Estudo propõe tarifa baixa ou grátis para carenciados em vez de corte de água

SXC

foto: sxc

foto: sxc

A criação de alternativas ao corte do abastecimento água por falta de pagamento para as famílias de menores rendimentos é uma das propostas contidas num estudo hoje apresentado sobre “Acessibilidade económica aos serviços de água e saneamento na região Norte”.

Neste trabalho defende-se também a possibilidade de equacionar a não aplicabilidade da tarifa única nos consumos mais baixos, de modo a não penalizar as famílias de menores rendimentos, uma vez que “face à atual conjuntura económica e social, tem-se verificado um aumento significativo do número de famílias em situações de risco de exclusão social, facto agravado com a necessidade de aumento das tarifas”.

No estudo, coordenado pelo administrador regional da Administração da Região Hidrográfica do Norte, Pimenta Machado, sugere-se a definição de uma tarifa (Lifeline Tariffs ou Lifeline Service) de custo reduzido ou mesmo grátis, pensada no sentido de garantir o acesso a níveis mínimos de consumo, com o argumento de que a água é uma necessidade básica essencial à vida e, portanto, deve ser disponibilizada a custo zero ou a preços muito baixos aos consumidores domésticos (exemplo, Bélgica).

O autor sugere também que se deveria prever “a possibilidade de atribuição de subsídios à exploração a partir dos orçamentos municipais, no sentido de apoiar as famílias de menores rendimentos” e “reduzir as perdas de água na rede, que continuam a ser uma questão problemática no setor, que tem reflexos nas tarifas praticadas ao consumidor e, portanto, na acessibilidade”.

Propõe-se ainda a utilização de instrumentos de gestão da procura de água para racionalizar o seu custo para o consumidor, como por exemplo através das tarifas sazonais e, no que diz respeito às medidas de assistência ao rendimento, o autor sugere a assistência direta através da atribuição de vouchers para serviços de água, (provenientes do governo, operadores, instituições de caridade).

Perante situações claras que identificam problemas de acessibilidade económica, conclui-se que os serviços de abastecimento e saneamento têm vindo a adotar medidas sociais que visam garantir o acesso a estes serviços considerados essenciais.

“As medidas previstas na maioria dos municípios estudados incidem nas tarifas sociais e nos tarifários progressivos por blocos, penalizando os consumidores de maior dimensão”, lê-se no documento.

Neste estudo realizado em 25 municípios da região Norte foram identificados problemas de acessibilidade económica à água, que no limite podem levar ao corte do fornecimento de água por falta de pagamento, impedindo o acesso a um bem essencial. Esta situação não ocorre numa boa parte dos países europeus, onde não é possível esse corte.

Por outro lado, sublinha o autor, “se compararmos as despesas dos agregados familiares portugueses tendo em conta para além dos serviços de águas, as outras ‘utilities’, nomeadamente eletricidade, gás e telecomunicações, mostra-nos que os serviços de abastecimento e de saneamento são os que pesam menos nas despesas das famílias”.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. vivo sem agua e luz à mais ou menos um ano só agora comecei a receber rsi, náo tenho casa, vivo numa velha casa, com autorização dos donos nunca me passou pela cabeça tal coisa pois, se uns têm de pagar todos terão, se entrarem nas casas das pessoas que “dizem” não ter dinheiro para água ou luz, veram que possuem moveis dos melhores, televisões em todas as divisões, computadores e portáteis, e muitas das vezes mais de uma viatura. constantemente tomam o pequeno-almoço nas pastelarias, e nunca compram produtos de marca branca..
    eu tomo uma refeição por dia, tenho tecto por me deixarem viver numa casa velha com vidros partidos mas não me queixo.
    pago 0,50€ para tomar banho na cruz vermelha e calço e visto-me com o que encontro nos contentores do lixo
    mas não acho justo existirem pessoas que fiquem isentas das contas de electricidade ou água.

  2. O que não é justo nem tem nexo é ainda existir dinheiro, governo, a mentalidade de que os mesmos são essenciais e a população corroborar para este sistema de controlo continuar..

    Existem formas de produzir energia e de obter agua a custo praticamente zero, onde está a lógica de ser escravizado com euros que não têm valor absolutamente algum(sem ser o que atribuímos, e nem somos nós, são Eles que decidem..) num bem essencial à vida que à partida devia ser gratuito, e energia que para alem de ser produzida maioritariamente da queima de combustível fóssil e com isso estar a destruir a terra na qual habitamos, para alem da poluição e lixo desnecessário adjacente.. já é possível produzir energia limpa a custo aproximado do zero mas as Elites que manipulam a sociedade e controlam a mente da maioria não o querem, e nós, continuamos nisto..

    Raios partam a população retrograda..

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …