Só será possível aliviar medidas com 2.000 casos diários. Portugal pode ser dos “melhores” a controlar 3.ª vaga

Nuno André Ferreira / Lusa

Apesar de a situação epidemiológica estar a melhorar, os especialistas revelam que só no final de março os hospitais não estarão sob tanta pressão e que será necessário recuar até aos 2.000 casos diários para aliviar medidas.

De acordo com o jornal Público, uma equipa da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que trabalha num modelo de análise de risco para se perceber até onde é preciso descer em termos de incidência de novos contágios, risco de transmissão (Rt) e taxa de positividade no total de testes à covid-19 para que se possa pensar em desconfinamento e quais os limites que não devem ser ultrapassados, revelou que ainda não é tempo de respirar de alívio.

“Só podemos desconfinar quando tivermos a um valor extremamente baixo do ponto de vista epidemiológico. Mas sabemos que mesmo isso não é suficiente por causa dos internamentos, uma vez que o período de ocupação [de camas hospitalares] é longo para este tipo de patologia”, disse o investigador Carlos Antunes ao Público.

Questionado pelo matutino sobre a que valores será necessário descer, Carlos Antunes respondeu: “Níveis de incidência abaixo dos 2.000 casos diários médios, o Rt abaixo de 0,9 e uma positividade abaixo de 5%”.

“Só quando chegarmos a esse nível é que a nossa análise de risco diz que estamos num nível seguro. Mas sabemos que, mesmo nessas circunstâncias, os hospitais ainda vão estar preenchidos. O ideal seria chegarmos abaixo dos 3.000 internados e abaixo das 300 camas de cuidados intensivos ocupadas. O modelo só me dá esses valores para o final de março, por causa deste arrastamento da duração do internamento”, disse.

Apesar de os números estarem a descer, os investigadores notam que “só o Rt está favorável”. Segundo a última divulgação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (Insa), o valor médio entre 27 e 31 de janeiro foi de 0,92. Já os outros indicadores “ainda estão em níveis muito elevados: a positividade, embora a baixar, ainda está na zona dos 15% e a incidência em termos médios está nos 6.000 casos de contágio”.

Para Carlos Antunes, só se deveria começar a pensar em desconfinar em março, o que poderá começar pelas escolas e entre os alunos até aos 12 anos.

“Temos dois indicadores que nos comprovam que, ao fim de oito dias de as escolas terem fechado, a aceleração da variação de número de casos baixou drasticamente”, disse. “O ideal é corremos um pouco mais do que o vírus para que mal as pessoas sejam infetadas sejam isoladas automaticamente. Dessa forma a pandemia fica controlada. É isso que estamos a tentar transmitir, que para controlar a pandemia temos de ter limiares e não os podemos ultrapassar”.

A próxima reunião no Infarmed deverá acontecer esta terça-feira, antecedendo a renovação do estado de emergência e o Conselho de Ministros que irá definir as medidas a aplicar.

Portugal pode ser dos melhores a controlar a 3.ª vaga

O virologista Pedro Simas disse este domingo que Portugal está a ter uma redução abrupta no número de novos contágios, resultante do confinamento, que poderá colocar o país entre um dos melhores do mundo a controlar a terceira vaga da pandemia.

“Fomos dos melhores do mundo no primeiro confinamento, os piores na origem da terceira vaga e vamos ser um dos países do mundo que mais depressa conseguiu controlar a terceira vaga porque de facto houve uma adesão fantástica ao confinamento e o resultado está à vista”, disse o virologista do Instituto Molecular da Universidade de Lisboa, em declarações à agência Lusa.

Os vírus, adiantou, transmitem-se por gotículas e se forem inibidos os movimentos com confinamentos, uso de máscaras e distanciamento social, as cadeias de transmissão são interrompidas abruptamente.

“Isto era perfeitamente previsível e dependia do bom comportamento e adesão ao confinamento total e o que eu vejo é que houve uma adesão fantástica e o resultado está a vista porque a biologia é factual. Se não houver contactos e as pessoas aderirem às regras os vírus não se conseguem transmitir. Está nas nossas mãos. É por isso que a curva de decréscimo é tão abrupta”, frisou

Pedro Simas referiu que de 28 de janeiro a 6 de fevereiro Portugal passou de uma média de 12.890 casos para 7.270 casos.

O encerramento das escolas foi, para Pedro Simas, determinante para esta inflexão da curva de crescimento. “O encerramento das escolas foi determinante porque é uma mensagem clara para a sociedade portuguesa. Quando se fecha as escolas é porque o assunto é sério“, disse, adiantando que ter as escolas abertas implicava muito movimento dos adultos.

O virologista alerta que é agora muito importante aprender com o passado e perceber que é preciso desconfinar com regras para que Portugal não corra maior risco de ressurgimento de uma quarta vaga, lembrando que foi o relaxamento das medidas antes, durante e após o Natal que levou à terceira vaga do vírus.

