EUA retiram-se do Conselho dos Direitos Humanos da ONU

Justin Lane / EPA

Nikki Haley, embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas

A embaixadora norte-americana na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, disse hoje que os EUA vão sair do Conselho dos Direitos Humanos da ONU, considerando que “não faz jus ao seu nome”.

Há um ano, Nikki Haley disse que os EUA só se iriam manter se a organização fizesse “reformas essenciais”, e agora considerou que está claro que esses apelos para mudanças não foram ouvidos.

Falando ao lado do secretário de Estado, Mike Pompeo, Haley criticou a presença no órgão de países como China, Cuba e Venezuela, que são eles próprios acusados de violação dos Direitos Humanos, acrescentando que o Conselho tem um “preconceito crónico contra Israel”.

Se o Conselho mudar, os EUA “regressarão com satisfação”, garantiu Haley.

O porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, interrogado antes da divulgação desta posição dos EUA, recordou que “o secretário-geral António Guterres é um adepto fervoroso da arquitetura dos direitos do Homem na ONU e na participação ativa de todos os Estados nesta arquitetura”.

Salvatore Di Nolfi / EPA

As cadeiras dos EUA no Conselho dos Direitos Humanos da ONU ficaram vazias

A organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch criticou a decisão norte-americana, considerando, em comunicado, que o Conselho dos Direitos do Homem da ONU tinha “desempenhado um papel importante em países como Coreia do Norte, Síria, Birmânia ou Sudão do Sul”.

Mas, deplorou, “Donald Trump só está interessado na defesa de Israel”.

Há mais de um ano que os EUA ameaçam abandonar o Conselho dos Direitos do Homem da ONU. Em meados de 2017, Haley apelou a uma reforma profunda do órgão principal do sistema da ONU em matéria de Direitos do Homem, criado em 2006 para substituir a Comissão homónima.

Desde então, está em curso uma reforma, mas mais para racionalizar o trabalho do Conselho do que para tratar de questões políticas. Os EUA, cujo mandato no Conselho acabaria em 2019, tinham reclamado que a exclusão de Estados membros que cometem graves violações dos Direitos do Homem fosse votada por maioria simples, e não por dois terços.

Também pretendiam um reforço do processo de seleção dos Estados membros. Os EUA queriam também que a questão dos “direitos do Homem na Palestina” não esteja sistematicamente na ordem do dia do Conselho.

Washington tem denunciado desde sempre o facto de Israel ser o único país do mundo com um ponto fixo dedicado na ordem de trabalhos de cada reunião, o ponto 7, o que acontece três vezes por ano.

Esta não é primeira vez que os EUA se ausentam do Conselho. Sob a presidência do republicano George W. Bush, boicotaram o Conselho desde a sua criação, antes de regressarem durante a presidência do democrata Barack Obama.

Desde a chegada de Donald Trump à Casa Branca, no início de 2017, os EUA retiraram- se da UNESCO, cortaram vários financiamentos a órgãos da ONU e anunciaram a sua saída do Acordo de Paris de combate às alterações climáticas e do acordo nuclear com o Irão apoiado pela ONU

// Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Concordo que saiam…
    Aliás se houvesse justiça deviam ser expulsos…
    Quando se mantem pessoas presas à quase anos sem acusação e sem direito a defesa que respeito à pelos direitos humanos?
    Quando se faz ataques/raides aéreos com o argumento de terrorismo e mata-se mulheres e crianças que respeito à pelos Direitos Humanos?

    • O grande sabichão sobre a “organização dos direitos dos MANOS!!!” e do Terrorismo!!!!! Claro os terroristas só matam Homens, as mulheres e crianças estão protegidas pela obra do espírito santo. Acorda pa….. de palermices está o mundo cheio….. A ONU ultimamente vem defendendo criminosos…. pelo menos pelas atitudes tomadas e “não tomadas”.

  2. Acho muito bem!!
    Finalmente os EUA tomaram uma atitude coincidente com a sua politica – se não querem saber dos direitos humanos, não faz sentido estar no Conselho dos Direitos Humanos da ONU!
    Agora, com este presidente, muito menos…
    Foi o TPI, a UNESCO, o acordo de Paris; agora são os direitos humanos… qualquer dia estão nível de países coma Arábia Saudita – que, só por acaso, faz parte da Conselho dos Direitos Humanos da ONU e nunca se ouviu uma palavra dos EUA contra isso… por que será?!
    E, claro que Israel é um exemplo na defesa dos direitos humanos!…

RESPONDER

Família de George Floyd apresenta queixa-crime contra Minneapolis

A família de George Floyd apresentou esta quarta-feira uma queixa-crime contra o município de Minneapolis e contra quatro polícias pela responsabilidade na morte do afro-americano às mãos da polícia, em maio, anunciaram os advogados. "Não foi …

UE reduz lista de países para reabrir fronteiras e mantém EUA e Brasil de fora

Os Estados-membros da União Europeia (UE) atualizaram, esta quinta-feira, a lista de países aos quais reabrem as fronteiras externas, mantendo de fora os Estados Unidos e o Brasil. "Na sequência da primeira revisão ao abrigo da …

24 horas depois, estátua de manifestante antirracismo em Bristol foi removida

A estátua de uma manifestante do movimento Black Lives Matter, erguida, esta quarta-feira, na cidade de Bristol, no Reino Unido, já foi removida. De acordo com o jornal The Guardian, 24 horas depois de ter sido …

Advogados continuam luta para manter declarações fiscais de Trump em segredo

Depois de o Supremo Tribunal ter determinado que os procuradores nova-iorquinos podem ter acesso às declarações de impostos do Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, os seus advogados informaram na quarta-feira que estavam a considerar …

EUA negam vistos a funcionários da Huawei que apoiem "violadores de direitos humanos"

Esta quarta-feira, o Governo norte-americano que vai impor restrições nos vistos a funcionários da Huawei e a outras empresas que os Estados Unidos vejam como apoiantes de Governos violadores de direitos humanos. Além das restrições, o …

Ventilador produzido em Portugal recebe autorização de utilização do Infarmed

O ventilador Atena, produzido em Portugal, recebeu, na terça-feira, a autorização do Infarmed para o seu uso em contexto hospitalar na luta contra a covid-19. Esta quarta-feira, numa publicação na sua página de Facebook, o CEiiA …

American Airlines avisa 25 mil trabalhadores que podem perder emprego

Os dirigentes da American Airlines escreveram a cerca de 25 mil trabalhadores da transportadora aérea para lhes comunicar que o seu emprego pode desaparecer em outubro. Os dirigentes das Companhias de aviação dos Estados Unidos admitiram …

Trump substitui diretor de campanha a menos de quatro meses das eleições

O Presidente dos Estados Unidos substituiu, esta quarta-feira, o seu diretor de campanha, perante os maus resultados nas sondagens, a menos de quatro meses das eleições. "Tenho o prazer de anunciar que Bill Stepien foi promovido …

Bristol acordou com uma nova estátua. Manifestante antirracismo substitui comerciante de escravos

Bristol acordou com uma nova estátua. Um artista britânico ergueu uma estátua de uma manifestante do movimento ‘Black Lives Matter’ no topo do pedestal na cidade inglesa antes ocupado pela estátua de um comerciante de …

Enfermeira norte-americana matou sete doentes num hospital de veteranos com injeções de insulina

Uma enfermeira num hospital de veteranos norte-americanos matou deliberadamente pelo menos sete doentes com injeções de insulina. A mulher, que admitiu o crime, deverá ser condenada a sete penas de prisão perpétua, mais 20 anos …