Rei de Espanha não propôs nenhum nome para investidura. País enfrenta novas eleições a 10 de novembro

Henri Garat et JB Gurliat / Mairie de Paris

Felipe VI, rei de Espanha

A Espanha vai realizar novas eleições. Os dirigentes do Cidadãos, Albert Rivera, e do Partido Popular, Pablo Casado, disseram “não” à investidura de Pedro Sánchez como presidente do Governo espanhol e o rei Felipe VI optou por não fazer qualquer proposta nesse sentido.

Sánchez falou esta terça-feira ao telefone com os líderes dos três maiores partidos. Porém, Cidadãos e PP mantêm a rejeição à investidura e o Unidas Podemos confirmou a sua abstenção.

Na segunda-feira, Rivera abriu a possibilidade de também se abster, se o socialista assumisse três compromissos: romper os acordos com os nacionalistas bascos do EH Bildu para o governo de Navarra, autorizar a criação de uma mesa de negociação para voltar a aplicar o artigo 155.º da Constituição na Catalunha – caso o governo catalão não cumpra as sentenças do processo independentista catalão, que serão reveladas em Outubro – e não subir os impostos.

Sánchez enviou a Rivera um documento que considerou dar essas garantias. “A resposta de Sánchez é uma bofetada a todos os espanhóis”, respondeu o Cidadãos.

Os prazos constitucionais dão até segunda-feira ao rei para decidir se se avança para uma investidura ou para eleições. Felipe VI começou na segunda-feira uma última ronda pelos partidos, para saber se há condições para uma investidura e para acabar com o bloqueio político que dura desde as eleições de abril – as terceiras em quatro anos, que o PSOE venceu mas sem maioria.

Nesta terça-feira, recebeu o líder do Podemos, Pablo Iglesias, no Palácio da Zarzuela. Segundo as declarações de Iglesias à saída, falaram do cenário de eleições a 10 de novembro. ​ “O rei disse-me o mesmo que pensam os espanhóis. Depois das eleições de novembro, se acontecerem, o período das negociações não pode ser igual a este, com meses de inactividade”, disse Iglesias, citado pelo jornal La Vanguardia.

Depois de Iglesias, Felipe VI recebeu Albert Rivera e depois Pablo Casado. Por fim, recebeu Pedro Sánchez.

Rivera falou primeiro aos jornalistas depois da reunião, para dizer que ainda está disponível para ouvir cedências de Sánchez. “Ele que me telefone esta noite ou amanhã de manhã”, disse.

“Pedro Sánchez não tentou qualquer acordo com nenhuma formação política”, disse Pablo Casado depois. “A nossa posição foi coerente, responsável e aberta ao diálogo. Tenho a sensação que chegámos ao ponto que Sánchez desejava desde 28 de abril”. “A nossa posição não podia mudar”, rematou Casado.

Foi anunciado para breve um comunicado de Pedro Sánchez, o líder socialista e chefe do Governo em exercício.

Um mês e meio depois de ter sido rejeitado pelo Parlamento, Sánchez continua sem conseguir encontrar os apoios necessários à sua investidura, nomeadamente do partido do Unidas Podemos (extrema-esquerda).

O PSOE defende um compromisso “à portuguesa” — acordo parlamentar com Governo exclusivamente socialista —, enquanto o Unidas Podemos quer uma coligação governamental que tenha ministros da extrema-esquerda.

Face à recusa dos socialistas em aceitar um Executivo de coligação, o líder do Unidas Podemos, Pablo Iglesias, explicou na passada sexta-feira que tinha proposto um “Governo de coligação temporário” até à aprovação do Orçamento Geral do Estado.

A extrema-esquerda poderia em seguida sair da coligação, no caso de Sánchez considerar que a fórmula não resultava, ao mesmo tempo que continuaria a dar o seu apoio parlamentar. No mesmo dia, esta proposta foi qualificada de “absurda” pela porta-voz do Governo de Sánchez.

O PSOE foi o partido mais votado nas eleições de 28 de abril último, mas, com menos de 30% dos votos, precisa do apoio de outras formações políticas, sendo essencial o apoio do Unidas Podemos. As sondagens indicam que, em caso de repetição de eleições, o PSOE iria aumentar a percentagem de apoio, mas continuaria a precisar do apoio de outras formações para formar Governo.

Pedro Sánchez pede maioria absoluta

Após o comunicado da Casa Real Espanhola, Pedro Sánchez lamentou que não tenha sido possível avançar com uma solução de Governo, defendendo que fez “todos os possíveis” com vista a esse objetivo e que Espanha necessita de um executivo “estável“ e “duradouro”.

O chefe do Governo em funções deixou ainda um apelo aos espanhóis para deixarem claro o rumo que pretendem para o país nas próximas eleições, que deverão ser agendadas para 10 de novembro.

“Acabaram as consultas com os partidos e o resultado é claro: não há uma maioria no Congresso que garanta estabilidade. Não há bases suficientes, nem garantias para avançar com uma investidura que poderia falhar. Espero que os espanhóis concedam a maioria parlamentar ao PSOE para que não haja mais bloqueios a partir de 10 de novembro”, declarou Pedro Sánchez em conferência de imprensa a partir do Palácio de Moncloa, em Madrid.

O primeiro-ministro espanhol afastou quase por completo a possibilidade de o PSOE alcançar um acordo com os outros partidos até terça-feira, altura em que termina o prazo para a dissolução do Parlamento. “Penso que é importante que não se criem falsas expetativas”, sublinhou Pedro Sánchez, sustentando que todos os partidos devem dar explicações aos cidadãos nos próximos dias.

“Espanha não necessita de um Governo para uma investidura, mas sim um Governo para a legislatura. Espanha não necessita de qualquer tipo de Governo, mas sim de um Governo estável e duradouro, que tenha uma legislatura estável com um apoio parlamentar amplo e sólido”, defendeu o governante.

Questionado sobre uma possível demissão, Pedro Sánchez recusou liminarmente esse cenário, lembrando que é o representante da força política que foi mais votada no Parlamento. “É preciso reconhecer a legitimidade do partido que venceu as eleições”, rematou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …

Brexit: Hoje era o Dia D (mas afinal, fica tudo na mesma)

Devia ter sido o dia decisivo para o Brexit no Parlamento do Reino Unido, mas o processo foi mais uma vez adiado.  Foi aprovada uma emenda que obriga o primeiro-ministro Boris Johnson a pedir um novo …