Europeias: maior votação em 20 anos. PPE e socialistas juntos sem maioria

Olivier Hoslet / Lusa

A taxa de participação nas eleições europeias, realizadas entre quinta-feira e hoje nos 28  Estados-membros da União Europeia, fixou-se nos 50,5%, a mais elevada dos últimos 20 anos e oito pontos acima do anterior sufrágio.

Segundo os dados oficiais, anunciados na noite deste domingo pelo porta-voz do Parlamento Europeu, Jaume Duch, a taxa de participação nas eleições europeias deste ano ultrapassa a barreira simbólica dos 50% e é cerca de oito pontos superior à votação de cinco anos, de 42,6%.

“Este é o aumento da afluência às urnas mais significativo desde as primeiras eleições para o Parlamento Europeu, em 1979”, sublinhou Duch. As eleições registaram em 2014 a sua pior taxa, com 42,6%. Desde as primeiras votações em 1979, com uma participação de 62%, a afluência caiu progressivamente e desde 1999 que estava abaixo dos 50%.

A descida da abstenção nas Eleições Europeias deste domingo contraria o resultado registado em Portugal, onde a abstenção se cifrou em 66%.

PPE e Socialistas juntos sem maioria

Após o apuramento dos resultados nos 28 países da União Europeia, divulgados pelo Parlamento Europeu, confirma-se a queda das famílias políticas ‘tradicionais’.

Apesar de perder 39 lugares no hemiciclo, o Partido Popular Europeu, com 178 eleitos, mantém-se como a principal força política no Parlamento Europeu. Os socialistas europeus, que perderam 35 deputados em relação às últimas eleições, terão 152 mandatos — o que significa que as duas maiores famílias do PE juntas não chegam à maioria.

A Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE) torna-se, de forma destacada, na terceira força política no PE, com 108 eurodeputados, um crescimento de 40 eurodeputados, enquanto os Verdes europeus ganham 15 assentos, para ser o quarto grupo político, com um total de 67 representantes.

Os partidos de extrema-direita elegeram, no seu conjunto, 57 dos 750 deputados do Parlamento Europeu — uma subida de quase 100% em relação aos 29 eleitos há 4 anos.

A subida dos partidos de extrema-direita, em particular no Reino Unido, Itália e França, é contrabalançada por uma acentuada subida dos partidos Verdes em vários países, o que aponta para uma abrangente maioria de deputados pró-UE na nova legislatura.

Macron treme, Merkl ganha

Em França, o Agrupamento Nacional, de Marine le Pen, recolheu 23,2% dos votos, segundo as previsões, enquanto a coligação A República em Marcha, do presidente francês Emmanuel Macron, obteve o segundo lugar, com 22,4%.

Apesar do segundo lugar nestas eleições, o número de deputados eleitos deverá permitir a Macron ter um papel decisivo na coligação progressista no Parlamento Europeu.

Na Alemanha, a CDU – União Democrática-Cristã, da chanceler Angela Merkel, obteve 28% dos votos – uma vitória que lhe dá a maioria dos eleitos, apesar de uma queda de oito pontos em comparação com os resultados de 2014. Os Verdes, por outro lado, duplicaram a sua votação ficando em segundo lugar com 20%.

O partido Social-Democrata alemão, SPD, perdeu 12 pontos, obtendo 15,5% dos votos. O partido de extrema direita e anti-imigração Alternativa para a Alemanha, AfD, subiu 3,5 pontos, conquistando 10,8% do eleitorado.

Na Áustria, o partido conservador do chanceler Sebastian Kurz, OVP, venceu com 34,5%, registando um aumento de 7,5 pontos em relação a 2014. Os seus antigos parceiros de coligação, FPO, desceram dois pontos percentuais, recolhendo 17,5% dos votos.

PSOE ganha em Espanha

Os resultados das eleições europeias em Espanha apontam para uma vitória do PSOE, do primeiro-ministro Pedro Sánchez, com 32,82% dos votos, que obtém 20 do total de 54 eurodeputados que o país elege.

Na segunda posição, surge o Partido Popular, com 20,12% e 12 eurodeputados, seguido do o Ciudadanos, de direita liberal, com 12,23% e sete representantes. A coligação de Podemos (extrema-esquerda) e Esquerda Unida (comunistas) regista uma queda para os 10% dos votos e 6 representantes.

Farage e Salvini voltam a vencer

O recém-criado Brexit Party, de Nigel Farage, ganhou as europeias no Reino Unido, com mais de 31% dos votos. A grande surpresa da noite foi o segundo lugar por parte dos Liberais Democratas de Sir Vince Cable, antigo secretário de estado do Comércio e Indústria no governo de coligação de Cameron com 18,9% dos votos.

O Partido Conservador da primeira-ministra Theresa May, com apenas 12% dos votos, registou uma derrota histórica, juntando-se aos Trabalhistas como os grandes derrotados destas europeias.

Em Itália, o partido nacionalista e de extrema-direita Liga Norte, do vice-primeiro-ministro Matteo Salvini, foi o mais votado, com pouco menos de 30% dos votos, deixando para trás o parceiro no governo, Movimento 5 Estrelas, ultrapassado também pelo Partido Democrático, de centro-esquerda, que obteve o segundo lugar, com 22% dos votos.

