Eventual “discriminação” na retoma de voos do Reino Unido “não faz sentido”, afirma Governo

Rodrigo Antunes / Lusa

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira

Governo defende que o Reino Unido não pode ter em conta apenas o aumento diário dos casos de contágio, mas também outros indicadores, como o nível de contágio na população e o nível de óbitos.

O ministro da Economia disse esta segunda-feira que “não faz sentido uma discriminação” de Portugal na retoma de voos do Reino Unido com base no aumento de casos de Covid-19 na região de Lisboa.

“Continuamos em discussões com as autoridades britânicas no sentido de explicarmos que Portugal, no seu conjunto todo e uma parte dos destinos dentro do país, como o Algarve e o norte do país, são destinos seguros e, portanto, não faz sentido termos uma discriminação nestes termos”, disse aos jornalistas o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, à margem da conferência “Sinais Vitais – Aceleração Rumo ao Futuro”, no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Em causa está uma lista que o Governo britânico divulga esta segunda-feira, com os países que serão incluídos nos primeiros “corredores aéreos” com o Reino Unido a partir do início de julho, havendo ainda dúvidas quanto à inclusão de Portugal.

O Governo britânico está a avaliar a criação de “corredores de viagem” com uma série de destinos para que os britânicos possam ir de férias sem precisar de cumprir a quarentena de 14 dias no seu regresso ao Reino Unido atualmente em vigor.

“Portugal continuou hoje a ter uma taxa de letalidade muito inferior à do Reino Unido, continuamos a ter uma grande resposta dos nossos serviços de saúde, nós começámos a desconfinar muito antes do Reino Unido e de outros países, já levamos quase dois meses de desconfinamento, sem que o nível de crescimento dos internamentos ou das unidades de cuidados de saúde se tenha alterado”, defendeu o governante.

Para Pedro Siza Vieira, não se pode apenas olhar para o aumento diário dos casos de contágio, “que é o critério que muitos países europeus tiveram conveniência em adotar”, mas devem ser consideradas também outros indicadores, como o nível de contágio na população, o nível de óbitos, o nível de internamentos e a capacidade de resposta dos serviços de saúde.

“Nesse aspeto, Portugal compara muito bem e, sobretudo nas regiões como o Algarve, como o norte, não tem sentido serem discriminadas relativamente a outros destinos dentro da Europa, que têm níveis de incidência que já são maiores”, sublinhou.

O ministro da Economia referiu, ainda, que, “felizmente” há outros mercados importantes para Portugal, designadamente o alemão, com “um outro tipo de abordagem e de aproximação a este problema”.

De acordo com a edição de quinta-feira do Daily Telegraph, o Governo britânico está a delinear um plano com três etapas, a primeira das quais prevê acordos com destinos de férias populares na Europa, incluindo França, Itália, Espanha, Grécia e Alemanha.

Porém, adianta o jornal, estes países de “baixo risco” não deverão incluir Portugal devido ao aumento de casos de coronavírus nos últimos dias na região de Lisboa e sul do país.

O jornal The Sun coloca Portugal em dúvida, mas o Daily Mail refere que “é provável que seja incluído na lista de destinos, apesar de preocupações com surtos” no país.

Segundo a imprensa britânica, numa segunda fase, a partir de agosto, seriam adicionados destinos de médio curso, como Turquia, Marrocos, além de ilhas francesas da Reunião no Oceano Índico, algumas ilhas das Caraíbas e Dubai.

No final do verão serão incluídos países que implicam voos de longo curso, como Vietname, Singapura, Hong Kong ou Canadá, embora as listas de nomes variem.

O ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps, afirmou na quarta-feira que a lista de países com os primeiros “corredores” será revelada hoje, quando está prevista a primeira revisão desde que entrou em prática a quarentena, introduzida há três semanas para tentar travar a pandemia de Covid-19.

Desde 8 de junho que todas as pessoas que chegam do estrangeiro ao Reino Unido, incluindo britânicos, são obrigadas a permanecer em isolamento durante 14 dias para reduzir a probabilidade de contágio.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Itália admite segunda vaga e defende restrições a viagens

Itália abriu esta terça-feira fronteiras aos viajantes de países que não integram o espaço europeu de livre circulação Schengen, mas com restrições. O ministro da Saúde de Itália afirmou, esta quinta-feira, não poder afastar uma segunda …

Menos férias e mais dias de aulas para quem não tem exames no próximo ano letivo

O próximo ano letivo vai ter menos dias de férias e mais dias de aulas para os alunos que não tenham exames. Os alunos terão aulas presenciais e aulas à distância. O ministro da Educação, Tiago …

FC Porto revela camisola para a próxima época (e as opiniões dividem-se)

O FC Porto revelou a camisola oficial do clube para a próxima temporada. Pelas redes sociais, as opiniões dividem-se, havendo quem não esteja satisfeito com a mudança. Os adeptos portistas acordaram esta sexta-feira com a imagem …

Veto da Índia ao TikTok pode custar mais de 5 mil milhões de euros à ByteDance

O executivo indiano anunciou o bloqueio de 59 aplicações móveis chinesas, assegurando que as aplicações roubam dados dos utilizadores e partilham informações com o governo chinês. O grupo chinês de tecnologia ByteDance, que desenvolveu o TikTok, …

Covid-19. “Exemplo de Portugal mostra muito claramente como a situação é frágil”

A comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, considerou que a situação pandémica é ainda "frágil", dando o exemplo da evolução da covid-19 em Portugal para sustentar que é necessário continuarmos vigilantes. “Penso que o exemplo de …

Catarina Martins diz que há neste momento um acordo entre PS e PSD

A líder do BE, Catarina Martins, considerou hoje que "o Orçamento Suplementar não é uma primeira parte do Orçamento do Estado", mas avisou que o que está a acontecer neste momento no país "é um …

Quase 40% dos restaurantes tenciona avançar para insolvência

Quase 40% das empresas de restauração e bebidas e 18% do alojamento turístico tencionam avançar para insolvência. Os números são resultado de um inquérito mensal da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) esta …

Cientistas ingleses acreditam que um número significativo da população tem imunidade natural ao coronavírus

Cientistas ingleses que estão a desenvolver uma vacina para a covid-19 acreditam que um largo número de pessoas pode ter imunidade natural contra o novo coronavírus, mesmo que nunca tenha sido infetado. Ao Telegraph, citado esta …

Bruxelas autoriza tratamentos com Remdesivir na UE

A Comissão Europeia deu esta sexta-feira “luz verde” à comercialização do antiviral Remdesivir, que se torna assim o primeiro medicamento autorizado ao nível da União Europeia para tratamento da Covid-19. A autorização do executivo comunitário, concedida …

Devolução dos manuais escolares será mesmo suspensa

O plenário da Assembleia da República validou hoje a votação da Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no âmbito da especialidade do Orçamento Suplementar, que aprovava a proposta do CDS para o fim da devolução …