Pedro Simas reforça a necessidade de haver cautela no desconfinamento, defendendo que só deveria ser pensado quando o país atingir entre os 700 e os 1.400 novos casos por dia.

Maria Campos, ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Segundo Carlos Antunes:
    “Temos dois indicadores que nos comprovam que, ao fim de oito dias de as escolas terem fechado, a aceleração da variação de número de casos baixou drasticamente”
    Bem, os governantes e comentadores bem nos queriam impingir que as escolas eram seguras!!! A meu ver, as escolas estarem abertas foram um dos principais factores para que os números disparassem como dispararam, e pelos vistos tinha razão…

  2. Nem confinamento nem encerrento de escolas, deiam graças é a esta chuva q tem caído pois ela é a principal causa de tudo ter baixado.

    Menos cruzamentos na rua e etc, menos pessoas a sair à rua…isso é mais q óbvio, nada w ver com as medidas tomadas.

    Não deixam crédito aos malditos políticos da treta, isto nada mais foi q coicidencia e sorte.

    • Demonstrado está que este vírus prospera em clima frio e seco. E que, inversamente, definha em clima moderado a quente e húmido. Logo, minha gente, está visto que neste desgraçado país só o clima é que acaba por nos salvar, como está a ser. Porque, da incompetência dos decisores políticos e da irresponsabilidade generalizada duma franja significativa da população, mais vale nem falarmos. Pois são mesmo nódoas no pano.

  3. Bem…isso por aí vai muito mal. E que tal aproveitar o ensino à distância para se instruir e melhorar a língua de Camões?! “Deiam”, “deixam crédito”, “coicidencia”… Isso está mesmo a precisar de uma aulas valentes.
    Relativamente à ideia, concordo totalmente. Uma vez mais, se não era o povo a barricar-se em casa e a exigir o encerramento das escolas, tinha sido uma desgraça total.

RESPONDER

Bilardo foi "distraído" para não saber da morte de Maradona

Carlos Bilardo continua sem saber que Diego Maradona morreu. Família tenta proteger saúde do antigo selecionador argentino. Diego Armando Maradona morreu em novembro e Carlos Bilardo continua sem saber desse falecimento. A família tenta proteger a …

Processo de envelhecimento é imparável, revela estudo

Um novo estudo, que envolveu cientistas de 14 países, confirmou que provavelmente não podemos diminuir a velocidade com que envelhecemos, devido a restrições biológicas. A pesquisa, publicada na quarta-feira na Nature Comunications, inclui especialistas da Universidade …

Inglaterra 0-0 Escócia | Nulo total no dérbi britânico

A Inglaterra empatou hoje 0-0 com a Escócia, em jogo da segunda jornada do Grupo D do Euro 2020 de futebol, e desperdiçou a oportunidade de garantir já um lugar nos oitavos de final do …

Infeção pelo coronavírus pode não garantir proteção prolongada, revela estudo

Um novo estudo britânico sugere que uma infeção pelo SARS-CoV-2 não garante que o hospedeiro desenvolva uma resposta imunitária prolongada contra o vírus, sendo a imunidade "altamente variável de pessoa para pessoa". Segundo a pesquisa do …

Ex-ministro da Bolívia planeou um segundo golpe usando mercenários dos EUA

O vazamento de gravações telefónicas e e-mails revelam que um ex-ministro da Defesa boliviano estava a preparar-se para usar tropas estrangeiras para impedir que o partido de esquerda MAS regressasse ao poder. Os documentos e registos …

Espécie rara de orquídea encontrada em telhado de banco de investimentos em Londres

Uma espécie rara de orquídea, que se acredita estar extinta no Reino Unido, foi descoberta no jardim do telhado de um banco de investimentos em Londres. Segundo o The Guardian, a Serapias parviflora, uma espécie rara …

Pintura de David Bowie comprada por três euros vai agora ser leiloada por milhares

A pintura do ícone do rock, David Bowie, deverá ser vendida por milhares de dólares num leilão de arte online. O retrato, intitulado "DHead XLVI", faz parte de um conjunto de aproximadamente 47 obras que David …

Vila Nova de Milfontes vai ter praia para cães

A praia pet friendly, que fica próxima de Furnas-Rio, vai funcionar já esta época balnear de forma experimental. Uma praia concessionada que também admite cães vai funcionar, nesta época balnear, de forma experimental, em Vila Nova …

Podia ser um quadro de Dalí, mas é só o degelo glacial na Islândia

Na Islândia, o degelo glacial criou uma paisagem deslumbrante que o fotógrafo espanhol Manuel Ismael Gómez de Almería não deixou passar em branco. Faz lembrar a arte surrealista de Salvador Dalí, mas é uma versão ampliada …

Digby, o cão dos bombeiros, ajudou a salvar uma mulher do suicídio

O cão Digby desempenhou um importante papel ao salvar uma mulher que estava a ponderar pôr fim à sua própria vida no Reino Unido. Digby é um cão terapeuta que ajuda as pessoas a lidar com …