Europa e Rússia planeiam missão conjunta para colonizar a Lua

ESA

Esta missão será a primeira de uma série para preparar o regresso de humanos à Lua

Esta missão será a primeira de uma série para preparar o regresso de humanos à Lua

As agências espaciais da Rússia e da Europa vão enviar um módulo espacial para o pólo sul da Lua, naquela que será a primeira de uma série de missões para preparar o regresso dos humanos à superfície lunar e a criação de uma colónia permanente no satélite.

A nave espacial avaliará se existe água, além de materiais brutos para produzir combustível e oxigénio.

A BBC obteve pormenores exclusivos da missão, chamada Luna 27, que tem previsão de lançamento para daqui a cinco anos e fará parte de uma série de missões lideradas pela agência espacial russa, a Roscosmos, para regressar à Lua.

Estas missões retomam o programa de exploração lunar que foi interrompido pela antiga União Soviética (URSS) em meados dos anos 70, segundo Igor Mitrofanov, do Instituto de Investigação Espacial, em Moscovo, um dos cientistas-chefes da iniciativa.

“Precisamos voltar à Lua. O século XXI será o século em que criaremos um posto avançado da civilização humana, e o nosso país tem de participar neste processo”, afirmou à BBC.

Cooperação internacional

Mas, ao contrário do que aconteceu nos anos 60 e 70, quando a URSS competia com os Estados Unidos e outras nações, “será necessária uma cooperação internacional”, segundo Mitrofanov.

Bérengère Houdou, líder em exploração lunar do Centro de Tecnologia e Investigação Espacial da agência espacial europeia, tem uma estratégia semelhante.

“Temos a ambição de levar astronautas europeus à Lua. Há discussões em curso a nível internacional para que haja uma cooperação para este regresso de humanos ao satélite”, afirma Houdou.

Uma das primeiras coisas que o novo diretor da Agência Espacial Europeia (ESA), Johann-Dietrich Wörner, fez ao assumir o cargo foi declarar que deseja ter parceiros internacionais para construir uma base no lado mais distante da Lua.

As missões iniciais serão feitas com robôs. A Luna 27 pousará à beira da bacia Aitken, no pólo sul do satélite. Essa região tem áreas que nunca são iluminadas pelo Sol, alguns dos locais mais frios do Sistema Solar. Portanto, poderiam abrigar água em forma de gelo e outros químicos que ficam protegidos do calor dos raios solares.

“Ficção científica”

David Shukman, editor de ciência da BBC, descreve que, na época das missões Apollo, parecia ser “quase inevitável” que viagens à Lua seriam seguidas pelo estabelecimento de uma presença permanente, mas a ideia de uma colónia lunar logo provou ser uma “fantasia de ficção científica”.

“Os EUA conseguiram superar a URSS, mas a um custo muito alto. Depois de 12 astronautas pisarem na Lua, o governo norte-americano e os seus cidadãos deram o objetivo de explorar a Lua como cumprido, e as três missões Apollo finais foram canceladas”, diz Shukman.

“Durante algum tempo, perdemos o interesse no nosso vizinho mais próximo, mas nos últimos anos uma série de descobertas sobre a poeira lunar indicou que o satélite pode ter água e outros minerais. Agora, uma série de novas missões está em curso”.

Shukman diz que a China parece estar especialmente interessada nestas missões, planeando realizar lançamentos de naves espaciais robóticas para preparar o terreno para viagem tripuladas por humanos daqui a cerca de 20 anos.

“Provavelmente, os próximos robôs a pousarem a Lua serão chineses. Um dos principais cientistas espaciais do país disse-se que já imagina a abertura de minas lunares para extrair recursos valiosos”, afirma.

“Ao longo de toda a história, a humanidade viu a Lua de formas diferentes. Nos anos 60 foi o cenário da rivalidade da Guerra Fria, mas agora é visto como um posto avançado para viagens espaciais mais longas e como uma rocha à espera de perfurações”.

ESA

-

Frio extremo

Segundo James Carpenter, cientista-chefe da ESA no projeto, um dos principais objetivos é investigar o uso de água como um recurso em potencial no futuro e descobrir o que ela pode indicar sobre a origem da vida no Sistema Solar.

“O pólo sul da Lua é diferente de qualquer lugar onde já estivemos”, diz Carpenter. “Por causa do frio extremo, podemos vir a encontrar na sua superfície uma grande quantidade de gelo e outros componentes químicos que poderíamos usar como combustível para foguetes ou em sistemas de apoio à vida em missões humanas nestes locais no futuro”.

Mitrofanov considera haver benefícios científicos e comerciais para o estabelecimento de uma presença permanente de humanos na superfície lunar.

“Poderá servir para observações astronómicas, o uso de minerais e outros recursos lunares e para criar um posto avançado que pode ser visitado por astronautas que trabalharão em conjunto em testes para uma futura viagem a Marte”.

