Estado vai comparticipar primeiro medicamento à base de canábis

O Infarmed aprovou a comparticipação do primeiro medicamento à base de cannabis em Portugal, com o Estado a suportar 37% do preço por embalagem. O Sativex está aprovado para o alívio da espasticidade (aumento involuntário da contração muscular) moderada a grave associada à esclerose múltipla.

A farmacêutica Almirall – empresa responsável pela comercialização do fármaco na Europa – estima que o medicamento esteja no mercado português em setembro, revelou esta sexta-feira o Público.

Além deste medicamento, o Infarmed está a avaliar um pedido de autorização de colocação no mercado de um produto feito à base da planta. A lei da cannabis medicinal entrou em vigor a 01 de fevereiro deste ano.

O processo de aprovação da comparticipação ficou concluído há mais de um mês. O Infarmed esclareceu que o Sativex “inclui-se no grupo dos analgésicos e antipiréticos e é comparticipado pelo escalão C – 37%”, podendo ser vendido nas farmácias de rua.

O fármaco está autorizado em Portugal desde 2012, mas até agora a empresa não tinha avançado com o processo para comercialização. Ainda assim, podia ser adquirido através de um pedido de autorização especial. Entre 2016 e 2017, o Centro Hospitalar Lisboa Central dispensou 21 unidades deste medicamento.

HowToGrowWeedExtreme.com / wikimedia

Atualmente o custo por embalagem é de 475 euros, mas é expetável que tenha sido negociada uma descida do preço. “Na avaliação económica, os valores custo-efetividade incrementais associados à introdução do medicamento Sativex no arsenal terapêutico, assim como os resultados do impacto orçamental, foram considerados aceitáveis, depois de negociadas melhores condições para o SNS, tendo em atenção as características específicas do medicamento e da doença em causa”, lê-se no relatório público de avaliação de comparticipação.

Nem o Infarmed nem Almirall adiantaram o valor acordado para venda. O fármaco é propriedade da empresa britânica GW Pharma.

Fonte da Almirall disse ao Público que “espera estar a comercializar o medicamento em Portugal em setembro”. Sobre o processo negocial, adiantou que “são processos que levam o seu tempo, em todos os países”. “Mas todos os intervenientes – nós e o Governo – querem a mesma coisa: o melhor para os doentes e o medicamento no mercado”.

A mesma fonte referiu que o medicamento “está à venda em 20 países no mundo” e assegurou que “é seguro e eficaz”, que “passou por extensos ensaios clínicos”. Quanto a eventuais receios por ser um medicamento produzido à base de cannabis, disse que a forma como é produzido inibe os efeitos psicoativos associados ao consumo da substância.

Para Luís Pinto, presidente da TEM – associação de doentes com esclerose múltipla, “toda a medicação para a esclerose múltipla e para os seus sintomas é bem-vinda”. Embora admita que estes novos produtos ainda “geram alguma relutância”, afirmou que os “médicos acompanham a evidência científica e querem o melhor para os doentes”. Disse ainda que teve indicação de um doente de Coimbra a quem foi prescrito o Sativex recentemente.

Produto em avaliação

Além deste medicamento, a lei da cannabis medicinal permite também a venda de produtos e substâncias à base da planta. Para estes casos, as empresas têm de fazer um pedido de autorização de colocação no mercado.

“Até à data foi recebido pelo Infarmed um pedido relativo a uma preparação à base da planta da cannabis para fins medicinais, que se encontra em fase de avaliação”, adiantou a autoridade do medicamento.

“Esta preparação, caso venha a ser aprovada, poderá ser utilizada de acordo com a regulamentação aprovada (Lei n.º 33/2018, de 18 de Julho), nos casos em que os tratamentos convencionais não produziram os efeitos esperados ou provocam efeitos adversos relevantes e de acordo com as indicações terapêuticas aprovadas pelo Infarmed”, adiantou igualmente.

PhotoXpress

“Caberá ao médico assistente fazer a avaliação da situação do doente, devendo comunicar ao doente todas as instruções necessárias à correcta utilização do produto”, acrescentou.

Recentemente, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Saúde sobre suplementos alimentares à base de óleo de sementes de cânhamo que estão a ser comercializados como sendo óleo de cannabis, gerando confusão nos doentes.

O Infarmed explicou ao Público que “os produtos que têm sido anunciados como contendo na sua composição cannabis ou seus derivados não se encontram abrangidos pela nova legislação, porquanto não se destinam a fins medicinais, cabendo a sua fiscalização à Autoridade de Segurança Alimentar e económica (ASAE)”. A fiscalização dos casos de publicidade enganosa de suplementos alimentares cabe também à ASAE.

Taísa Pagno TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

CDS-PP quer eliminar aumento de impostos no alojamento local para compensar “enormes quebras”

O CDS-PP quer eliminar o aumento de impostos no alojamento local, para compensar as “enormes quebras na atividade”. Considerando que o turismo foi um dos setores mais afetados pela pandemia, sugerem que sejam eliminados os …

Profissionais da Cultura denunciam falta de resposta a pedido de apoio

Mais de 30 profissionais das artes denunciaram esta segunda-feira que continuam sem resposta ao pedido de apoio social extraordinário, anunciado em janeiro pela ministra da Cultura, e lamentam "a bola de neve burocrática" associada. "É uma …

Banco de Portugal contra revelação de documentos de negócios que usam dinheiros do Estado

Depois das propostas do PSD e do PAN, o Banco de Portugal indica que a revelação dos documentos pode colocar em causa a confidencialidade dos processos. As propostas do PSD e do PAN para que a …

Europol. Crime organizado na UE está mais violento e recorre mais à corrupção

O crime organizado na União Europeia (UE) está a ficar mais violento e a corrupção é uma característica da quase totalidade das operações das redes de criminosos, concluiu um estudo da Europol. Um relatório da agência …

Advogado da família de Homeniuk pede condenação de inspetores do SEF por homicídio qualificado

O advogado da família do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk, que morreu nas instalações do SEF no aeroporto de Lisboa, insistiu, esta segunda-feira, na condenação dos três inspetores pelo crime de homicídio qualificado que consta da …

"Mestre do churrasco", "lenda da brincadeira" e homem de "honra". William e Harry recordam avô

Os príncipes William e Harry prestaram hoje homenagem, em comunicados separados, ao príncipe Filipe, que morreu na sexta-feira aos 99 anos no Castelo de Windsor, lembrando o avô como um homem “extraordinário” marcado pelo “dever” …

Em São Miguel, os restaurantes de concelhos em nível de alto risco fecham as portas a partir de amanhã

Todos os estabelecimentos de restauração, bebidas e similares nos concelhos do Nordeste e Vila Franca do Campo, em São Miguel, nos Açores, vão encerrar a partir de terça-feira, funcionando apenas em regime de take-away ou …

O Brasil está a construir uma nova estátua gigante de Cristo. Vai ser mais alta que a do Rio de Janeiro

Uma nova estátua gigante do Cristo que está a ser construída no sul do Brasil será ainda mais alta do que a icónica estátua do Cristo Redentor com vista para o Rio de Janeiro. Cabeça e …

Costa anuncia 252 milhões de euros de investimento na investigação e economia do mar

O primeiro-ministro anunciou hoje que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) vai ter uma verba de 252 milhões de euros autonomizada para financiar investimentos na investigação, na economia do mar e na segurança pesqueira. Além …

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …