Gralhas e cruzes em falta. “Erros processuais” tiram mobilidade por doença a professores

iStock

Alguns professores viram recusados os seus pedidos de mobilidade por doença devido a “erros processuais” que passam por gralhas, erros em datas e nomes e pela falta de cruzes em formulários. E nem após a rectificação destes lapsos, a recusa foi alterada pelo Ministério da Educação.

O caso é reportado pela Rádio Renascença que refere que no concurso deste ano, 7.786 professores, “70% dos quais por doença própria e os restantes por doenças de familiares”, concorreram à figura da mobilidade por doença que permite aos docentes com problemas de saúde ou com familiares doentes a seu cargo ficarem colocados mais próximo das suas residências.

Do total de professores que concorreram à mobilidade, 5% viram os pedidos recusados e destes, “cerca de 389 professores” viram os pedidos rejeitados devido a “erros processuais”, como apurou a Renascença.

Estão em causa gralhas, “assinaturas em falta, moradas com nomes diferentes, cruzes fora do sítio ou documentos que não foram enviados”, como sustenta a Rádio, realçando que a Direcção Geral da Administração Escolar (DGAE) acabou por não permitir aos docentes a correcção, mantendo a rejeição do pedido de mobilidade.

Nalgumas situações, há professores que conseguiram ter acesso à mobilidade ao longo de anos consecutivos, com problemas de saúde comprovados, e que ficaram sem ela devido a estes lapsos.

Como estarão em causa erros dos docentes, a DGAE não está a admitir correcções, o que força os professores implicados a meterem baixa por doença ou a irem mesmo dar aulas longe de casa.

Fonte do Ministério da Educação refere à Renascença que os pedidos de mobilidade por doença “têm vindo a aumentar de ano para ano”. E há quem considere que estamos perante um caso em que o justo paga pelo pecador, já que há professores realmente doentes ou com familiares doentes que estão a ser prejudicados por pormenores quando alguns concorrem à mobilidade, conseguindo-a, sem estarem de facto doentes ou terem familiares nessa condição. Tudo devido à falta de fiscalização.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Ah, então nada de novo.
    Como não há capacidade de fiscalização usa-se a folha de cálculo, dividindo por zero.
    Aqui, como noutras áreas do Estado.
    Adiante.

RESPONDER

Prendas aos deputados acima de 150 euros serão divulgadas na Internet

PS, PSD e Bloco aprovaram, esta terça-feira, em votação final na Comissão Parlamentar de Transparência, o conjunto de critérios orientadores em matéria de ofertas e hospitalidade de deputados, diploma que teve a oposição do PAN. Estes …

Metro do Porto compra 18 novos veículos e assegura mais 60 mil lugares por dia

A Metro do Porto assinou esta terça-feira o contrato para a aquisição, por 49,6 milhões de euros, de 18 composições à empresa chinesa CRC Tangsthan que permitirão disponibilizar mais 60 mil lugares diários, estima a …

Catarina Martins diz que Carlos Costa "não tem condições" para ser governador

Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda, disparou contra aqueles que considera serem "cúmplices" do "assalto ao povo angolano". Tanto a Justiça como o Governo português têm de agir, considera o Bloco de Esquerda, na sequência …

Pedro Sánchez vai reunir-se com líder do governo regional catalão

O primeiro-ministro espanhol e líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez, anunciou na segunda-feira que se reunirá com o líder do governo regional da Catalunha, Quim Torra, no início de fevereiro. Em entrevista à televisão …

Governo confirma que nunca avaliou impacto dos vistos gold. Só 5% foram recusados

O Ministério da Administração Interna (MAI) confirmou que não foram realizadas avaliações ao impacto dos vistos gold e que não cabe ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) controlar as origens do capital investido em …

Conselho de Finanças Públicas alerta para "risco de desvio significativo" no ritmo de ajustamento estrutural

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) alerta para um "risco de desvio significativo" do ritmo de ajustamento estrutural da economia portuguesa em 2020, avisando que a evolução programada da despesa no OE2020 "não cumpre o …

Carolina Salgado condenada a pena de quatro meses de prisão, substituída por multa de 600 euros

Carolina Salgado não cumpriu sentença do processo de difamação a Pinto da Costa. Além das 300 horas de trabalho comunitário devia ter publicado o texto da sentença no jornal e não o fez. Carolina Salgado foi …

Taiwan deteta primeiro paciente com pneumonia originária da China

A Agência Central de Notícias de Taiwan disse que uma mulher, que esteve recentemente na cidade chinesa de Wuhan, está a ser tratada e foi colocada sob quarentena, depois de se ter dirigido voluntariamente aos …

PSP investiga alegada agressão de um agente a uma mulher na Amadora

A Polícia de Segurança Pública (PSP) abriu um processo de averiguações sobre a atuação policial contra uma mulher que foi detida, no domingo, na Amadora, ocorrência que envolveu "agressões" e que resultou numa denúncia contra …

Ex-presidente da Interpol condenado a 13 anos e meio de prisão por suborno

O ex-presidente da Interpol Meng Hongwei foi condenado a 13 anos e meio de prisão por suborno, segundo uma declaração de um tribunal chinês divulgada esta terça-feira. Além da pena de prisão, foi multado em …