A ESA e empresas parceiras estão a desenvolver um novo tipo de sistema de poiso para escolher as áreas de aterragem com maior precisão do que as usadas nas missões dos anos 60 e 70.

Este sistema recorre a câmaras para navegar e a um guia a laser para avaliar o terreno na aproximação da superfície e decidir pelos próprios meios se o local é seguro ou não para a aterragem, ou se será necessário procurar um ponto melhor.

Novas tecnologias

A Europa também fornecerá o equipamento de perfuração para atingir dois metros abaixo do solo e recolher amostras de gelo. Segundo Richard Fisackerly, o engenheiro-chefe do projeto, esta camada congelada pode ser mais dura do que concreto – e por isso a broca usada terá de ser muito resistente.

“Estamos a avaliar as tecnologias que seriam necessárias para perfurar esse tipo de material, com movimentos que combinem rotações e golpes, mas isto ainda é muito à frente do que o que temos em desenvolvimento por agora”.

A agência europeia também vai contribuir com um laboratório em miniatura, chamado ProSPA, semelhante aos instrumentos usados pelo módulo Philae, que pousou na superfície do cometa 67P no ano passado.

No entanto, o ProSPA será calibrado para procurar ingredientes-chave para a geração de água, oxigénio, combustível e outros materiais que poderão ser explorados por astronautas, e ajudará os cientistas a descobrir a quantidade existente desses materiais sob a superfície – e, acima de tudo, se é possível extraí-los facilmente.

A participação europeia na missão ainda precisa ser aprovada pelos Estados numa reunião prevista para o fim de 2016.

Por sua vez, os cientistas envolvidos na Luna 27 estão confiantes e dizem não ser uma questão de “se”, mas de “quando” humanos voltarão à Lua.

“Essa série de missões parece ser o início do nosso regresso à superfície lunar, mas também é início de algo novo em relação à exploração do Sistema Solar”, acredita Fisackerly.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Na tentativa de tirar a selfie perfeita com um elefante, indiano acaba morto pelo animal

No passado domingo, dia 28 de fevereiro, um homem de 21 anos morreu enquanto tentava tirar uma selfie com um elefante. O animal andou a pairar por zona residencial e anteriormente já tinha matado uma …

Milhares de professores vacinados antes de médicos. Presidente do México acusado de fazer política com a vacinação

Milhares de professores do ensino público que lecionam nas zonas mais rurais do México foram vacinados contra o novo coronavírus antes dos profissionais de saúde que combatem a pandemia na mesma região. De acordo com …

Passageiros com documentos e teste de covid-19 falsificados detetados pelo SEF

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) deteve, no domingo, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, três cidadãos portadores de documentação falsa, dois dos quais na partida de um voo com destino à República da …

Coronadiktatur, Gesichtskondom, Fussgruss. Os alemães inventaram milhares de palavras novas sobre a pandemia

O confinamento de quase quatro meses na Alemanha não colocou restrições ao seu idioma de palavras multissilábicas. Os alemães inventaram mais de 1.200 novas palavras para descrever as regras e realidades da vida em tempo …

Ordem coordena vacinação de 4000 médicos "deixados para trás"

A Ordem dos Médicos vai vacinar cerca de quatro mil médicos que trabalham em hospitais e clínicas privadas e que, por algum motivo, não foram vacinados na altura devida. De acordo com um comunicado da ordem, …

A mais recente turbina eólica chama-se Wind Catcher e é portátil

Uma empresa dinamarquesa decidiu inovar e desenvolver uma turbina eólica portátil. O Wind Catcher é mais leve, mais poderoso e mais fácil de usar do que qualquer outro sistema de energia eólica no mercado. O Wind …

Spike Lee vai produzir série documental para o 20.º aniversário dos atentados de 11 de setembro

O realizador Spike Lee está a preparar uma série documental para estrear no 20.º aniversário dos atentados do 11 de Setembro, um "retrato sem precedentes" dos nova-iorquinos e da capacidade de recuperação depois da destruição …

Guru de investimentos, Warren Buffett, assume ter cometido um "erro"

O bilionário norte-americano Warren Buffett, considerado o "guru" dos mercados de investimento, assumiu ter cometido um erro quando adquiriu, em 2016, a Precision Castparts por 32,1 mil milhões de euros. Na carta que escreve anualmente para …

Governo "devolve" 59 milhões em TSU às empresas para compensar aumento do salário mínimo

O Governo vai "compensar" as empresas em aproximadamente 59,2 milhões de euros devido ao aumento do salário mínimo nacional, estimou o ECO, tendo por base os dados avançados pelo Executivo aos parceiros sociais. De acordo com …

Decisões tardias, jogos políticos ou desinformação. Por que razão a República Checa não está a conseguir fugir da pandemia

Numa altura em que vários países da Europa começam a pensar em desconfinar, o oposto acontece na República Checa. O país já ultrapassou as 20 mil mortes e volta a entrar num novo confinamento. Mas …