Eventos climáticos extremos são uma das grandes ameaças à humanidade. Mas existem mais quatro

Marcelo Camargo / ABr

Eventos climáticos extremos, perda de biodiversidade e colapso dos ecossistemas, crises alimentares e de água, e falha na adaptação às alterações climáticas são as cinco maiores ameaças à humanidade, segundo mais de duas centenas de cientistas.

O balanço faz parte de um estudo divulgado na quinta-feira que envolveu a colaboração de 222 cientistas de 52 países, no qual avisam que a maior ameaça à humanidade é o potencial do efeito “bola de neve” dos cinco riscos relacionados e “altamente prováveis”, noticiou a agência Lusa.

Conduzido pela Future Earth – rede internacional de investigação em sustentabilidade -, o estudo identifica esses cinco riscos como os mais graves em termos de impactos. Quatro deles (alterações climáticas, fenómenos meteorológicos extremos, perda de biodiversidade e falta de água) foram considerados pelos cientistas como os mais prováveis de acontecer.

Líderes políticos e empresariais mundiais já tinham apontado os mesmos riscos para a humanidade, num inquérito divulgado em janeiro pelo Fórum Económico Mundial. Mas agora um terço dos cientistas ouvidos para este trabalho alertou para a ameaça que resulta da interação entre os cinco riscos, com as crises globais a agravarem-se umas às outras de tal maneira que podem criar um “colapso sistémico global”.

Ondas de calor extremas podem, por exemplo, acelerar o aquecimento global, libertando grandes quantidades de carbono armazenado pelos ecossistemas afetados e, ao mesmo tempo, intensificar crises de água ou escassez de alimentos.

A perda de biodiversidade enfraquece a capacidade dos sistemas naturais e agrícolas em lidar com extremos climáticos, aumentando a vulnerabilidade a crises alimentares, exemplificam também os cientistas.

(CC0/PD) _Marion / pixabay

Seca no deserto resultante do aquecimento global climático das alterações do clima

Do total de cientistas ouvidos 173 falaram ainda de riscos adicionais (além de uma lista de 30) merecedores de uma atenção global maior, como é o caso da erosão da confiança e dos valores sociais, da deterioração da infraestrutura social, da crescente desigualdade, do nacionalismo político crescente, da sobrepopulação e do declínio da saúde mental.

“Como consultores científicos para este inquérito pedimos aos académicos, líderes empresariais e formuladores de políticas do mundo que prestem atenção urgente a esses cinco riscos globais e garantam que eles sejam tratados como sistemas em interação, em vez de serem abordados um de cada vez de forma isolada”, disseram os especialistas.

No documento, resumiram as mais recentes pesquisas sobre o estado do planeta e salientaram que os problemas ambientais atuais são uma mistura de mudanças físicas químicas, biológicas e sociais.

“Tentar perceber como é que os nossos impactos numa área, como a extração em rios, afeta outra, como a provisão de alimentos, é uma tarefa complexa”, lê-se no relatório.

O documento destacou ainda questões como a ascensão e impacto do populismo – ligado à negação das alterações climáticas -, as notícias falsas, o aumento do risco financeiro devido às alterações climáticas e os impactos nas migrações, mas aborda também a ciência ecológica, os mecanismos financeiros verdes e as mudanças na sociedade a favor de estruturas mais sustentáveis.

“As nossas ações na próxima década determinarão o nosso futuro coletivo na Terra”, referiu a diretora executiva da Future Earth, Amy Luers, citada no documento.

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberto primeiro animal que não precisa de oxigénio para viver

Respirar oxigénio é uma característica fundamental dos animais multicelulares, mas os cientistas acabam de descobrir, pelo menos, um que não precisa de o fazer para sobreviver. É muito provável que tenha aprendido que todos os organismos …

"Marte está vivo". Sonda InSight regista mais de 170 eventos sísmicos no Planeta Vermelho

Resultados dos primeiros dez meses de exploração da sonda InSight da NASA revelaram que o Planeta Vermelho é um mundo com atividade sísmica ativa. "Marte está vivo e a cada diz que passa começo a ter …

Um planeta pode ter sido "roubado" do Sistema Solar

Uma nova análise de astrónomos da Universidade Stony Brook, em Nova Iorque, revelou que as estrelas "roubam" planetas umas às outras - e isso também poderá ter acontecido no nosso próprio Sistema Solar. Quase tudo o …

Netflix passa a mostrar "top 10" diário de séries e filmes

A Netflix disponibiliza, desde esta segunda-feira (24), uma nova feature para os utilizadores do serviço de streaming: uma lista com os 10 filmes e as 10 séries mais vistas no país em cada dia. Esta nova …

A Realidade Virtual pode ser a próxima terapia para tratar pânico, fobias e distúrbios

A Oxford VR, empresa britânica de realidade virtual, acaba de acumular mais de 13 milhões de euros para investir na terapia com a tecnologia do futuro. A companhia surgiu a partir do departamento de psiquiatria da …

Apple não deixa que vilões de filmes usem iPhones

A Apple não deixa que os vilões dos filmes de Hollywood usem os telemóveis iPhone no grande ecrã. Esta é apenas uma das empresas que não permite este tipo de coisa. Os filmes podem ter uma …

O coronavírus pode ser a "doença X" temida pelos especialistas

O coronavírus, que já matou 2.700 pessoas e infetou mais de 80 mil desde dezembro, está a tornar-se "rapidamente" no primeiro grande desafio pandémico do mundo, enquadrando-se nos moldes da "doença X" temida por especialistas. O …

Media Capital passou de lucros a prejuízos de 54,7 milhões

A Media Capital registou prejuízos de 54,7 milhões de euros no ano passado, contra lucros de 21,6 milhões de euros um ano antes, anunciou hoje a dona da TVI, que está em processo de compra …

Camas na classe económica dos aviões podem vir a tornar-se uma realidade

A companhia aérea neozelandesa Air New Zealand está a pensar incluir camas na classe económica de alguns dos seus voos mais longos. A ideia deverá avançar dentro de um ano. A companhia aérea neozelandesa Air New …

Temperatura do planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões de anos

A temperatura no planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões a cinco milhões de anos, caso a humanidade consiga estancar as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, diz a especialista …