Ensino à distância roubou a muitos universitários a licenciatura de que estavam à espera

A pandemia de covid-19 obrigou o ensino superior a reinventar-se e se alguns cursos conseguiram adotar o modelo online sem prejuízos, noutros casos o ensino a distância impediu aulas práticas, roubando aos estudantes a licenciatura que esperavam.

Desde que em março do ano passado a pandemia obrigou ao encerramento de todos os estabelecimentos de ensino, o superior não voltou a ser o mesmo. Quando puderam reabrir, as universidades e politécnicos priorizaram as aulas práticas e laboratoriais e muitas implementaram um regime misto, mantendo algumas aulas online.

Em janeiro, o regresso ao confinamento voltou a meter um travão às atividades presenciais, deixando em suspenso muitas aulas práticas. Agora, com o desejado regresso ao campus a partir de segunda-feira, as disciplinas sacrificadas serão novamente prioridade nos planos dos reitores e presidentes dos politécnicos para a reabertura.

No entanto, para alguns universitários, o tempo que lhes resta até ao final do ano letivo não será suficiente para recuperar aquilo que a pandemia lhes roubou: a licenciatura que esperavam.

É o caso de Madalena Pepolino e Ana Cardoso, estudantes em cursos tão diferentes como Teatro e Jornalismo, que em comum têm uma importante componente prática intransponível para o online.

“Não foi tudo suspenso, [os professores] conseguiram adaptar-se para a distância, mas não conseguimos adquirir, nem de perto, as competências que deveríamos ter adquirido. Toda essa experiência foi perdida”, contou à Lusa Ana Cardoso, finalista de Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social (ESCS) em Lisboa.

Recordando o primeiro confinamento, em março do ano passado, a estudante explica que a faculdade encerrou precisamente no semestre com mais ateliers e aulas práticas e o tempo que devia ter passado nos estúdios de televisão e rádio da escola foi passado em casa.

“Num ano normal, estaríamos a aprender a mexer com câmaras de televisão, com o teleponto, microfones, mesa de som… E não aprendemos nada disso”, lamentou, explicando que tudo isso foi trocado pelo telemóvel e pelo computador.

No segundo ano do curso de Teatro da Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC), Madalena Pepolino enfrentou desafios diferentes, mas com consequências semelhantes.

Como atriz, é muito importante fazer, pôr o corpo em prática”, explicou, referindo também que a interação e a conexão com os outros “não existe por Zoom”.

Os problemas eram muitos, recorda. Replicar as aulas de voz nas plataformas de videoconferência era impossível, nas disciplinas de Corpo os professores tiveram dificuldade em encontrar alternativas para a avaliação e em Interpretação passaram de, em conjunto, pôr em prática as obras aprendidas para as apresentarem em forma de monólogo.

Por outro lado, nem todos os estudantes tinham em casa as condições adequadas para realizar as atividades práticas, ora porque lhes faltavam espaços amplos, ora porque tinham de os partilhar com outros familiares que também estavam em teletrabalho.

“Eu tinha muitas expectativas, e muita coisa não foi possível. Isso foi uma desilusão”, refere Madalena Pepolino, admitindo que, ainda assim, prefere pensar neste período como um desafio em que acabou por adquirir outras competências.

No último ano, Ana Cardoso também não dá o curso como perdido, mas apenas porque, ao contrário de muitos colegas, se envolveu desde o primeiro ano em atividades extracurriculares que lhe permitiram aprender muitas das coisas que acabaram por se perder no plano de estudos.

“Tenho alguns colegas que não tiveram essa experiência e estão a pensar tirar cursos noutras instituições, mas é muito mau termos de estar a pagar por estes cursos quando pagamos para uma licenciatura em que, supostamente, deveríamos ter aprendido essas coisas”, lamenta.

Do lado das instituições de ensino superior, existe a perceção de que esta frustração é partilhada por muitos alunos que ainda assim compreendem, como aquelas estudantes, que as escolas fizeram os possíveis para se adaptar ao “novo normal”.

