Europa e Rússia planeiam missão conjunta para colonizar a Lua

ESA

Esta missão será a primeira de uma série para preparar o regresso de humanos à Lua

Esta missão será a primeira de uma série para preparar o regresso de humanos à Lua

As agências espaciais da Rússia e da Europa vão enviar um módulo espacial para o pólo sul da Lua, naquela que será a primeira de uma série de missões para preparar o regresso dos humanos à superfície lunar e a criação de uma colónia permanente no satélite.

A nave espacial avaliará se existe água, além de materiais brutos para produzir combustível e oxigénio.

A BBC obteve pormenores exclusivos da missão, chamada Luna 27, que tem previsão de lançamento para daqui a cinco anos e fará parte de uma série de missões lideradas pela agência espacial russa, a Roscosmos, para regressar à Lua.

Estas missões retomam o programa de exploração lunar que foi interrompido pela antiga União Soviética (URSS) em meados dos anos 70, segundo Igor Mitrofanov, do Instituto de Investigação Espacial, em Moscovo, um dos cientistas-chefes da iniciativa.

“Precisamos voltar à Lua. O século XXI será o século em que criaremos um posto avançado da civilização humana, e o nosso país tem de participar neste processo”, afirmou à BBC.

Cooperação internacional

Mas, ao contrário do que aconteceu nos anos 60 e 70, quando a URSS competia com os Estados Unidos e outras nações, “será necessária uma cooperação internacional”, segundo Mitrofanov.

Bérengère Houdou, líder em exploração lunar do Centro de Tecnologia e Investigação Espacial da agência espacial europeia, tem uma estratégia semelhante.

“Temos a ambição de levar astronautas europeus à Lua. Há discussões em curso a nível internacional para que haja uma cooperação para este regresso de humanos ao satélite”, afirma Houdou.

Uma das primeiras coisas que o novo diretor da Agência Espacial Europeia (ESA), Johann-Dietrich Wörner, fez ao assumir o cargo foi declarar que deseja ter parceiros internacionais para construir uma base no lado mais distante da Lua.

As missões iniciais serão feitas com robôs. A Luna 27 pousará à beira da bacia Aitken, no pólo sul do satélite. Essa região tem áreas que nunca são iluminadas pelo Sol, alguns dos locais mais frios do Sistema Solar. Portanto, poderiam abrigar água em forma de gelo e outros químicos que ficam protegidos do calor dos raios solares.

“Ficção científica”

David Shukman, editor de ciência da BBC, descreve que, na época das missões Apollo, parecia ser “quase inevitável” que viagens à Lua seriam seguidas pelo estabelecimento de uma presença permanente, mas a ideia de uma colónia lunar logo provou ser uma “fantasia de ficção científica”.

“Os EUA conseguiram superar a URSS, mas a um custo muito alto. Depois de 12 astronautas pisarem na Lua, o governo norte-americano e os seus cidadãos deram o objetivo de explorar a Lua como cumprido, e as três missões Apollo finais foram canceladas”, diz Shukman.

“Durante algum tempo, perdemos o interesse no nosso vizinho mais próximo, mas nos últimos anos uma série de descobertas sobre a poeira lunar indicou que o satélite pode ter água e outros minerais. Agora, uma série de novas missões está em curso”.

Shukman diz que a China parece estar especialmente interessada nestas missões, planeando realizar lançamentos de naves espaciais robóticas para preparar o terreno para viagem tripuladas por humanos daqui a cerca de 20 anos.

“Provavelmente, os próximos robôs a pousarem a Lua serão chineses. Um dos principais cientistas espaciais do país disse-se que já imagina a abertura de minas lunares para extrair recursos valiosos”, afirma.

“Ao longo de toda a história, a humanidade viu a Lua de formas diferentes. Nos anos 60 foi o cenário da rivalidade da Guerra Fria, mas agora é visto como um posto avançado para viagens espaciais mais longas e como uma rocha à espera de perfurações”.

ESA

-

Frio extremo

Segundo James Carpenter, cientista-chefe da ESA no projeto, um dos principais objetivos é investigar o uso de água como um recurso em potencial no futuro e descobrir o que ela pode indicar sobre a origem da vida no Sistema Solar.