O Forza Italia, do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, obteve 10% dos voto.

Derrota pesada para Tsipras

Na Grécia, o partido conservador Nova Democracia venceu com 33,2%, batendo o Syriza, do primeiro-ministro Alexis Tsipras, que registou 24%. Após a pesada derrota, Tsipras, cujo mandato em condições normais terminaria em outubro, anunciou que vai marcar eleições antecipadas.

Na Hungria, país que tem mantido conflitos institucionais com a União Europeia, o partido Fidesz, do primeiro-ministro ultranacionalista Viktor Orban, teve 56% dos votos.

O Direito e Justiça, PiS, partido no poder na Polónia, conseguiu a vitória frente a uma aliança de partidos da oposição. Os conservadores recolheram o apoio de 42,4% dos eleitores e obtendo 24 dos assentos no parlamento europeu, contra os 39% da Coligação Europeia, que obteve 22 assento.

ZAP // Lusa / RFI

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Olhando para a realidade portuguesa:
    Numa campanha em que se discutiu zero acerca da Europa; numa campanha marcada pelo ataque pessoal; numa campanha que esclareceu zero, esperavam o quê?

    Olhando para o contexto europeu:
    1 – O brexit paralisou a Europa;
    2 – Europa que nunca se definiu: se é federal, confederal, ou outra coisa qualquer;
    3 – O alargamento a Leste,no tempo e condições em que o foi, representa um erro crasso;
    4 – Os problemas do défice de comunicação e défice democrático mantêm-se em larga medida e agravaram-se até nos últimos anos em face da crise económica primeiro, da crise das miagrações depois, e do brexit mais recentemente.
    Neste contexto, esperam o quê?

  2. O valor da abstenção em Portugal está falseado! Se nós somos menos de 10 M, como podem existir 10,7 M de eleitores? OK, os emigrantes também contam, mas mesmo assim desconfio que temos muitos eleitores com mais de 120 anos! Fui votar às 15h00 e a urna estava bem cheia (aliás, tive dificuldade em colocar o meu voto)! E maior parte das pessoas com quem falo foram votar! Claro que os ignorantes e os estúpidos não foram votar (preferem queixar-se do que correr com os políticos corruptos) mas talvez até seja melhor assim. Para quê dar voz a pessoas que não sabem o que é viver em demcracia?

RESPONDER

200 milhões de euros. Mais de seis mil investidores compraram obrigações da TAP

Mais de seis mil investidores subscreveram as obrigações da TAP, uma operação no valor de 200 milhões de euros, em que a procura superou a oferta em 1,55 vezes. No segmento geral a procura atingiu 162,5 …

Piloto do avião desaparecido da Malaysia Airlines terá cortado o oxigénio

Já lá vão mais de cinco anos desde o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines, que continua um mistério até hoje. Agora, acredita-se que o piloto terá cortado o oxigénio no avião. A noite de …

Sergio Moro diz que sai do Governo caso se provem irregularidades

O ministro da Justiça brasileiro reiterou a sua inocência no Senado, esta quarta-feira, mas afirmou que deixa o cargo caso se provem irregularidades nas mensagens trocadas com procuradores da Operação Lava Jato. "Estou absolutamente convicto das …

Nuvens brilhantes invadiram o céu de Espanha. Foi um "espetáculo quase inédito"

Este fim de semana, as nuvens noctilucentes (que em latim significa “brilho noturno”) ou nuvens mesosféricas polares foram vistas em Espanha. Surgem antes do amanhecer ou depois do pôr do sol, a sua cor varia normalmente …

Luís Enrique deixa comando da seleção espanhola (e já tem substituto)

Luis Enrique foi obrigado a abandonar o cargo de selecionador espanhol devido a um problema familiar que se arrasta desde março. “As razões que me impediram, desde março, de exercer normalmente as minhas funções de treinador …

Urso polar localizado em cidade russa longe do habitat natural

Um urso polar emagrecido foi visto numa cidade industrial da Sibéria, afastado para sul dos seus territórios de caça. As entidades de emergência da cidade de Norilsk, no Ártico Russo, alertaram na terça-feira os residentes locais …

Teixeira dos Santos não se arrepende de ter nomeado Vara e Santos Ferreira

O ex-ministro das Finanças disse, esta quarta-feira, no Parlamento que não tem "razões para se arrepender" de ter nomeado Armando Vara e Carlos Santos Ferreira para a administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "Até este …

Rio disponível para acordo com PS na Lei de Bases da Saúde

O presidente do PSD considera haver margem para um acordo com o PS para uma nova Lei de Bases da Saúde, estando os sociais-democratas a identificar as propostas que considera essenciais, nas quais inclui as …

Boris Johnson soma e segue. Rory Stewart eliminado

O ministro para o Desenvolvimento Internacional, foi eliminado, esta quarta-feira, da eleição interna para a sucessão de Theresa May no partido conservador e para assumir o cargo de primeiro-ministro britânico, restando assim quatro dos dez …

Homem detido por suspeitas de envolvimento na morte de Emiliano Sala

Um homem de 64 anos, de North Yorkshire, no Reino Unido, foi detido esta quarta-feira por alegado envolvimento na morte do futebolista Emiliano Sala. A polícia de Dorset anunciou, esta tarde, a detenção de um homem …