“Temos notado muito desalinhamento das expectativas de estudantes que estavam à espera de cursos muito mais práticos e, fruto do ensino à distância, não os pudemos satisfazer”, disse à Lusa o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Pedro Dominguinhos.

Também o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) manifestou já preocupação com a possibilidade de alguns alunos concluírem os cursos sem adquirir todas as competências previstas, mas com a reabertura a partir de segunda-feira ambos esperam que os atrasos sejam compensados até ao final do ano letivo.

Do outro lado da moeda, há também aqueles alunos que dizem ter perdido pouco com o ensino a distância e esse não é um sentimento partilhado apenas pelos estudantes de cursos sobretudo teóricos.

Sofia Mendonça é disso exemplo. No terceiro ano de Engenharia Informática no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), o computador pessoal foi sempre o principal instrumento de trabalho e o digital o espaço habitual.

“Não houve perda nenhuma. No nosso caso específico, já é tudo feito online e mesmo nas disciplinas em que isso não acontecia, os professores adaptaram-se”, disse, admitindo não sentir sequer necessidade de voltar ao presencial.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Autoagendamento a partir dos 60 anos deve arrancar no final da próxima semana

O autoagendamento para a vacinação contra a covid-19 deverá passar a contemplar as pessoas a partir dos 60 anos, em vez dos atuais 65, já no final da próxima semana, adiantou hoje à Lusa fonte …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social arranca com apelos a mudança para recuperar da crise

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

Comandos. MP pede condenação de cinco arguidos a penas entre dois e 10 anos de prisão

O Ministério Público (MP) pediu hoje a condenação de cinco dos 19 arguidos no processo relativo à morte de dois recrutas dos Comandos, em 2016, a penas de prisão entre dois e 10 anos. Nas alegações …

Juventus quer Zidane para o lugar de Pirlo

O insucesso desportivo da Juventus esta temporada deve fazer com que Pirlo saia do clube. Zidane, que também estará de saída do Real Madrid, é o favorito da vecchia signora. Zinédine Zidane estará a pensar seriamente …

“Incompetência e arrogância”. Cabrita está (novamente) debaixo de fogo. Partidos pedem a sua demissão

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, está mais uma vez no centro da polémica. Depois de ter avançado com uma requisição civil para que mais de 20 imigrantes fossem transportados para o Zmar, durante a …

Fernando José é o candidato do PS a Setúbal. Ana Catarina Mendes concorre à Assembleia Municipal

O deputado e vereador socialista Fernando José é o cabeça de lista do PS às próximas eleições autárquicas para a Câmara de Setúbal e Ana Catarina Mendes à Assembleia Municipal, revelou fonte oficial do Partido …

Portugal na zona de queda dos restos do foguetão chinês

O foguete de Longa Marcha chinês que foi lançado a 29 de abril, e agora está a preocupar o mundo. As previsões é que a reentrada na atmosfera se dê até ao próximo dia 9 …

CIP propõe "almofada" pública de 8.000 milhões para resolver moratórias

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) propôs ao Governo criar uma "almofada" de garantias públicas no valor de oito mil milhões de euros para dar poder às empresas e levar a banca a renegociar os …

Reino Unido. Variante indiana é “preocupante“ e já infetou idosos vacinados

No Reino Unido, já foram encontradas 48 cadeias de transmissão da variante indiana e sabe-se que há transmissão comunitária. A Public Health England classifica esta variante como “preocupante”. A direção geral de saúde de Inglaterra (PHE …

Petição para cancelar Jogos Olímpicos conta já com 200 mil assinaturas

Uma petição 'online' a pedir o cancelamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 devido à pandemia da covid-19 ultrapassou esta sexta-feira as 200 mil assinaturas, avançou a agência Lusa. A campanha, lançada na quarta-feira pelo advogado e ativista …