A empresa que mais polui em Espanha é patrocinadora da cimeira da ONU sobre o clima em Madrid

John Hogg / World Bank

A elétrica Endesa, a empresa que mais poluiu em Espanha durante 2018, é patrocinadora diamante da Cimeira das Nações Unidas sobre o clima (COP25), que arrancou esta segunda-feira em Madrid.

Em 2018, as empresas que mais contribuíram para as mudanças climáticas em Espanha foram a Endesa, Repsol, Naturgy, EDP, ArcelorMittal, Cepsa, Viesgo, Iberdrola, Cemex, Lafarge -Holcim e Cementos Portland, de acordo com o relatório “Emergência Climática em Espanha 2019”, elaborado pelo Observatório de Sustentabilidade, um projeto idependente sediado na Universidade de Alcalá, na capital espanhola.

O documento frisa que a maior parte destas empresas opera no campo energético.

Entre as empresas elencadas, a Endesa é apontada como a que mais polui em Espanha: a elétrica é responsável pela libertação de 23% das emissões industriais e 9% das totais no país. Em 2018, terá libertado cerca de 30 milhões de toneladas de gases com efeito de estufa, de acordo com o mesmo observatório espanhol.

A empresa pagou dois milhões de euros para ser “patrocinadora diamante” da COP25, podendo parte deste valor ser recuperado através de incentivos e deducões fiscais, tal como observa a Russia Today.

Nesta segunda-feira, dia em que arrancou a cimeira da ONU, a Endesa comprou uma página completa de publicidade na maioria dos jornais espanhóis – quatro diário nacionais e um local, segundo detalha a imprensa espanhola.

“No dia em que é inaugurada a #COP25, a Endesa, a empresa que mais causa emissões [para a atmosfera] em Espanha, compra a capa da maioria dos jornais. [Esta é] uma imagem devastadora do descrédito mais do que justificado do atual sistema político, económico e dos média”, escreveu a presidente da Câmara de Barcelona, Ada Colau, numa publicação na sua conta oficial no Twitter.

A COP25 começa esta segunda-feira em Madrid, com a presença de 50 líderes mundiais, incluindo o primeiro-ministro português, António Costa.

Durante a 25.ª Conferência das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que se prolonga até 13 de dezembro, são esperadas delegações de 196 países, assim como os mais altos representantes da União Europeia e várias instituições internacionais, o que pressupõe “a totalidade dos países do mundo”, de acordo com um comunicado do Governo espanhol.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. ora cá está mais um exemplo da palhaçada que tudo isto é.

    o objectivo nada tem a ver com preocupações ambientais, que eles sabem perfeitamente que não existem e muito menos urgências, mas é tudo sobre controlo populacional e taxar o pessoal.

    o colectivismo reinante continua, com o alto patrocínio das elites reinantes.

  2. Não fina ironia da hipocrisia não deixa de ter o seu quê de cómico. Ora aí está um mais exemplo. Quem melhor pode guardar as galinhas? O lobo, pois claro!

  3. É mais barato à Endesa comprar uma cimeira do que instalar equipamentos para reduzir a poluição?
    Se a Endesa retirar o patrocínio não há cimeira?
    Se a cimeira promover multas à Endesa está a cometer suicídio?
    A Endesa dá duas razões para a existência da cimeira, polui e patrocina. Nos discursos vão todos agradecer à Endesa?
    Isto tem a sua graça … triste.

    • Quem mais polui são os países e os governos, eles tem a responsabilidade de criar regras ou autorizar empresas como a Endesa a poluir como polui. A china e os E.U.A. são um exemplo.

      A cimeira é para discutir como todos os países (e não só) devem de agir ou regulamentar de forma a reduzir a pegada ambiental deixada por cada estado membro.
      Por muito irónico que seja a Endesa patrocinar, não é algo mau ou mesmo a tentativa de subornar as regras. Pelo contrario, deve ser visto como um sinal claro que entende o problema e deve mudar os hábitos.
      Claro que de um dia ao outro não se pode mudar tudo, mas para tua informação, a Iberdrola e Endesa tem investido nos últimos anos para mudar o cenário e apesar de ainda estarem no topo das empresas que mais libertam gases com efeito de estufa, isto deve-se a ao uso massivo de centrais eléctricas antigas e vindas de um tempo em que ninguém ligava nenhuma para o ambiente (culpa de todos nós, assim que não assobies para o ar e apontes o dedo para o vizinho do lado).

      Nos últimos anos, tal como a EDP, a Endesa e Iberdrola tem reduzido muito a sua pegada ambiental através do aproveitamento do ambiente e a criação de energias limpas.

      A notícia mostra bem o irónico que o patrocínio parece, mas os comentários mostram bem a hipocrisia de cada um em a apontar o dedo e assobiar para o ar, fomos e somos todos nós que criamos o problema.
      Basta racionalizar o nosso consumo de energia passando a ter so uma televisão (e com uso racional), ter cuidado com o ar condicionado / aquecedor, mudar de electrodomésticos para os que tem no menos consumo A+, mudar para lâmpadas LED (todas em casa e não só, já sei que todos temos algumas), racionalizar o consumo de energia, deixar o carro em casa e ir de transportes, etc … para que a pegada destas empresas baixe para quase 0 através de energias limpas.
      Claro está que estas medidas obrigam a mudar hábitos que não queremos mudar porque perdemos qualidade de vida ou a investimentos largos que não estamos dispostos a fazer.

  4. É o fenómeno conhecido por compra de indulgências, nesse caso à ONU, de modo a ver perdoado o seu pecado de poluidor do planeta.

  5. Patrocinar a “cimeira palhaçada” é um gesto para se redimir do mal feito, pode ser que assim seja perdoada (ou esquecida, que é o mais natural).

NASA revela que há água na Lua

A NASA revelou, esta segunda-feira, que foi encontrada água em forma de gelo numa superfície da Lua. Os investigadores apontam ainda para a possibilidade de existirem múltiplos depósitos subterrâneos na Lua onde esteja armazenada água …

Itália volta a disputar a fronteira do Monte Branco com França

Depois das autoridades francesas imporem medidas restritivas que afetaram o território italiano, o país reacendeu uma disputa antiga com França. Em causa estão os direitos de fronteira do Monte Branco. Luigi Di Maio, ministro das Relações …

Maior queda do mês no preço dos combustíveis. Gasóleo atinge mínimos de 4 meses

A partir de hoje os preços dos combustíveis irão baixar, e esta será a maior queda do mês. No que diz respeito ao preço da gasolina, esta deverá cair um cêntimo para 1,387€ por litro. …

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …