Especialista diz que variante britânica em Portugal não implica mais restrições

Stephanie Lecocq / EPA

A presença confirmada em Portugal da nova estirpe do coronavírus que provoca a covid-19 é recente e, embora seja mais contagiosa, não deverá implicar novas medidas e restrições, defendeu um investigador do Instituto Ricardo Jorge.

“A maior parte dos casos que estamos a identificar agora são casos do mês de dezembro”, disse o também coordenador do estudo sobre diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2 em Portugal João Paulo Gomes.

A nova estirpe, conhecida como a estirpe do Reino Unido, “já está em Portugal”. “Não sabemos há quanto tempo, porque a maior parte dos casos que estamos a identificar agora são casos do mês de dezembro. Mas, há cerca de seis semanas, em colaboração com o Instituto Gulbenkian Ciência, fizemos uma espécie de rastreio” e “não encontrámos uma única amostra”, explicou o investigador, admitindo, no entanto, que podem já existir cadeias de transmissão associadas a esta nova variante.

Segundo avançou o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, foram identificados em Portugal continental 16 casos da nova variante do coronavírus recentemente detetada no Reino Unido. Estes casos juntam-se a 18 outros na Madeira, segundo informações avançadas em 28 de dezembro pelo presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque.

A nova variante, mais contagiosa, foi sinalizada no âmbito da atualização do “Estudo da diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2 (covid-19) em Portugal”, desenvolvido e coordenado pelo Instituto Ricardo Jorge, em colaboração com o Instituto Gulbenkian de Ciência.

“Nós queríamos primeiro perceber se a estávamos a detetar [a nova estirpe] e agora já percebemos que estamos, não só em sede de chegada de passageiros ao aeroporto de Lisboa como também em produtos que vêm de outros laboratórios e via ARS [Autoridade Regional de Saúde] suspeitos por terem historial de viagem”, explicou o investigador.

No entanto, o rastreio realizado a meio de novembro passado, “com uma ótima representatividade geográfica”, mostra que “a circulação começou há pouco tempo em Portugal”, garantiu.

O facto de ser mais contagiosa não leva João Paulo Gomes a defender mais restrições ou medidas de confinamento. “Julgo que não há medidas adicionais a serem tomadas. Há, acima de tudo, uma necessidade de cumprimento das medidas existentes”, defendeu, referindo que “esta variante não consegue ultrapassar as barreiras das máscaras mais facilmente que as outras variantes”.

Portanto, considerou, “se as pessoas mantiverem o distanciamento social e cumprirem as regras, usando máscara quando estão na presença de outras pessoas, estão relativamente salvaguardadas”.

O problema, sublinhou o investigador, é que “quando não estamos protegidos – por exemplo num restaurante ou quando estamos com a família em casa ou quando estamos com alguns amigos e baixamos um bocadinho a fasquia”. “Nessas alturas, esta variante terá certamente, uma maior capacidade de se transmitir”, alertou.

A possibilidade de o número de infeções crescer muito nos próximos tempos é real, admitiu João Paulo Gomes, advertindo, no entanto, que estão várias situações a acontecer ao mesmo tempo.

“Vamos, com certeza, encontrar muitos mais casos nas próximas semanas. Até porque, os passageiros que chegam ao aeroporto com testes negativos não quer dizer que sejam negativos. Basta que tenham contraído a infeção um ou dois dias antes. Passados dois ou três dias começam com sintomatologia ou já passaram a alguém e não há nada a fazer quanto a isso”, explicou.

Além disso, Portugal está também a viver um período de algum desconfinamento, por ocasião do Natal de Ano Novo, “e isso está a implicar um aumento do número de casos também”, lembrou o investigador do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Por isso, defendeu, “não temos qualquer evidência de que a presença da variante esteja a aumentar o número de casos”.

Para conhecer melhor “o peso desta variante do vírus no panorama nacional”, o Instituto Ricardo Jorge e o Instituto Gulbenkian Ciência vão fazer, nas próximas semanas e meses, “rastreios periódicos com base nesta sequenciação do genoma do vírus com uma elevada representatividade geográfica”, explicou João Paulo Gomes.

O investigador também não se mostra preocupado com a possível influência da nova estirpe na eficácia da campanha de vacinação que está a arrancar.

“Penso que a vacina garantidamente não está em perigo com o aparecimento desta ou doutras variantes”, considerou o cientista, explicando que “a resposta imunitária criada por uma vacina é muito complexa e muito completa. Envolve a geração de anticorpos contra muitos locais deste vírus, não apenas um ou outro onde esta mutação possa aparecer, mas também outro tipo de resposta imunitária que não tem a ver com anticorpos”.

Embora o aparecimento de uma nova estirpe de um coronavírus que provocou uma pandemia seja “sempre um motivo de preocupação”, as vacinas “foram muitíssimo bem desenvolvidas e não vão estar em perigo por este tipo de variantes que tem aparecido”, concluiu.

 

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pizza para Itália e salmão para a Noruega. Emissora pede desculpa por imagens usadas nos Jogos Olímpicos

O canal de televisão sul-coreano MBC pediu desculpa publicamente após usar imagens para representar países durante a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Fotos de pizza para a comitiva italiana, de salmão para a …

"Quanto mais cedo, melhor". A dona da Marlboro apoia a proibição dos cigarros até 2030

O CEO da Philip Morris Internacional, dona da Marlboro, apoia a proibição da venda de cigarros, mas os activistas anti-tabaco já acusaram a empresa de hipocrisia por tentar comprar uma farmacêutica enquanto lucra com o …

Bezos e Branson não são astronautas, clarifica Administração da Aviação norte-americana

Dúvida instalou-se depois dos voos que levaram os dois bilionários ao espaço. Novas diretrizes da Administração Federal de Aviação vêm esclarecer.  Após os voos que os tornaram nos primeiros turistas espaciais, Jeff Bezos e Richard Branson …

Soldados afegãos buscam refúgio no Paquistão após perderem postos na fronteira

Quase meia centena de soldados afegãos buscaram asilo no Paquistão após perderem para os Talibãs o controle das posições militares na fronteira, informou o exército paquistanês esta segunda-feira. Centenas de soldados do exército afegão e oficiais …

Portugal ultrapassa Estados Unidos em população com vacinação completa

EUA vivem atualmente um planalto no seu processo de vacinação, com pouco mais de meio milhão de cidadãos a serem vacinados diariamente. Desaceleração no ritmo de inoculações é atribuída a motivações pessoais da população e …

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …