Escola que custou 1,2 milhões está em risco de ruir e vai ser demolida

12

A Câmara Municipal do Entroncamento, em Santarém, aprovou a demolição do Jardim de Infância Sophia de Mello Breyner Andresen. A escola está em risco de ruir devido a falhas na construção e a demolição, apesar de muito dispendiosa, é a melhor solução.

Inaugurado em 2008, o Jardim de Infância Sophia de Mello Breyner Andresen está em risco de colapso, segundo um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

A obra custou 1,2 milhões de euros, mas apresenta falhas estruturais graves e, portanto, o edifício não tem “condições de segurança”, conforme frisa o relatório do LNEC, após uma inspecção.

No seguimento destas conclusões, a Câmara já aprovou a demolição do edifício, como reporta o Correio da Manhã (CM).

Só a demolição vai custar cerca de 2 milhões de euros, segundo refere o mesmo jornal. Um valor elevado que o município espera que seja comparticipado por fundos comunitários.

Após a demolição, será construído um novo jardim de infância que só deverá ficar pronto no lectivo 2022/2023. As cerca de 120 crianças que o deveriam frequentar vão, entretanto, ser distribuídas por outras escolas do Entroncamento.

O Jardim de Infância está encerrado desde 19 de Março passado, após a revelação das conclusões do LNEC que assinala as graves “fragilidades técnicas do projecto”, a “fraca qualidade de construção” e a “fiscalização insuficiente”, bem como o “risco de colapso”, segundo cita o site Entroncamento Online.

O presidente da Câmara, Jorge Faria, que foi eleito pelo PS, diz ao CM que ficou com “o bebé nas mãos”, culpando o anterior executivo do PSD pela situação.

A concepção e a construção da escola decorreram entre 2005 e 2007 quando a Câmara era liderada pelo PSD.

O actual executivo já enviou o processo para o Ministério Público (MP) para apurar “responsabilidades”, conforme já tinha dito Jorge Faria numa comunicação do município.

O autarca socialista diz que pode ter “havido situações de falta de rigor e de cumprimento das regras aplicáveis”.

Não podemos deixar passar em claro uma situação destas“, nota, salientando que “a escola custou quase 1,2 milhões de euros” e que “a sua substituição vai custar um valor semelhante ou superior”.

Só a demolição em si custará “muito dinheiro”, aponta ainda Jorge Faria, sublinhando que é “um valor muito elevado”.

Note-se que Jorge Faria, que chegou à presidência da Câmara em 2013, tendo sido reeleito em 2017, recandidata-se ao cargo pelo PS.

  ZAP //

12 Comments

  1. Por onde andarão os comentadores habituais? Escola com apenas 13 anos em perigo de ruir, e a situação não merece comentários? Porque será? Não há por aqui nenhum engenheiro que comente?

  2. Comento eu. Escola construída com apoio do Ministério da Educação, em pleno regabofe Sócrates. Era uma fartazana. Agora este xuxa presidente de Câmara já não se lembra disso. Sofre de amnésia.

    • Pensava eu que a construção dos jardins de Infância eram da competência das Câmaras Municipais!… É claro recorrendo a apoios, MAS GERIDO PELAS CÂMARAS MUNICIPAIS!
      Eu li na notícia:- “A concepção e a construção da escola decorreram entre 2005 e 2007 quando a Câmara era liderada pelo PSD”.
      Mas pronto, tenha sido lá quem quer que seja, é óbvio que desde a construção à demolição, parece-me escandalosa toda esta situação.
      E só posso concluir: Não há esperança para os portugueses! Os abusos continuam sempre na maior parte das áreas e a grande ritmo e, não há como nos vermos livres disto!

  3. Galhofa…está certamente a referir-se aos habituais comentadores anti-xuxialistas que “Observam” tudo sempre tão bem? Não é assim que eles se auto-denominam? 😀

  4. Fod#-#$… alguém tem de ir preso!!!
    1,2 milhões mais 2 milhões para demolir e provavelmente mais 2 milhões para fazer uma nova?!!!!!
    E assim se gere o nosso dinheiro

  5. A resposta é que a razão numero 1 para alguém querer ser eleito Presidente de Camara ou Vereador das Obras, não residir no ordenado fabuloso auferido. Assim e em vesperas de eleições, não há ninguém que quer fazer inimigos ao salientar o que há de podre no sistema. Todos comem

  6. “Programa Parque Escolar” do tempo do Governo do 44, para encher os bolsos a alguns amigaços… nada de surpreendente

    • Não é que não tenha muita razão na questão do programa. mas esse programa realmente neste caso não pode ser aplicado pois estas escolas até ao 4º ano são responsabilidade dos municipios e não estavam abrangidas pelo programa. Esse programa pecou pelas derrapagens e valores, ainda que reconheça que em muitas escolas fazia mesmo falta.

  7. 1,2 milhões de custo e 2 milhões para demolir. Só no nosso cantinho é que há disto.
    A escola deve ser bem grande.
    A câmara municipal não tem máquinas para demolir?. Por dois milhões pode certamente alugar as máquinas e pede ajuda aos militares.

  8. Se calhar até dá jeito,, dois milhões para demolir, não entendo é mais algum já para o bolso de alguns e onde estão os responsáveis incluindo o construtor? para pagar a conta.

  9. Quem não é ingénuo com certeza já concluiu que muitas obras são feitas para dar comissões a alguém! PS diz que a culpa é do PSD, e PSD não se prenuncia? Alguém tem que ser culpado! Mas não tenham dúvidas, é mais um caso em que ” a culpa vai morrer solteira”!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.