BES defende que departamento “não tem que impor travões” (mas tem de reportar)

Manuel de Almeida / Lusa

Na audição na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, o antigo diretor de risco do Banco Espírito Santo (BES) Carlos Calvário disse que este departamento “não tem que impor travões” ao crédito, mas sim reportá-los à administração.

“O diretor do departamento de risco global não tem que impor travões”, mas sim “que os reportar, que os indicar, mas não tem direito de veto”, respondeu Carlos Calvário ao deputado socialista Miguel Matos.

Carlos Calvário disse que era a sua função, “efetivamente, reportá-los, indicá-los”, acrescentando que “certamente” terá “expressado, provavelmente, nalgum sítio” as suas preocupações.

“O departamento de risco global podia e devia emitir ratings e pareceres sobre as operações que lhe eram colocadas, e sobre essas emitia a sua opinião sem ser alguma vez pressionado ou limitado nas suas funções”, disse. No entanto, “a decisão de concessão de créditos pertencia ao comité financeiro e de crédito, à comissão executiva e ao conselho de administração“, disse.

O antigo responsável do BES adiantou ainda “havia um comité de riscos mensal em que todas essas questões eram analisadas”, em sessões “muito abertas” com “30 ou 40 pessoas presentes”.

Questionado pelo deputado socialista se alguma vez comunicou aos seus superiores José Maria Ricciardi ou Ricardo Salgado o “excesso de riscos ou atribuições de crédito ‘à Lagardère’”, Carlos Calvário remeteu para os registos oficiais.

“Se constavam dos mapas dos grandes riscos, se eram reportados pelo Banco de Portugal, se eram analisados no comité de risco, se todas as operações a partir de certo montante ou com ausência de rating eram aprovadas em conselho financeiro de crédito com a presença da administração ou ratificadas em comissão executiva”, com todos os membros, mensalmente, “eu creio que a resposta estará dada”, referiu Carlos Calvário, afirmando a comunicação dos riscos.

Anteriormente, o deputado da Iniciativa Liberal João Cotrim Figueiredo já tinha questionado se tinha sido evidente que havia “ativos que não estavam contabilizados” na relação do banco com a Espírito Santo International (ESI).

“Surgiu eventualmente a possibilidade que, para além da dívida, efetivamente não reconhecida, que pudesse haver outros ativos não reconhecidos”, admitiu, tendo tido conhecimento disso e comunicado a discrepância na identificação de dívida à sua administração, bem como ao Banco de Portugal (BdP) e aos auditores PwC e KPMG.

O colapso do BES levou à criação do Novo Banco como banco de transição. Desde a sua criação, o Novo Banco já recebeu mais de seis mil milhões de euros em empréstimos dos contribuintes. O banco foi vendido à Lone Star em outubro de 2017 e tem um acordo que prevê injeções de capital anuais por parte do Fundo de Resolução, com recurso a empréstimos do Estado, para cobrir eventuais perdas com ativos herdados do BES.

ZAP ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Eventual criação do indicador "incidência vizinha" pode influenciar planos do Governo

Esta terça-feira, na reunião no Infarmed, o matemático Óscar Felgueiras defendeu a criação de um novo indicador, "incidência vizinha", que teria como vantagens sinalizar risco associado à proximidade de zonas mais críticas e evitar a …

Relatório secreto de Costa Pinto defende que Banco de Portugal podia ter feito mais no BES

O "Relatório Costa Pinto" argumenta que o Banco de Portugal tinha conhecimento dos problemas do BES e tinha poderes para fazer mais, melhor e mais cedo. O "Relatório Costa Pinto" tem vindo a ser negado ao …

Lopetegui viu Corona em Sevilha e pode avançar com proposta

Julen Lopetegui, treinador do Sevilha, está atento a Tecatito Corona. O extremo portista mostrou-se em bom plano frente ao Chelsea. O antigo treinador dos 'dragões' Julen Lopetegui, atualmente no comando técnico do Sevilha, esteve esta terça-feira …

Sob o mote da "prudência", especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Oposição quer redução de portagens. Governo responde com cortes ou aumento de impostos

O Governo disse hoje que a redução de portagens nas ex-SCUT "é legal e constitucional", defendendo que a Assembleia da República deve ajudar a encontrar a compensação para encargos de até 149 milhões de euros …

Bispo do século XVII foi enterrado com um feto. Cientistas já sabem porquê

Cientistas já sabem porque é que foi encontrado o cadáver de um feto junto dos restos mortais de um antigo bispo de Lund, na Suécia. Peder Pedersen Winstrup foi um bispo de Lund, cidade na atual …

Detenção da autarca de Vila Real de Santo António surpreende PSD. Deputado do PS suspeito no negócio

Esta terça-feira, a presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Conceição Cabrita, foi detida por suspeitas do crime de corrupção num negócio de imobiliário em Monte Gordo.  Fonte da direção do PSD disse, …

Atraso com vacina da Johnson não altera metas do plano de vacinação

O anúncio desta terça-feira do atraso da distribuição da vacina da Johnson & Johnson na Europa não vai afetar o plano de vacinação em Portugal, garantiu a task force. Mais um contratempo para o processo de …

Descoberta de bactérias comedoras de metano numa árvore comum pode ser boa notícia

A descoberta de bactérias que "comem" metano numa árvore australiana comum pode ser uma boa notícia no desafio de reduzir a emissão de gases com efeito de estufa. As árvores são os pulmões da Terra, uma …

Rio diz ser "desejável" que PSD Madeira e Açores excluam Chega de coligações

Em Portugal Continental, o PSD não aceita coligações com o Chega para as próximas autárquicas, sublinhou Rui Rio, que deseja que o mesmo princípio seja seguido nas Regiões Autónoma. Esta terça-feira, Rui Rio reiterou que …