Dez anos depois, Estado é julgado por queda de arriba que matou cinco pessoas

claireandre / Flickr

O julgamento do caso das cinco mortes ocorridas há dez anos na praia Maria Luísa, em Albufeira, na sequência da derrocada de uma arriba, começou esta sexta-feira no Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé.

Os familiares das vítimas pedem ao Estado uma indemnização de 911 mil euros, pela “omissão de deveres” de zelar pela segurança e vigilância dos banhistas, que se encontravam a apanhar banhos de sol à sombra do rochedo que ruiu.

Após o acidente, recorda o Público, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) multiplicou o número de placas a assinalarem risco de “queda de blocos”, mas o perigo continua.

O advogado Pedro Proença representa a família de Manuel Marques Pereira, que perdeu quatro pessoas: filha, genro e as duas únicas netas. Para evitar o arrastar processo com ações judiciais, sugere: “O Estado devia chegar-se frente e indemnizar as famílias à semelhança da negociação feita pela provedora de Justiça, em relação às vítimas do incêndio de Pedrogão Grande e à derrocada da pedreira de Borba. O Estado não disse que era culpado pelo que tinha acontecido, mas indemnizou as vítimas.”

Por isso, o advogado lança um “forte apelo” ao Presidente da República e primeiro-ministro, para que se empenhem numa rápida solução. “Vamos esquecer este incidente infeliz e indemnizar as vítimas.”

O acidente resultou da derrocada “instantânea” de uma escarpa, quando as pessoas se encontravam junto à arriba, ao final de uma manhã de agosto. À entrada do areal, encontrava-se afixada uma placa em que se lia “arribas instáveis”. A advertência, contudo, foi ignorada.

A arriba, que protegia os utentes do sol, desmoronou-se como um baralho de cartas, compara o mesmo jornal. Uma parte do rochedo, com dez metros de altura e seis de diâmetro, colapsou. Os banhistas que estavam mais próximos da arriba ficaram soterrados: cinco morreram e três sofreram ferimentos graves.

Manuel Marques, viúvo, perdeu todos os membros do agregado. “Caiu numa depressão e tristeza profundas, por ter perdido toda a família. E morreu de cancro há cerca de três anos, sem ver feita justiça”, refere o advogado, lembrando que este é um caso “absolutamente dramático”, onde vê um paralelismo com o que se passou em Pedrogão e na derrocada da pedreira de Borba. Por isso, reafirma que “se o Estado é pessoa de bem, devia ter igual procedimento, chegar-se à frente e indemnizar as vítimas”.

A quinta vítima mortal, Maria Emília, de 37 anos, “encontrava-se deitada numa toalha, sobre a areia, a cerca de cinco metros da linha de água e a cerca de 20 metros de distância” da escarpa que ruiu. As filhas adolescentes encontravam-se perto a jogar raquetes. A mãe terá gritado “fujam”, levantou-se e correu. “Subitamente, pedras de grandes dimensões começaram a cair”, lê-se no processo no qual o Estado é o único réu.

Maria Emília ficou soterrada e as filhas sofreram ferimentos graves. O marido, ajudado por outras pessoas, retirou algumas pedras. No local, a mulher recebeu os primeiros socorros do INEM, mas acabaria por não resistir. Morreu ao final desse dia no Hospital de Faro.

Vítor Sousa também se encontrava deitado numa toalha, a apanhar banhos de sol, a cerca de cinco metros do rochedo. De repente, ficou soterrado, onde permaneceu cerca de quatro horas, altura em que foi resgatado.

“Conseguiu respirar através de uma bolsa de ar por si formada, quando tapou a cabeça com as mãos e os braços. As pessoas circulavam por cima de si e, por isso, em vários momentos, sentiu-se esmagado”, lê-se nos autos. Sofreu hematomas e lesões em várias partes do corpo.

Os primeiros cuidados médicos foram prestados no Hospital de Faro, onde foi operado a uma fratura exposta no pé direito, tendo sido depois transferido para o Hospital de S. João, no Porto, onde esteve internado durante 23 dias. Só conseguiu andar normalmente ao fim de oito meses.

O Ministério Público alega que o colapso da arriba da praia Maria Luísa deu-se de “modo espontâneo e imprevisível”. A defesa alega “negligência grosseira” por parte das autoridades, que não levaram em atenção os “sinais de perigo” que existiam na arriba.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afastado juiz que disse que "fechar as pernas" impedia agressão sexual

Um juiz de Nova Jersey, nos Estados Unidos (EUA), que disse que fechar as pernas poderia evitar uma agressão sexual foi impedido de presidir um tribunal, tendo sido afastado da Suprema Corte do Estado. Segundo noticiou …

"Tofu nunca causou uma pandemia", publica PETA em outdoors

A organização de direitos dos animais PETA está a incentivar os norte-americanos a experimentar tofu, através de anúncios em 'outdoors' nos Estados Unidos (EUA) onde defendem que o produto de soja "nunca causou uma pandemia". A …

Portugueses estão menos preocupados com a pandemia, mas apreensivos com a economia

O grau de preocupação com a pandemia diminuiu de 80,9% durante o estado de emergência para 76,2% no estado de calamidade, mas os portugueses estão mais alerta quanto ao impacto na economia, conclui um inquérito …

Nova morte, saqueamentos e protestos. Minneapolis vive caos após homicídio de George Floyd

Um homem foi encontrado morto a tiro, na madrugada de hoje, suspeito de ter sido vítima dos protestos, em Minneapolis, contra a morte de um homem negro sob custódia policial. Durante a noite de quarta-feira, milhares …

Filho de Deeney tem problemas respiratórios. Jogador foi alvo de abusos por recusar treinar

O futebolista Troy Deeney, capitão do Watford, revelou que tem sido alvo de abusos e comentários depreciativos, por ter recusado voltar aos treinos, face aos problemas respiratórios do seu filho. “Vi comentários em relação ao meu …

Parlamento aprova alargamento de apoios a todos os sócios-gerentes afetados pela pandemia

O parlamento aprovou hoje, em votação final global, um texto final que alarga os apoios no âmbito do `layoff´ aos sócios-gerentes das micro e pequenas empresas afetadas pela pandemia covid-19, independentemente do volume de faturação. Com …

Pandemia de covid-19 alimenta corrupção na América Latina

A propagação da Covid-19 na América Latina está a alimentar a corrupção nos vários países que a integram, que vai desde a inflação dos preços a situações de aproveitamento económico e de ligações entre políticos …

Mais de 500 católicos portugueses contra proibição de comunhão na boca

Mais de 500 católicos portugueses, entre leigos e sacerdotes, apelaram à Conferência Episcopal Portuguesa para revogar a proibição de os fiéis receberem a comunhão na boca, por causa da pandemia de covid-19, informou na quarta-feira …

Adeptos recusam devolução dos bilhetes. Bayern distribui dinheiro por clubes amadores

Os adeptos do Bayern renunciaram ao direito de serem reembolsados pelos bilhetes comprados para os jogos até ao final da temporada. O clube decidiu distribuir o dinheiro pelos emblemas amadores da região da Baviera. Tal como …

Trabalhadores acusam TAP de pagar abaixo do salário mínimo a tripulantes em lay-off

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou hoje a TAP de não estar a pagar o previsto na lei do ‘lay-off’, indicando vários casos em que a remuneração é inferior …