“O pólo sul da Lua é diferente de qualquer lugar onde já estivemos”, diz Carpenter. “Por causa do frio extremo, podemos vir a encontrar na sua superfície uma grande quantidade de gelo e outros componentes químicos que poderíamos usar como combustível para foguetes ou em sistemas de apoio à vida em missões humanas nestes locais no futuro”.

Mitrofanov considera haver benefícios científicos e comerciais para o estabelecimento de uma presença permanente de humanos na superfície lunar.

“Poderá servir para observações astronómicas, o uso de minerais e outros recursos lunares e para criar um posto avançado que pode ser visitado por astronautas que trabalharão em conjunto em testes para uma futura viagem a Marte”.

A ESA e empresas parceiras estão a desenvolver um novo tipo de sistema de poiso para escolher as áreas de aterragem com maior precisão do que as usadas nas missões dos anos 60 e 70.

Este sistema recorre a câmaras para navegar e a um guia a laser para avaliar o terreno na aproximação da superfície e decidir pelos próprios meios se o local é seguro ou não para a aterragem, ou se será necessário procurar um ponto melhor.

Novas tecnologias

A Europa também fornecerá o equipamento de perfuração para atingir dois metros abaixo do solo e recolher amostras de gelo. Segundo Richard Fisackerly, o engenheiro-chefe do projeto, esta camada congelada pode ser mais dura do que concreto – e por isso a broca usada terá de ser muito resistente.

“Estamos a avaliar as tecnologias que seriam necessárias para perfurar esse tipo de material, com movimentos que combinem rotações e golpes, mas isto ainda é muito à frente do que o que temos em desenvolvimento por agora”.

A agência europeia também vai contribuir com um laboratório em miniatura, chamado ProSPA, semelhante aos instrumentos usados pelo módulo Philae, que pousou na superfície do cometa 67P no ano passado.

No entanto, o ProSPA será calibrado para procurar ingredientes-chave para a geração de água, oxigénio, combustível e outros materiais que poderão ser explorados por astronautas, e ajudará os cientistas a descobrir a quantidade existente desses materiais sob a superfície – e, acima de tudo, se é possível extraí-los facilmente.

A participação europeia na missão ainda precisa ser aprovada pelos Estados numa reunião prevista para o fim de 2016.

Por sua vez, os cientistas envolvidos na Luna 27 estão confiantes e dizem não ser uma questão de “se”, mas de “quando” humanos voltarão à Lua.

“Essa série de missões parece ser o início do nosso regresso à superfície lunar, mas também é início de algo novo em relação à exploração do Sistema Solar”, acredita Fisackerly.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Esta é a cidade com mais Alzheimer do mundo (e a culpa é de uma estranha mutação genética)

Na Colômbia, os habitantes da cidade de Yarumal parecem estar condenados a uma maldição que os faz esquecerem-se da sua vida, morrendo pouco tempo depois do início dos sintomas. Milhares de pessoas, pertencentes a apenas 25 …

Idosa de 93 anos recuperou de Covid-19 (e há 6 crianças em estado grave no Dona Estefânia)

Uma mulher de 93 anos que esteve internada em Lisboa, com Covid-19, recuperou da infecção ao cabo de 11 dias. Enquanto isso, há seis crianças com idades entre 4 meses e 17 anos que estão …

"Grande erro" da Europa é não usar máscaras, considera especialista chinês

George Gao, diretor dos Centros de Controlo e Proteção de Doenças da China (CDC), considera que o "grande erro" da Europa no combate à pandemia de covid-19 é o facto de as pessoas não usarem …

Obama critica de Trump. "Cada um de nós deve exigir mais dos nossos líderes"

O ex-Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou esta terça-feira que o seu sucessor, Donald Trump, ignorou os avisos sobre os riscos de uma pandemia do novo coronavírus, e recordou o mesmo comportamento quanto às alterações climáticas, …

Covid-19. Hotel cinco estrelas na Austrália vai acolher sem-abrigo

A Austrália vai levar a cabo um projeto piloto que visa retirar das ruas alguns sem-abrigo e transferi-los para hotéis de luxo, protegendo-os assim do novo coronavírus oriundo da China (Covid-19).  O projeto, Hotels With Heart, …

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …